Prata Pura Sete Vezes Refinada

PRATA PURA SETE VEZES REFINADA

PREFÁCIO

A seleção das passagens desta coleção foi feita com o objetivo de facilitar a releitura das partes da Bíblia que considerei de maior proveito ao longo de três anos de estudos (2017-2019). Além de produzir este volume para meu proveito pessoal, resolvi imprimir alguns volumes adicionais para presentear amigos e familiares, para que outras pessoas também possam se beneficiar. Segue um breve relato do projeto e algumas considerações adicionais:

– Após inspecionar o teor de pelo menos cinco traduções diferentes, optei por trabalhar com a Bíblia de Jerusalém, uma tradução já famosa por sua qualidade;

– Fiz sete leituras do texto bíblico, inicialmente três leituras integrais e mais quatro parciais para seleção, filtro, transcrição e revisão final das passagens selecionadas;

– Esta coleção NÃO substitui a leitura do texto completo das escrituras, o qual recomendo muito que seja lido integralmente ao menos uma vez na vida, nem que seja aos poucos;

– Para alcançar um número tão restrito de passagens significativas (1438 partes de 35527 versículos, portanto pouco mais de cerca de 4% do texto integral), foi necessário eliminar muitas narrativas que dão o contexto apropriado, de forma que dúvidas podem surgir durante a leitura. As dúvidas podem ser sanadas com uma pesquisa da própria Bíblia, ou, em caso de preguiça, é só me perguntar;

– O critério da seleção seguiu minha intuição a respeito da unidade da escritura. Apesar de ser composta de tantos livros diferentes, a Bíblia apresenta, a meu ver, uma impressionante concordância em seu sentido profundo. Espero que esse nexo seja percebido e aproveitado também por outros.

OBRIGADO

SUMÁRIO

LIVROS LEGAIS (§1-52)

GÊNESIS (§1-10)

ÊXODO (§11-21)

LEVÍTICO (§22-23)

NÚMEROS (§24-28)

DEUTERONÔMIO (§29-52)

LIVROS HISTÓRICOS (§53-106)

JOSUÉ (§53-54)

JUÍZES (§55)

I SAMUEL (§56-66)

II SAMUEL (§67)

I REIS (§68-69)

II REIS (§70-72)

I CRÔNICAS (§73-78)

NEEMIAS (§79-83)

TOBIAS (§84-88)

JUDITE (§89-94)

ESTER (§95-103)

I MACABEUS (§104)

II MACABEUS (§105-106)

LIVROS POÉTICOS E SAPIENCIAIS (§107-656)

JÓ (§107-139)

SALMOS (§140-370)

PROVÉRBIOS (§371-441)

ECLESIASTES (§442-461)

CÂNTICO DOS CÂNTICOS (§462-482)

SABEDORIA DE SALOMÃO (§483-552)

ECLESIÁSTICO (§553-656)

LIVROS PROFÉTICOS (§657-974)

ISAÍAS (§657-797)

JEREMIAS (§798-875)

LAMENTAÇÕES (§876-882)

BARUC (§883-893)

EZEQUIEL (§894-903)

DANIEL (§904-907)

OSÉIAS (§908-924)

JOEL (§925-927)

AMÓS (§928-936)

JONAS (§937-938)

MIQUÉIAS (§939-948)

NAUM (§949-951)

HABACUC (§952-954)

SOFONIAS (§955-958)

AGEU (§959)

ZACARIAS (§960-968)

MALAQUIAS (§969-974)

LIVROS MESSIÂNICOS (§975-1437)

MATEUS (§975-1076)

MARCOS (§1077-1081)

LUCAS (§1082-1108)

JOÃO (§1109-1217)

ATOS DOS APÓSTOLOS (§1218-1228)

ROMANOS (§1229-1285)

I CORÍNTIOS (§1286-1312)

II CORÍNTIOS (§1313-1326)

GÁLATAS (§1327-1332)

EFÉSIOS (§1333-1344)

FILIPENSES (§1345-1355)

COLOSSENSES (§1356-1358)

I TESSALONICENSES (§1359-1360)

II TESSALONICENSES (§1361-1364)

I TIMÓTEO (§1365-1369)

II TIMÓTEO (§1370-1372)

HEBREUS (§1373-1377)

TIAGO (§1378-1383)

I PEDRO (§1384-1386)

II PEDRO (§1387-1389)

I JOÃO (§1390-1407)

JUDAS (§1408-1410)

APOCALIPSE (§1411-1437)

LIVROS LEGAIS (§1-52)

GÊNESIS (§1-10)

§1 Deus disse: “Haja luz”, e houve luz. Deus viu que a luz era boa, e Deus separou a luz e as trevas.

§2 Deus concluiu no sétimo dia a obra que fizera e no sétimo dia descansou, depois de toda a obra que fizera. Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, pois nele descansou depois de toda a sua obra de criação.

§3 Maldito é o solo por causa de ti! Com sofrimentos dele te nutrirás todos os dias de tua vida. Ele produzirá para ti espinhos e cardos. Com o suor de teu rosto comerás teu pão até que retornes ao solo, pois dele foste tirado. Pois tu és pó e ao pó tornarás.

§4 Disse o Senhor Deus: “Se o homem já é como um de nós, versado no bem e no mal, que agora ele não estenda a mão e colha também da árvore da vida, e coma e viva para sempre!” E o Senhor Deus o expulsou do jardim de Éden para cultivar o solo de onde fora tirado.

§5 O Senhor respirou o agradável odor e disse consigo: “Eu não amaldiçoarei nunca mais a terra por causa do homem, porque os desígnios do coração do homem são maus desde a sua infância.”

§6 E o Senhor disse: “Eis que todos constituem um só povo e falam uma só língua. Isso é o começo de suas iniciativas! Agora, nenhum desígnio será irrealizável para eles. Vinde! Desçamos! Confundamos a sua linguagem para que não mais se entendam uns aos outros.”

§7 Eu sou o Senhor, anda na minha presença e sê perfeito. Eu instituo minha aliança entre mim e ti, e te multiplicarei extremamente.

§7(b) Abraão disse a Deus: “Oh! Que Ismael viva diante de ti!” Mas Deus respondeu: “Não, mas tua mulher Sara te dará um filho: tu o chamarás Isaac; estabelecerei minha aliança com ele, como uma aliança perpétua, com sua descendência depois dele. Em favor de Ismael também, eu te ouvi. Mas minha aliança eu a estabelecerei com Isaac.”

§8 Abraão respondeu: “É Deus quem proverá o cordeiro para o holocausto, meu filho.”

§9 Não te chamarás mais Jacó, mas Israel, porque foste forte contra Deus e contra os homens, e tu prevaleceste.

§10 José lhes disse: “Não tenhais medo algum! Acaso estou no lugar de Deus? O mal que tínheis intenção de fazer-me, o desígnio de Deus o mudou em bem, a fim de cumprir o que se realiza hoje.”

ÊXODO (§11-21)

§11 Moisés disse a Deus: “Quando eu for aos israelitas e disser: ‘O Deus de vossos pais me enviou até vós’; e me perguntarem: ‘Qual é o seu nome?’, que direi?” Disse Deus a Moisés: “Eu sou aquele que é. Assim dirás aos israelitas: EU SOU me enviou até vós.”

§12 O Faraó respondeu: “Vós sois muito preguiçosos; e é por isso que dizeis: ‘Vamos sacrificar ao Senhor’. Ide, pois, agora, e trabalhai. Palha, porém, não vos será dada. Contudo, fareis a mesma quantidade de tijolos.”

§13 Moisés falou aos israelitas, mas eles não ouviram Moisés por causa da ânsia do espírito e da dura escravidão.

§14 Quem é igual a ti, ó Senhor, entre os deuses? Quem é igual a ti, ilustre em santidade? Terrível nas façanhas, hábil em maravilhas? Levaste em teu amor este povo que redimiste, e o guiaste com poder para a morada que consagraste!

§15 O poder de teu braço os petrifica, até que passe teu povo, ó Senhor, até que passe este povo que compraste. Tu os conduzirás e plantarás sobre a montanha, a tua herança, lugar onde fizeste, ó Senhor, a tua residência, santuário, Senhor, que as tuas mãos prepararam.

§16 Vós mesmos vistes o que eu fiz aos egípcios, e como vos carreguei sobre asas de águia e vos trouxe a mim. Agora, se ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, sereis para mim uma propriedade peculiar entre todos os povos, porque toda a terra é minha.

§17 Eu sou o Senhor teu Deus que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão. Não terás outros deuses diante de mim.

§18 Não te prostrarás diante desses deuses e não os servirás, porque eu, o Senhor teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e a quarta geração dos que me odeiam, mas que também ajo com amor até a milésima geração dos que me amam.

§19 Senhor! Senhor… Deus de ternura e piedade, lento para a cólera, rico em graça e em fidelidade; que guarda sua graça a milhares, tolera a falta, a transgressão e o pecado, mas a ninguém deixa impune.

§20 Senhor, se agora encontrei graça aos teus olhos, continua mesmo que este povo seja de cerviz dura. Perdoa as nossas faltas e os nossos pecados, e toma-nos por tua herança.

§21 Não adorarás outro deus. Pois o Senhor tem por nome Zeloso: é um Deus zeloso. Não faças aliança com os moradores da terra. Não suceda que, em se prostituindo com os deuses deles e lhes sacrificando, alguém te convide e comas dos seus sacrifícios.

LEVÍTICO (§22-23)

§22 Não vos tornei impuros com nenhuma dessas práticas: foi por elas que se tornaram impuras as nações que expulso de diante de vós. A terra se tornou impura, eu puni sua falta e ela vomitou os seus habitantes. Vós, porém, guardareis meus estatutos e minhas normas.

§23 Não terás no teu coração ódio pelo teu irmão. Deves repreender o teu compatriota e, assim, não terás a culpa do pecado. Não te vingarás e não guardarás rancor contra os filhos do teu povo. Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou o Senhor.

NÚMEROS (§24-28)

§24 O Senhor vos dará carne para comer. Não comereis um dia apenas, ou dois ou cinco ou dez ou vinte, mas, pelo contrário, um mês inteiro, até que saia pelas vossas narinas e vos provoque náuseas, visto que rejeitastes o Senhor que está no meio de vós e que chorastes diante dele.

§25 Respondeu-lhe Moisés: “Estás ciumento por minha causa? Oxalá todo o povo do Senhor fosse profeta, dando-lhe o Senhor o seu Espírito!”

§26 Até quando este povo me desprezará? Até quando recusará crer em mim, apesar dos sinais que fiz no meio dele?

§27 Eu o perdôo, conforme a tua súplica. Mas, eis que eu vivo! E a glória do Senhor enche toda a terra! Todos estes homens que viram minha glória e os sinais que fiz, estes homens que já me puseram à prova dez vezes, sem obedecer à minha voz, não verão a terra que prometi.

§28 Até quando esta comunidade perversa há de murmurar contra mim? Ouvi as queixas que os israelitas murmuram contra mim. Dize-lhes: Por minha vida, eu vos tratarei segundo as próprias palavras que pronunciastes aos meus ouvidos.

DEUTERONÔMIO (§29-52)

§29 Ficai atentos a vós mesmos, para não vos esquecerdes da Aliança que o Senhor vosso Deus concluiu convosco. Teu Deus o Senhor é fogo devorador. Ele é um Deus ciumento.

§30 No fim dos tempos, porém, tu te voltarás para o Senhor teu Deus e obedecerás à sua voz; pois o Senhor teu Deus é um Deus misericordioso: não te abandonará e não te destruirá, pois nunca vai se esquecer da Aliança que fez.

§31 Ouve, ó Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor! Portanto, amarás ao Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua força. Que estas palavras que hoje te ordeno estejam em teu coração!

§32 Quando entrares nas cidades boas que não edificaste, nas casas cheias de coisas boas, casas que não encheste; poços abertos que não cavaste; vinhas e olivais que não plantaste; quando, pois, comeres e estiveres saciado, fica atento a ti mesmo! Não te esqueças do Senhor.

§33 Se o Senhor se afeiçoou a vós e vos escolheu, não é por serdes o mais numeroso dos povos –pelo contrário: sois o menor dentre os povos!– e sim por amor a vós e para manter a promessa que ele jurou aos vossos pais; por isso o Senhor vos fez sair com mão forte e te resgatou.

§34 O Senhor teu Deus é único Deus, o Deus fiel, que mantém a Aliança e o amor por mil gerações, em favor daqueles que o amam e observam seus mandamentos; mas é também o que retribui pessoalmente aos que o odeiam.

§35 Não é por causa da tua justiça que o Senhor teu Deus te concede possuir esta boa terra, pois tu és um povo de cerviz dura!

§36 Circuncidai, pois, o vosso coração e nunca mais reteseis a vossa nuca! Pois o Senhor vosso Deus é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, o valente, o terrível, que não faz acepção de pessoas e não aceita suborno.

§37 Se alguém se abençoar a si próprio no coração, dizendo: “Vou ter paz, mesmo que ande conforme a obstinação do meu coração, pois a abundância da água fará a sede desaparecer”, o Senhor jamais consentirá em perdoá-lo. Pelo contrário, sua ira e ciúme se inflamarão.

§38 As coisas escondidas pertencem ao Senhor nosso Deus; as coisas reveladas, porém, pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que ponhamos em prática todas as palavras desta Lei.

§39 O Senhor teu Deus circuncidará o teu coração e o coração da tua descendência, para que ames ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma, e vivas.

§40 Este mandamento que hoje te ordeno não é excessivo para ti, nem está fora do teu alcance. A palavra está muito perto de ti: está na tua boca e no teu coração, para que a ponhas em prática.

§41 Eis que hoje estou colocando diante de ti a vida e a felicidade, e a morte e a infelicidade. Se ouves os mandamentos do Senhor teu Deus que hoje te ordeno, viverás e te multiplicarás.

§42 Hoje tomo o céu e a terra como testemunhas contra vós: eu te propus a vida ou a morte, a bênção ou a maldição. Escolhe, pois, a vida, para que tu vivas tu e a tua descendência, amando ao Senhor teu Deus, obedecendo à sua voz e apegando-te a ele. Porque disto depende a tua vida.

§43 Tomai este livro da Lei e colocai-o ao lado da Arca da Aliança. Ele estará ali como um testemunho contra ti. Porque eu conheço o teu espírito rebelde e a tua dura cerviz.

§44 Eu vou proclamar o nome do Senhor; quanto a vós, engrandecei o nosso Deus! Ele é a Rocha, e sua obra é perfeita, pois toda a sua conduta é o Direito. É Deus verdadeiro e sem injustiça, ele é a Justiça e a Retidão.

§45 Corromperam-se os que sem tara ele gerou, geração depravada e pervertida. É isto que devolveis ao Senhor? Povo idiota e sem sabedoria… Não é ele teu pai, teu criador? Ele próprio te fez e te firmou!

§46 Ele te achou numa terra do deserto, num vazio solitário e ululante. Cercou-te, cuidou de ti e guardou-te com carinho, como se fosse a menina dos seus olhos. Como a águia que vela por seu ninho e revoa por cima dos filhotes, ele te tomou, estendendo as suas asas, e o carregou.

§47 Rejeitou o Deus que o fizera, desprezou sua Rocha salvadora; provocou seu ciúme com estranhos e com abominações o deixaram enfurecido; sacrificou a demônios, falsos deuses, a deuses que não havia conhecido.

§48 Vou ocultar-lhes o rosto e ver qual será seu futuro! São uma geração pervertida, são filhos que não têm fidelidade! Provocaram meu ciúme com um deus falso, me irritaram com seus ídolos vazios; pois vou provocar seu ciúme com um povo falso, vou irritá-los com uma nação idiota!

§49 E ele, Israel, não se abriga junto a mim, sigilado em meus tesouros?

§50 Veja bem: EU SOU, e fora de mim não há outro Deus! Sou eu que mato e faço viver, sou eu que firo e torno a curar, e da minha mão ninguém se livra.

§51 Tão verdade como eu vivo eternamente, quando eu afiar minha espada fulgurante e minha mão agarrar o Direito, tomarei vingança do meu adversário, e retribuirei àqueles que me odeiam.

§52 A Benjamin ele diz: O amado do Senhor repousa tranquilo junto a ele; o Altíssimo o protege todo o dia e habita entre as suas encostas.

LIVROS HISTÓRICOS (§53-106)

JOSUÉ (§53-54)

§53 Dei-vos uma terra que não exigiu de vós nenhum trabalho, cidades que não construístes e nas quais habitais, vinhas e olivais que não plantastes e dos quais comeis. Temei ao Senhor e servi-o na perfeição e na fidelidade. Lançai fora os deuses a que serviram os vossos pais.

§54 Não podeis servir ao Senhor, pois ele é um Deus santo, um Deus ciumento, que não suportará as vossas transgressões, nem os vossos pecados. Se abandonardes o Senhor para servir os deuses do estrangeiro, ele vos fará mal e vos consumirá depois de vos haver feito o bem.

JUÍZES (§55)

§55 O Senhor disse a Gedeão: “O povo que está contigo é numeroso demais para que eu entregue Madiã nas suas mãos; Israel poderia gloriar-se disso às minhas custas, e dizer: ‘Foi a minha própria mão que me livrou!’.”

I SAMUEL (§56-66)

§56 Não há Santo como o Senhor, porque outro não há além de ti, e Rocha alguma existe como o nosso Deus. Não multipliqueis palavras altivas, nem brote dos vossos lábios a arrogância, pois o Senhor é um Deus cheio de saber e por ele as ações são pesadas.

§57 É o Senhor que faz morrer e viver, faz descer ao Xeol e dele subir. É o Senhor quem empobrece e enriquece, quem humilha e quem exalta.

§58 Levanta do pó o fraco e do monturo o indigente, para os fazer assentar-se com os nobres e colocá-los num lugar de honra, porque ao Senhor pertencem os fundamentos da terra, e sobre eles colocou o mundo.

§59 Ele guarda o passo dos que lhe são fiéis, mas os ímpios desaparecem nas trevas, porque não é pela força que o homem triunfa. Senhor, os seus inimigos são destruídos. O Altíssimo troveja contra eles.

§60 Se um homem comete uma falta contra outro homem, Deus o julgará; mas se pecar contra o Senhor, quem intercederá por ele?

§61 Esta expressão: “Constitui sobre nós um rei, que exerça a justiça entre nós”, desagradou a Samuel. O Senhor disse: “Atende a tudo o que te diz o povo, porque não é a ti que eles rejeitam, mas é a mim que eles rejeitam, porque não querem mais que eu reine sobre eles.”

§62 Vós me dissestes: “Não! É preciso que um rei reine sobre nós.” No entanto, o Senhor vosso Deus é o vosso rei! Eis agora o rei que escolhestes, que pedistes; eis que o Senhor vos deu um rei.

§63 Não temais! Cometestes todo esse mal. Somente não vos afasteis do Senhor, mas servi-o com todo o vosso coração. Não vos afasteis dele, pois isso seria seguir o vazio, que não serve para nada e não pode libertar, pois os ídolos são vazio.

§64 O Senhor se compraz com holocaustos e sacrifícios como com a obediência à palavra do Senhor? A obediência é melhor do que o sacrifício, a docilidade mais do que a gordura dos carneiros. Pecado de adivinhação, eis o que é a rebelião. Um crime, eis o que é a presunção!

§65 Tu vens contra mim com espada, lança e escudo; eu, porém, venho a ti em nome do Senhor dos Exércitos, o Deus de Israel, que desafiaste. Hoje mesmo, o Senhor te entregará em minhas mãos, eu te ferirei e te deceparei a cabeça. Toda a terra saberá que há um Deus em Israel.

§66 Toda esta assembléia conhecerá que não é pela espada nem pela lança que o Senhor concede a vitória, porque o Senhor é senhor da batalha.

II SAMUEL (§67)

§67 Construirias uma casa em que eu venha habitar? Farei permanecer tua linhagem, aquele a sair de tuas entranhas, e firmarei sua realeza. Será ele que construirá uma casa para o meu Nome, e estabelecerei para sempre seu trono. Serei para ele um pai e ele será para mim um filho.

I REIS (§68-69)

§68 Porque foi a Sabedoria o teu pedido, e já que não pediste para ti vida longa, nem riqueza, nem a vida de teus inimigos, mas pediste para ti discernimento para julgamento, vou fazer o que pediste: dou-te um coração sábio e inteligente. E também o que não pediste, te dou.

§69 Será verdade que Deus habita nesta terra? Se os céus e os céus dos céus não te podem conter, muito menos esta casa que construí!

II REIS (§70-72)

§70 Não obedeceram e endureceram a sua cerviz como o haviam feito seus pais, que não tinham acreditado no Senhor seu Deus. Correndo atrás da Vaidade, eles próprios se tornaram vaidade, como as nações ao redor, apesar do Senhor lhes ter ordenado que não agissem como elas.

§71 Ide consultar o Senhor a respeito das palavras deste livro que acaba de ser encontrado. Grande deve ser a ira do Senhor, que se inflamou contra nós porque nossos pais não obedeceram às palavras deste livro, praticando tudo o que nele está escrito para nós.

§72 Porque teu coração se comoveu e te humilhaste diante do Senhor, ouvindo as palavras que pronunciei, e porque rasgastes as vestes e choraste diante de mim, eu também te ouvi.

I CRÔNICAS (§73-78)

§73 Gloriai-vos de seu nome santo, alegrem-se os corações que buscam ao Senhor! Procurai o Senhor e sua força, sem cessar buscai a sua face! É ele o Senhor nosso Deus, sobre toda a terra ele julga!

§74 O Senhor é grande e mui digno de louvor, mais temível que todos os deuses. Nada são todos os deuses das nações. Foi o Senhor quem fez os céus. Diante dele, esplendor e majestade, em seu santuário, poder e alegria. Rendei ao Senhor a glória de seu Nome!

§75 Tremei diante dele, terra inteira! Ele fixou o universo, inabalável. Que o céu se alegre, exulte a terra! Dizei entre os pagãos: “É o Senhor que reina!”

§76 Dai graças ao Senhor, pois ele é bom, porque eterno é seu amor! Dizei: Salva-nos, Deus de nossa salvação, reúne-nos, retira-nos do meio dos pagãos, para celebrarmos teu santo nome e nos gloriarmos em teu louvor. Bendito seja o Senhor.

§77 A ti, Senhor, a realeza: tu és o soberano que se eleva acima de tudo. A riqueza e a glória te precedem; és o Senhor de tudo; em tua mão, força e poder; em tua mão, tudo se afirma e cresce.

§78 Quem somos, para sermos capazes de fazer tais ofertas voluntárias? Porque tudo vem de ti e te ofertamos o que recebemos de tua mão. Diante de ti não passamos de estrangeiros e peregrinos como todos os nossos pais; nossos dias na terra passam como a sombra e não há esperança.

NEEMIAS (§79-83)

§79 Disseram a todo o povo: “Hoje é um dia consagrado ao Senhor vosso Deus! Não vos entristeceis nem choreis!” É que todo o povo chorava ao ouvir as palavras da Lei. Disse-lhes ainda: “Não vos aflijais: a alegria do Senhor é a vossa fortaleza!”.

§80 Bendito sejas tu, Senhor, nosso Deus, de eternidade em eternidade! E que se bendiga teu Nome glorioso que excede toda bênção e louvor!

§81 És tu, Senhor, que és o único! Fizeste os céus, os céus dos céus e todo o seu exército, a terra e tudo o que ela contém, os mares e tudo o que eles encerram. A tudo isso és tu que dás vida, e o exército dos céus diante de ti se prostra.

§82 Recusaram-se a obedecer, esquecidos das maravilhas que havia feito por eles; endureceram a cerviz, conceberam o plano de voltar para o Egito, para a escravidão. Mas tu és o Deus do perdão, cheio de piedade e compaixão, lento para a cólera e cheio de amor: não os abandonaste!

§83 Tens sido justo em tudo o que nos sucedeu, pois mostraste tua fidelidade, enquanto nós agíamos mal. Sim, nossos reis, chefes, sacerdotes e nossos pais não seguiram tua Lei, nem prestaram atenção aos teus mandamentos.

TOBIAS (§84-88)

§84 Tu és justo, Senhor, e justas são todas as tuas obras. Todos os teus caminhos são graça e verdade, e tu és o Juiz do universo. E agora, Senhor, lembra-te de mim, olha para mim. Não me castigues por meus pecados, nem por minhas inadvertências, nem pelas de meus pais.

§85 Todas as tuas sentenças são verdadeiras, quando me tratas segundo minhas faltas e as de meus pais. Pois não obedecemos às tuas ordens, nem caminhamos na verdade diante de ti.

§86 Bendize ao Senhor em toda circunstância, pede-lhe que dirija seus caminhos e que cheguem a bom termo as tuas veredas. É o Senhor quem dá o dom de desejar o bem. Segundo seu beneplácito, ele exalta ou rebaixa até o fundo da mansão dos mortos.

§87 Bendito seja Deus, que vive eternamente, e bendito o seu reino, que dura pelos séculos! Pois é ele quem castiga e tem piedade, faz descer às profundezas dos infernos e retira da grande Perdição: nada escapa da sua mão.

§88 Eu o celebro na terra do meu exílio, publico sua força e sua grandeza à nação dos pecadores. Pecadores, voltai para ele, praticai a justiça em sua presença; quem sabe, ele vos será favorável e vos fará misericórdia! Quanto a mim, eu exalto a meu Deus, minha alma louva o Rei.

JUDITE (§89-94)

§89 Quem sois vós, que hoje tentais a Deus? Agora colocais à prova o Senhor Todo-poderoso! Jamais compreendereis coisa alguma! Se não descobris o íntimo do coração do homem e não entendeis as razões do seu pensamento, como então penetrareis o Deus que fez essas coisas?

§90 Não irriteis o Senhor nosso Deus! Não hipotequeis os desígnios do Senhor. Não se encurrala a Deus como um homem, nem se pode submetê-lo como a um filho de homem. Esperando pacientemente a salvação dele, invoquemo-lo em nosso socorro.

§91 Fizeste o passado, o que acontece agora e o que será depois. O presente e o futuro foram concebidos por ti, e o que tinhas em mente aconteceu. Teus desígnios se apresentaram e disseram: “Aqui estamos!”. Teus caminhos estão preparados, e teus juízos previstos de antemão.

§92 Tua força não está no número, nem tua autoridade nos violentos, mas tu és o Deus dos humildes, o socorro dos oprimidos, o protetor dos fracos, o abrigo dos abandonados, o salvador dos desesperados.

§93 Senhor, tu és grande e glorioso, admirável em tua força, invencível. Sirva a ti toda a criação. Porque disseste, e os seres existiram, enviaste teu espírito, e eles foram construídos, e não há quem resista à tua voz.

§94 É pequeno todo sacrifício de agradável odor, coisa mínima é toda gordura para o holocausto a ti; mas os que temem o Senhor são grandes para sempre.

ESTER (§95-103)

CARTA-PREÂMBULO: “O grande rei Assuero, aos governadores das cento e vinte e sete províncias que vão da Índia à Etiópia, e aos chefes de distrito, seus subordinados: Colocado na chefia de inúmeros povos e como senhor de toda a terra, eu me propus não me deixar embriagar pelo orgulho do poder e sempre governar com grande espírito de moderação e benevolência, a fim de outorgar a meus subordinados o perpétuo gozo de uma existência sem sobressaltos, e, já que meu reino oferece os benefícios da civilização e a livre circulação entre as suas fronteiras, nele instaurar o objeto do desejo universal, que é a paz. Ora, tendo ouvido meu conselho sobre os meios de atingir esse fim, um dos meus conselheiros, cuja sabedoria entre nós é eminente, dando provas de indefectível devotamento e inquebrantável fidelidade, e cujas prerrogativas vêm imediatamente após as nossas, Amã, denunciou-nos, misturado a todas as tribos do mundo, um povo mal-intencionado, em oposição, por suas leis, a todas as nações, e consequentemente desprezando as ordens reais, a ponto de ser um obstáculo ao governo que exercemos para a satisfação geral. Considerando, pois, que o referido povo, único em seu gênero, acha-se sob todos os aspectos em conflito com toda a humanidade; que dela difere por um regime de leis estranhas; que é hostil aos nossos interesses e que comete os piores delitos, chegando a ameaçar a estabilidade de nosso reino: Por esses motivos, ordenamos que todas as pessoas que vos forem assinaladas nas cartas de Amã, preposto às tarefas de nossos interesses e para nós um segundo pai, sejam radicalmente exterminadas, inclusive mulheres e crianças, pela espada de seus inimigos, sem piedade ou consideração alguma, no décimo quarto dia do décimo segundo mês, isto é, Adar, do presente ano, a fim de que, uma vez lançados esses opositores de hoje e de ontem no Hades num só dia, sejam assegurados doravante ao Estado estabilidade e tranquilidade.”

§95 No meio dos povos, em todas as províncias do reino, está espalhado um povo à parte. Suas leis não se parecem com as de nenhum outro e as leis reais são para eles letra morta.

§96 Senhor, Senhor, Rei Todo-poderoso, tudo está sujeito ao teu poder e não há quem se oponha à tua vontade de salvar Israel. Sim, tu fizeste o céu e a terra e todas as maravilhas que estão sob o firmamento. Tu és o Senhor de tudo e não há quem possa te resistir.

§97 Sê propício à porção de tua herança e muda nosso luto em alegria, a fim de que vivamos para cantar teu nome, Senhor. E não deixes emudecer a boca dos que te louvam.

§98 Ó meu Senhor, nosso Rei, tu és o único! Vem em meu auxílio, pois estou só e não tenho outra proteção fora de ti.

§99 Puseram suas mãos nas de seus ídolos para abolirem a ordem saída de teus lábios, para fazerem desaparecer tua herança e emudecer os que te louvam, para abrirem os lábios das nações para o louvor dos ídolos do nada, e para eternamente se extasiarem diante de um rei de carne.

§100 Não abandones teu cetro, Senhor, àqueles que não existem.

§101 A mim, dá-me coragem, Rei dos deuses e dominador de toda autoridade.

§102 Sabes que odeio a glória dos ímpios, que me horroriza o leito dos incircuncisos e o de todo estrangeiro. Tu sabes o perigo por que passo, que tenho horror da insígnia de minha grandeza.

§103 Estabeleceu dois destinos: um em favor de seu povo, outro para as nações. Esses destinos se realizam na hora, no tempo e no dia determinados segundo seus desígnios e diante de todos os povos.

I MACABEUS (§104)

PREÂMBULO: “Depois de ter saído da terra de Cetim, Alexandre, o Macedônio, filho de Filipe, que já tinha dominado a Hélade, venceu Dario, rei dos persas e dos medos, e tornou-se rei em seu lugar. Empreendeu, então, numerosas guerras, apoderou-se de fortalezas e eliminou os reis da terra. Avançou até às extremidades do mundo e tomou os despojos de uma multidão de povos, e a terra silenciou diante dele. Assim exaltado, seu coração se elevou. E recrutou um exército sobremaneira poderoso, submetendo províncias, nações e soberanos, que se tornaram seus tributários. Depois disso tudo, caiu doente e percebeu que ia morrer. Convocou então seus oficiais, os nobres que tinham com ele convivido desde a mocidade e, estando ainda em vida, repartiu entre eles o reino. Alexandre havia reinado por doze anos quando morreu. Seus oficiais tomaram o poder, cada qual no lugar que lhe coube. Todos cingiram o diadema após sua morte e, depois deles, seus filhos, durante muitos anos. E multiplicaram os males sobre a terra. Deles saiu aquele rebento ímpio, Antíoco Epífanes, filho do rei Antíoco. Ele tinha estado em Roma como refém e se tornara rei no ano cento e trinta e sete da dominação dos gregos. Por esses dias apareceu em Israel uma geração de perversos, que seduziram a muitos com estas palavras: “Vamos, façamos aliança com as nações circunvizinhas, pois muitos males caíram sobre nós desde que delas nos separamos.” Agradou-lhes tal modo de falar. E alguns dentre o povo apressaram-se em ir ter com o rei, o qual lhes deu autorização para observarem os costumes pagãos. Construíram, então, em Jerusalém, uma praça de esportes, segundo os costumes das nações, reestabeleceram seus prepúcios e renegaram a Aliança sagrada. Assim associaram-se aos pagãos e se venderam para fazer o mal.”

§104 É bem fácil que muitos venham a cair nas mãos de poucos. Pois não há diferença, para o Céu, em salvar com muitos ou com poucos. A vitória na guerra não depende do tamanho do exército: é do Céu que vem a força.

II MACABEUS (§105-106)

§105 Não deixar impunes por longo tempo os que cometem impiedade, mas imediatamente atingi-los com castigos, é sinal de grande benevolência. Pois não é como para com as outras nações, que o longânime Soberano espera, até puni-las, que elas cheguem ao cúmulo dos seus pecados.

§106 Eu te suplico, meu filho, contempla o céu e a terra e observa tudo o que neles existe. Reconhece que não foi de coisas existentes que Deus os fez, e que também o gênero humano surgiu da mesma forma.

LIVROS POÉTICOS E SAPIENCIAIS (§107-656)

JÓ (§107-139)

§107 Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei para lá. O Senhor o deu, o Senhor o tirou, bendito seja o nome do Senhor.

§108 A mulher de Jó lhe disse: “Persistes ainda em tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre duma vez!” Ele respondeu: “Falas como uma idiota: se recebemos de Deus os bens, não deveríamos receber também os males?”

§109 Pode o homem ser justo diante de Deus? Um mortal ser puro diante do seu Criador? Dos próprios servos ele desconfia, até mesmo a seus anjos verbera o erro. Quanto mais aos que moram em casas de barro, cujos fundamentos se assentam sobre o pó!

§110 Que é o homem, para que faças caso dele, para que dele te ocupes, para que o inspeciones cada manhã e o examines a cada momento? Se pequei, que mal te fiz com isso, sentinela dos homens?

§111 Por que me tomas por alvo? Cheguei a ser um peso para ti? Por que não perdoas meu delito e não deixas passar a minha culpa? Eis que vou logo deitar-me no pó; procurar-me-ás e já não existirei.

§112 Poderia o homem justificar-se diante de Deus? Se Deus se dignar pleitear com ele, entre mil razões não haverá uma para rebatê-lo. Quem entre os mais sábios e mais fortes poderá resistir-lhe impunemente?

§113 Recorrer à força? Ele é mais forte! Ao tribunal? Quem o citará? Mesmo que eu fosse justo, sua boca condenar-me-ia; se fosse íntegro, declarar-me-ia culpado. Sou íntegro? Eu não sei, rejeito minha vida! Por isso digo: é a mesma coisa! Ele extermina o íntegro e o ímpio!

§114 Ainda que me lavasse com sabão e purificasse as mãos com soda, tu me submergirias na imundície e as minhas próprias vestes teriam nojo de mim. Ele não é homem como eu a quem possa dizer: “Vamos comparecer juntos em julgamento”. Não existe árbitro entre nós.

§115 Não me condenes, explica-me o que tens contra mim. Acaso te agrada oprimir-me, rejeitar a obra de tuas mãos e favorecer o conselho dos ímpios?

§116 Acaso são os teus dias como os de um mortal e teus anos como os dias do homem, para indagares minha culpa e examinares meu pecado, quando sabes que não sou culpado e que ninguém me pode tirar de tuas mãos?

§117 O que ele destrói, ninguém o reconstrói; se ele aprisionar, não haverá escapatória; se retiver a chuva, virá a seca; se a soltar, inundar-se-á a terra. Ele possui vigor e sagacidade, com ele estão o enganado e aquele que engana.

§118 Torna estúpidos os conselheiros da terra e fere os juízes com loucura. Desamarra o cinturão dos reis e cinge-os com uma corda. Faz andar descalços os sacerdotes e lança por terra os poderes estabelecidos. Tira a palavra aos confiantes e priva de sensatez os anciãos.

§119 Derrama o desprezo sobre os nobres e afrouxa o cinturão dos fortes; desvela o que há de mais recôndito nas trevas e traz à luz as sombras espessas; engrandece as nações e arruína-as: expande os povos, e depois os suprime.

§120 Como pode o homem ser puro ou inocente o nascido de mulher? Até em seus Santos Deus não confia, e os Céus não são puros aos seus olhos. Quanto menos o homem, detestável e corrompido, que bebe como água a iniquidade!

§121 Reconcilia-te com ele e terás paz: desta maneira a felicidade virá sobre ti. Aceita a instrução de sua boca e guarda seus preceitos em teu coração. Se voltares ao Senhor serás reabilitado, se afastares de tua tenda a injustiça.

§122 Se colocares o teu ouro sobre o pó, o Ofir entre as pedras do riacho, o Senhor será tuas barras de ouro e a tua prata entesourada. Então, sim, alegrar-te-ás no Senhor e erguerás para Deus teu rosto.

§123 Ele abaixa a empresa orgulhosa, e salva o homem de olhar humilde. Ele liberta até mesmo aquele que não é inocente: ele será liberto pela pureza de suas mãos.

§124 Não me afastei do mandamento de seus lábios e guardei no peito as palavras de sua boca. Mas ele decide; quem poderá dissuadi-lo? Tudo o que ele quer, ele o faz. Executará a sentença a meu respeito, como tantos outros dos seus decretos.

§125 É um soberano temível, Aquele que conserva a paz nas suas alturas. Pode ser contado o número de suas tropas? E sobre quem não se levanta a sua luz? Como pode o homem justificar-se diante de Deus? Ou mostrar-se puro quem nasceu de mulher?

§126 Se até a própria lua não brilha e as estrelas não são puras a seus olhos, quanto menos o homem, essa larva, e o filho do homem, esse verme?

§127 Aquele que prende com força os tiranos aparece e tira-lhe a certeza da vida. Ele o deixava apoiar-se numa falsa segurança; os seus olhos, porém, observavam os seus caminhos. Exaltado por breve tempo, deixa de existir. Cai como a erva que se colhe, e murcha como as espigas.

§128 Mas a Sabedoria, de onde provém ela? Onde está o lugar da Inteligência? O homem não lhe conhece o caminho, nem se encontra na terra dos mortais.

§129 De onde vem, pois, a Sabedoria? Onde está o lugar da Inteligência? Está oculta aos olhos dos mortais. Só Deus conhece o caminho para ela, só ele sabe o seu lugar.

§130 Deus viu a Sabedoria e a avaliou, penetrou-a e examinou-a. E disse ao homem: “O temor do Senhor, eis a Sabedoria; fugir do mal, eis a Inteligência.”

§131 É o espírito no homem, o alento do Senhor que dá inteligência. Não é a idade avançada que dá sabedoria, nem a velhice a inteligência do que é justo.

§132 Deus não pratica o mal, o Senhor não perverte o Direito. Quem lhe confiou o governo da terra, quem lhe entregou o universo?

§133 Se Deus só aplicasse seu pensamento a si mesmo, se concentrasse em si seu sopro e seu hálito, expiraria toda a carne no mesmo instante, e o homem voltaria a ser pó.

§134 Vê como Deus é sublime em seu poder. Qual é o mestre que se lhe pode comparar? Quem lhe prescreve sua conduta? Quem pode dizer-lhe: “Fizeste mal?” Pensa, antes, em glorificar suas obras, que tantos homens celebram em seus cantos.

§135 Deus é grande demais para que o possamos conhecer, o número de seus anos é incalculável.

§136 Disse Deus: “Quem é esse que obscurece meus desígnios com palavras sem sentido? Cinge-te os rins, como herói, interrogar-te-ei e tu me responderás.”

§137 Onde estavas quando lancei os fundamentos da terra? Dize-mo, se é que sabes tanto. Quem lhe fixou as dimensões? Quem estendeu sobre ela a régua? Quem assentou sua pedra angular, entre as aclamações dos astros da manhã e o aplauso de todos os filhos de Deus?

§138 Ninguém é tão feroz para excitar o Leviatã; quem, então, iria me enfrentar? Quem me adiantou algo para que eu o reembolse? Tudo o que há debaixo dos céus me pertence!

§139 Reconheço que tudo podes e que nenhum dos teus desígnios fica frustrado. Quem é aquele que vela teus planos com propósitos sem sentido? Falei de coisas que não entendia, de maravilhas que me ultrapassam. Eu te conhecia só de ouvir, mas agora meus olhos te vêem.

SALMOS (§140-370)

§140 Feliz o homem que não vai ao conselho dos ímpios, não pára no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos zombadores. Pelo contrário: seu prazer está na Palavra do Senhor, e medita sua Palavra, dia e noite.

§141 Por que as nações se amotinam, e os povos planejam em vão? Os reis da terra se insurgem e, unidos, os príncipes enfrentam o Senhor e seu Messias: “Rebentemos seus grilhões, sacudamos de nós suas algemas!” O que habita nos céus ri, o Senhor se diverte à custa deles.

§142 Tu és meu filho, eu hoje te gerei. Pede, e eu te darei as nações como herança, os confins da terra como propriedade. Tu as quebrarás com um cetro de ferro. Como um vaso de oleiro as despedaçarás.

§143 Agora, reis, sede prudentes, deixai-vos corrigir, juízes da terra. Servi ao Senhor com temor, beijai seus pés com tremor para que não se irrite e não pereçais no caminho; num instante sua cólera se inflama. Felizes os que nele se abrigam!

§144 Que os ímpios voltem ao Xeol, os povos todos que esquecem a Deus!

§145 O indigente não será esquecido para sempre, a esperança dos pobres jamais se frustrará.

§146 Levanta-te, Senhor, não triunfe um mortal! Que os povos sejam julgados em tua frente! Infunde-lhes medo, Senhor: saibam os povos que são homens mortais!

§147 O ímpio se gloria da própria ambição, o avarento que bendiz despreza o Senhor. O ímpio é soberbo, jamais investiga: “Deus não existe”, é tudo o que pensa. Maldição, fraude e violência lhe enchem a boca, sob sua língua há opressão e maldade.

§148 Socorro, Senhor! Não há mais homem fiel! A lealdade desapareceu dentre os filhos de Adão! Cada qual mente ao seu próximo, falando com lábios fluentes e duplo coração. Corte o Senhor todos os lábios fluentes e a língua que profere grandezas.

§149 As palavras do Senhor são palavras sinceras, prata pura saindo da terra, sete vezes refinada. Sim, Senhor, tu nos guardarás. Tu nos protegerás de tal geração para sempre. Por toda parte se agitam os ímpios, a corrupção aumenta entre os filhos de Adão.

§150 Guarda-me, ó Deus, pois eu me abrigo em ti. Eu disse ao Senhor: És tu o meu Senhor. Minha felicidade não está em nenhum destes demônios da terra. Eles se impõem a todos os que os amam, multiplicam seus ídolos, correm atrás deles. Jamais porei seus nomes em meus lábios.

§151 Senhor, minha parte na herança e minha taça, és tu que garantes a minha porção; o cordel mediu para mim um lugar delicioso, sim, é magnífica a minha herança.

§152 Bendigo ao Senhor que me aconselha, e mesmo à noite meus rins me instruem. Ponho o Senhor à minha frente sem cessar, com ele à minha direita eu não vacilarei.

§153 Meu coração se alegra, minhas entranhas exultam e minha carne repousa em segurança; pois não abandonarás minha vida no Xeol, nem deixarás que teu fiel veja a cova! Ensinar-me-ás o caminho da vida, cheio de alegrias em tua presença e delícias à tua direita, perpetuamente.

§154 Guarda-me como a pupila dos olhos, esconde-me à sombra de tuas asas, longe dos ímpios que me oprimem, dos inimigos mortais que me cercam. Eles envolvem seu coração com gordura, sua boca fala com arrogância.

§155 Que tua espada me liberte do ímpio, e tua mão, ó Senhor, dos mortais, dos mortais que em vida já têm sua parte deste mundo! Quanto a mim, com justiça eu verei tua face; ao despertar, eu me saciarei com tua imagem.

§156 Das trevas ele fez seu véu, sua tenda, de águas escuras e nuvens espessas; à sua frente um clarão inflamava granizo e brasas de fogo.

§157 Afrontaram-me no dia da minha derrota, mas o Senhor foi apoio para mim. Fez-me sair para lugar espaçoso, libertou-me, porque ele me ama.

§158 Senhor, tu és minha lâmpada; meu Deus ilumina minha treva; sim, contigo eu forço a amurada, com meu Deus eu salto a muralha.

§159 Deus é perfeito em seu caminho, a palavra do Senhor é provada. Ele é escudo para todos aqueles que nele se abrigam.

§160 Fora o Senhor, quem é Deus? E quem é rochedo, a não ser nosso Deus? Ele é o Deus que me cinge de força e torna perfeito o meu caminho.

§161 Os céus contam a glória de Deus, e o firmamento proclama a obra de suas mãos.

§162 A lei do Senhor é perfeita, faz a vida voltar; o testemunho do Senhor é firme, torna sábio o simples. Os preceitos do Senhor são retos, alegram o coração; o mandamento do Senhor é claro, ilumina os olhos; o temor do Senhor é puro, estável para sempre.

§163 As decisões do Senhor são verdadeiras, e justas igualmente; são mais desejáveis do que o ouro, são ouro refinado; são mais saborosas do que o mel escorrendo dos favos.

§164 Quem pode discernir os próprios erros? Purifica-me das faltas escondidas! Preserva também o teu servo do orgulho, para que ele nunca me domine; então eu serei íntegro e inocente de uma grande transgressão.

§165 Que te agradem as palavras de minha boca e o meditar do meu coração, sem treva em tua presença, Senhor, meu rochedo, redentor meu!

§166 Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste, descuidado de me salvar, apesar das palavras do meu rugir? Meu Deus, eu grito de dia, e não me respondes, de noite, e nunca tenho descanso. E tu és o Santo, habitando os louvores de Israel!

§167 Quanto a mim, sou verme, não homem, riso dos homens e desprezo do povo; todos os que me vêem caçoam de mim, abrem a boca e meneiam a cabeça.

§168 És tu quem me tirou do ventre de minha mãe, quem me confiou ao seu peito; eu fui lançado a ti ao sair das entranhas, tu és o meu Deus desde o ventre materno. Não fiques longe de mim, pois a angústia está perto e não há quem me socorra.

§169 O Senhor é meu pastor, nada me falta. Em verdes pastagens me faz repousar. Para as águas tranquilas me conduz e restaura minhas forças; ele me guia por caminhos justos, por causa do seu nome.

§170 Ainda que eu caminhe por vale tenebroso, nenhum mal temerei, pois estás junto a mim; teu bastão e teu cajado me deixam tranquilo.

§171 Diante de mim preparas a mesa, à frente dos meus opressores; unges minha cabeça com óleo, e minha taça transborda. Sim, felicidade e amor me seguirão todos os dias da minha vida; minha morada é a casa do Senhor por dias sem fim.

§172 Mostra-me teus caminhos, Senhor, ensina-me tuas veredas. Guia-me com tua verdade, ensina-me, pois tu és o meu Deus salvador. Eu espero em ti o dia todo.

§173 Recorda a tua compaixão, ó Senhor, e o teu amor, que existem desde sempre. Não recordes os pecados de minha juventude, e minhas revoltas, lembra-te de mim, conforme o teu amor, por causa da tua bondade, Senhor.

§174 O Senhor é bondade e retidão, e aponta o caminho aos pecadores; encaminha os pobres conforme o direito e ensina seu caminho aos infelizes.

§175 As sendas do Senhor são todas amor e verdade, para os que guardam sua aliança e seus preceitos. Por causa do teu nome, Senhor, perdoa minha falta, pois é grande.

§176 O segredo do Senhor é para aqueles que o temem, fazendo-os conhecer a sua Aliança.

§177 Que a integridade e a retidão me preservem, pois em ti eu espero, Senhor!

§178 O Senhor é minha luz e minha salvação: de quem terei medo? O Senhor é a fortaleza de minha vida: frente a quem tremerei?

§179 Ainda que um exército acampe contra mim, meu coração não temerá; ainda que uma guerra estoure contra mim, mesmo assim estarei confiante.

§180 Uma coisa peço ao Senhor, a coisa que procuro: é habitar na casa do Senhor todos os dias de minha vida, para gozar a doçura do Senhor e meditar no seu Templo. Pois ele me oculta na sua cabana no dia da infelicidade; ele me esconde no segredo de sua tenda.

§181 Sua ira dura um momento, seu favor a vida inteira; de tarde vem o pranto, de manhã gritos de alegria.

§182 Que ganhas com meu sangue, com minha descida à cova? Acaso te louva o pó, anunciando tua verdade? Ouve, Senhor, tem piedade de mim!

§183 Transformaste meu luto em dança, tiraste meu pano grosseiro e me cingiste de alegria. Por isso meu coração te cantará sem mais se calar. Senhor, meu Deus, eu te louvarei para sempre.

§184 Senhor, como é grande a tua bondade! Tu a reservas para os que temem a ti, e a concedes para os que em ti se abrigam, diante dos filhos de Adão. Tu os escondes no segredo de tua face, longe das intrigas humanas; tu os ocultas em tua tenda, longe das línguas que discutem.

§185 Amai o Senhor, seus fiéis todos: o Senhor preserva os leais, mas retribui com usura ao que age com soberba. Sede firmes, fortalecei vosso coração, vós todos que esperais o Senhor!

§186 A palavra do Senhor é reta, e sua obra toda é verdade; ele ama a justiça e o direito; a terra está cheia do amor do Senhor.

§187 Que a terra inteira tema o Senhor, temam-no todos os habitantes do mundo! Porque ele diz e a coisa acontece, ele ordena e ela se afirma. O Senhor desfaz o desígnio das nações e frustra os projetos dos povos.

§188 O desígnio do Senhor permanece para sempre, os projetos de seu coração, de geração em geração. Feliz a nação cujo Deus é o Senhor, o povo que escolheu para si como herança.

§189 Do céu o Senhor contempla e vê todos os filhos de Adão. Do lugar de sua morada ele observa os habitantes todos da terra: ele forma o coração de cada um e discerne todos os seus atos.

§190 Eis que o olho do Senhor está sobre os que o temem, sobre aqueles que esperam seu amor, para da morte libertar a sua vida e no tempo da fome fazê-los viver.

§191 Nós esperamos pelo Senhor: ele é nosso auxílio e nosso escudo. Nele se alegra o nosso coração, é no seu nome santo que confiamos. Senhor, que teu amor esteja sobre nós, assim como está em ti nossa esperança!

§192 O ímpio tem um oráculo de pecado dentro do seu coração; o temor de Deus não existe aos seus olhos. Ele se vê com olho por demais enganador para descobrir e detestar o seu pecado. As palavras de sua boca são maldade e mentira, ele desistiu do bom senso de fazer o bem!

§193 Senhor, o teu amor está no céu e tua verdade chega às nuvens; tua justiça é como as montanhas de Deus, teus julgamentos como o grande abismo.

§194 Os filhos de Adão se abrigam à sombra de tuas asas. Eles ficam saciados com a gordura de tua casa, tu os embriagas com um rio de delícias; pois a fonte da vida está em ti, e com tua luz nós vemos a luz.

§195 Não te irrites por causa dos maus, nem invejes os que praticam injustiça: pois, como a erva, eles secam depressa, eles murcham como a verde relva. Confia no Senhor e faze o bem, habita na terra e vive tranquilo, põe tua alegria no Senhor.

§196 Entrega teu caminho ao Senhor, confia nele, e ele agirá; manifestará tua justiça como a luz e teu direito como o meio-dia. Descansa no Senhor e nele espera, não te irrites contra quem triunfa, contra o homem que se serve de intrigas.

§197 Deixa a ira, abandona o furor, não te irrites: só farias o mal; porque os maus serão extirpados e quem espera no Senhor possuirá a terra. Mais um pouco e não haverá mais ímpio, buscarás seu lugar e não existirá; mas os pobres possuirão a terra e se deleitarão com paz.

§198 O ímpio faz intrigas contra o justo e contra ele range os dentes; mas o Senhor ri às custas dele, pois vê que seu dia vem chegando.

§199 Vale mais o pouco do justo que as grandes riquezas dos ímpios; pois os braços do ímpio serão quebrados, mas o Senhor é o apoio dos justos.

§200 O Senhor assegura os passos do homem, eles são firmes e seu caminho lhe agrada; quando tropeça não chega a cair, pois o Senhor o sustenta pela mão.

§201 Já estou velho, mas nunca vi um justo abandonado, nem sua descendência mendigando pão. Todo dia ele se compadece e empresta, e sua descendência é uma bênção. Evita o mal e pratica o bem, e para sempre terás habitação; o Senhor ama o direito e jamais abandona seus fiéis.

§202 A boca do justo medita a sabedoria e sua língua fala o direito; no seu coração está a lei do seu Deus, seus passos nunca vacilam.

§203 Vi um ímpio muito poderoso elevar-se como um cedro do Líbano; passei de novo e eis que não existia mais, procurei-o, mas não foi encontrado.

§204 Mostra-me o meu fim, Senhor, e qual é a medida dos meus dias, para eu saber quão frágil sou. Vê: um palmo são os dias que me deste, minha duração é nada diante de ti; todo homem que se levanta é apenas sopro, apenas sombra o homem que caminha, apenas sopro suas riquezas.

§205 Senhor, o que posso esperar? Minha esperança está em ti! Livra-me de minhas transgressões todas, não me tornes ultraje do insensato! Eu me calo, não abro a boca, pois quem age és tu.

§206 Castigando o erro tu educas o homem e rói seus desejos como a traça. Os homens todos são apenas um sopro! Ouve a minha prece, Senhor! Dá ouvido aos meus gritos, não fiques surdo ao meu pranto! Pois sou forasteiro junto a ti, inquilino como todos os meus pais.

§207 Feliz é este homem cuja confiança é o Senhor: ele não se volta para os soberbos, nem para os sequazes da mentira.

§208 Não quiseste sacrifício nem oferta, abriste o meu ouvido; não pediste holocausto nem expiação, e então eu disse: Eis que venho. No rolo do livro foi-me prescrito realizar tua vontade; meu Deus, eu quero ter a tua Palavra dentro das minhas entranhas.

§209 Tu nos entregas como ovelhas de corte, tu nos dispersaste por entre as nações; vendes o teu povo por um nada, e nada lucras com seu preço. Fazes de nós o riso dos nossos vizinhos, divertimento e zombaria para aqueles que nos cercam; Por que dormes, Senhor? Levanta-te!

§210 Eles confiam na sua fortuna e se gloriam de sua imensa riqueza. Mas o homem não pode comprar seu resgate, nem pagar a Deus seu preço: o resgate de sua vida é tão caro que seria sempre insuficiente para o homem sobreviver, sem nunca ver a cova.

§211 Não temas quando um homem enriquece, quando cresce a glória de sua casa: ao morrer nada levará, sua glória não descerá com ele. Enquanto vivia, se felicitava. Se juntará aos pais, e nunca mais verá a luz. O homem com seu luxo não entende, é semelhante ao gado mudo…

§212 Se tivesse fome não diria a ti, pois o mundo é meu, e o que nele existe. Acaso comeria eu carne de touros, e beberia sangue de bodes? Oferece a Deus um sacrifício de confissão e cumpre votos ao Altíssimo; invoca-me na angústia: eu te livrarei e tu me glorificarás.

§213 Que te adianta divulgar meus mandamentos e ter minha Aliança na boca, uma vez que detestas a disciplina e rejeitas as minhas palavras? Se vês um ladrão, corres com ele, e junto aos adúlteros tens a tua parte; abres tua boca para o mal, e teus lábios tramam a fraude.

§214 Quem oferece uma confissão me glorifica, e ao homem íntegro mostrarei a salvação.

§215 Tem piedade de mim, ó Deus, por teu grande amor! Apaga minhas transgressões, por tua grande compaixão! Lava-me inteiro da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado!

§216 Eu nasci na iniquidade, minha mãe concebeu-me no pecado. Eis que o Senhor amas a verdade no fundo do ser, e me ensinas a sabedoria no segredo. Purifica meu pecado e ficarei puro, lava-me, e ficarei mais branco do que a neve.

§217 Faze-me ouvir o júbilo e a alegria, e dancem os ossos que esmagaste. Esconde a tua face dos meus pecados e apaga minhas iniquidades todas.

§218 Ó Deus, cria em mim um coração puro, renova um espírito firme no meu peito; não me rejeites para longe de tua face, não retires de mim teu santo Espírito.

§219 Tu não queres sacrifício e um holocausto não te agrada. Sacrifício a Deus é espírito contrito, coração contrito e esmagado, ó Deus, tu não desprezas.

§220 Diz o insensato em seu coração: “Deus não existe!” São falsos, corrompidos, abomináveis; ninguém age bem. Do céu Deus se inclina sobre os filhos de Adão, para ver se há um sensato, alguém que busque a Deus. Estão desviados e obstinados: ninguém age bem, nem um sequer.

§221 Quem me dera ter asas como pomba para eu sair voando e pousar… Sim, eu fugiria para longe e pernoitaria no deserto. Encontraria logo um refúgio contra o vento da calúnia e o furacão que devora, Senhor, e a torrente de sua língua.

§222 Eu vejo a violência e a discórdia na cidade: dia e noite elas rondam por cima de suas muralhas. Dentro dela há maldade e tormento, dentro dela há ruína; a opressão e a fraude nunca se afastam de sua praça.

§223 Rejeita-os, por causa da iniquidade! Ó Deus, derruba os povos com tua ira! Já contaste os meus passos de errante, recolhe minhas lágrimas em teu odre! E meus inimigos recuarão no dia em que te invocar! Bem sei que Deus está comigo.

§224 Clamo ao Deus Altíssimo, ao Deus que faz tudo por mim: que do céu ele mande salvar-me, confundindo os que me atormentam! Que Deus envie seu amor e verdade!

§225 Tu, Senhor, tu ris à sua custa, tu te divertes com todas as nações! Ó minha força, eu olho para ti! Sim, Deus é minha fortaleza; o Deus a quem amo vem a mim.

§226 Concede-nos socorro na opressão, pois a salvação humana é inútil! Com Deus faremos proezas: ele pisoteará nossos opressores!

§227 Somente um sopro são os filhos de Adão, apenas mentira os filhos do homem: se subissem na balança juntos seriam menos que um sopro. Não confieis na opressão, nem vos iludais com o roubo; quando vossa riqueza prospera não ponhais nela vosso coração!

§228 Deus falou uma vez, e duas vezes eu ouvi. Isto: a Deus pertence a força, e a ti, Senhor, pertence o amor; e isto: quanto a ti, pagas o homem segundo suas obras.

§229 Ó Deus, és o meu Deus, eu te procuro. Minha alma tem sede de ti, minha carne te deseja com ardor, como terra árida, esgotada, sem água. Sim, eu te contemplava no santuário, vendo teu poder e tua glória.

§230 Valendo teu amor mais que a vida meus lábios te glorificarão. Assim, eu te bendirei em toda a minha vida, e a teu nome levantarei as minhas mãos; eu me saciarei como de óleo e gordura, e com alegria nos lábios minha boca te louvará.

§231 Quando te recordo no meu leito passo vigílias meditando em ti; pois foste socorro para mim, e à sombra de tuas asas grito de alegria; minha vida está ligada a ti, e tua direita me sustenta.

§232 Ouve, ó Deus, a voz do meu lamento! Preserva-me a vida do terror do inimigo, esconde-me da conspiração dos maus e do tumulto dos malfeitores.

§233 Todo homem temerá, anunciará o ato de Deus e compreenderá sua obra. O justo se alegra com o Senhor e nele se abriga. E todos os de coração reto se felicitarão.

§234 Toda a carne vem a ti por causa de seus pecados; nossas faltas são mais fortes que nós, mas tu no-las perdoas. Feliz quem escolhes e aproximas, para habitar em teus átrios. Nós nos saciamos com os bens da tua casa, com as coisas sagradas do teu Templo.

§235 Pai dos órfãos, justiceiro das viúvas, tal é Deus em sua morada santa; Deus dá uma casa aos solitários, livra os cativos para a prosperidade, mas os rebeldes habitam na terra seca.

§236 É por tua causa que suporto insultos, que a humilhação me cobre o rosto, que me tornei estrangeiro aos meus irmãos, estranho para os filhos de minha mãe; pois o zêlo por tua casa me devora, e os insultos dos que te insultam recaem sobre mim.

§237 Minha esperança és tu, Senhor, o Senhor é minha confiança desde a juventude. Desde o seio tu és o meu apoio, tu és minha parte desde as entranhas maternas, em ti está continuamente o meu louvor.

§238 Por pouco meus pés tropeçavam, um nada, e meus passos deslizavam, porque invejei os arrogantes, vendo a prosperidade dos ímpios. Para eles não existem tormentos, sua aparência é sadia e robusta; a fadiga dos mortais não os atinge, não são molestados como os outros.

§239 Quando meu coração se azedava e eu espicaçava meus rins, é porque eu era um imbecil e não sabia, eu era um animal junto a ti. Estou sempre contigo, tu me agarraste pela mão direita; tu me conduzes com teu conselho e com tua glória me atrairás.

§240 Quem teria eu no céu? Contigo, nada mais me agrada na terra. Minha carne e meu coração podem se consumir: a rocha do meu coração, a minha porção é Deus, para sempre! Os que se afastam de ti se perdem, tu repeles teus adúlteros todos. Estar junto de Deus é o meu bem!

§241 Eu disse aos arrogantes: Não sejais arrogantes! E aos ímpios: Não levanteis a fronte, não levanteis altivamente a vossa fronte, não faleis retesando a nuca.

§242 A um ele abaixa, a outro eleva, pois na mão do Senhor há uma taça em que fermenta um vinho com especiarias; ele o derramará, até às escórias o sugarão, e todos os ímpios da terra o sorverão.

§243 Tu és terrível! Quem subsiste à tua frente quando ficas irado? Do céu fazes ouvir a sentença: a terra teme e permanece calada quando Deus se levanta para julgar e salvar todos os pobres da terra.

§244 A ira do homem é louvor para ti, tu te cinges com os que escapam à Ira. Corta o sopro dos príncipes, para os reis da terra é terrível!

§245 Ouve-se uma linguagem desconhecida: “Removi a carga de seus ombros, suas mãos deixaram o cesto; clamaste na opressão, e te libertei. Eu te respondi, escondido no trovão, e te experimentei. Ouve, meu povo, eu te conjuro, oxalá me ouvisses, Israel!”

§246 Nunca haja em ti um deus alheio, nunca adores um deus estrangeiro; eu sou o Senhor, teu Deus, que te fiz subir da terra do Egito, abre a boca e eu a encherei.

§247 Meu povo não ouviu minha voz, Israel não quis obedecer-me; então os entreguei ao seu coração endurecido: que sigam seus próprios caminhos!

§248 Ah! Se meu povo me escutasse, se Israel andasse em meus caminhos… Eu lhes prostraria os inimigos num momento, e contra seus opressores voltaria minha mão. Os que odeiam o Senhor o adulariam, e o tempo deles teria passado para sempre.

§249 Os que te odeiam levantam a cabeça. Tramam um plano contra teu povo, conspiram contra teus protegidos, e dizem: “Vinde, vamos removê-los das nações, e Israel nunca mais será lembrado!” Conspiram todos com um só coração, fazendo uma aliança contra ti.

§250 Vale mais um dia em teus átrios que milhares a meu modo, ficar no umbral da casa do meu Deus que habitar nas tendas do ímpio. Porque o Senhor é sol e escudo, Deus concede graça e glória; o Senhor não recusa nenhum bem aos que andam na integridade.

§251 Tu és bom e perdoas, Senhor, és cheio de amor com todos os que te invocam. Senhor, atende à minha prece, considera minha voz suplicante!

§252 Entre os deuses não há outro como tu, nada que se iguale às tuas obras! Todas as nações que fizeste virão adorar-te e dar glória ao teu nome, Senhor, pois tu és grande e fazes maravilhas, tu és Deus, tu és o único.

§253 Ensina-me teus caminhos, Senhor, e caminharei segundo tua verdade; unifica meu coração para temer o teu nome. Eu te agradeço de todo o coração, Senhor meu Deus, darei glória ao teu nome para sempre, pois é grande o teu amor para comigo: tiraste-me das profundezas.

§254 Ele me invocará: “Tu és meu pai, meu Deus e meu rochedo salvador!” Eu o tornarei meu primogênito, o altíssimo sobre os reis da terra. Para sempre lhe manterei meu amor, e minha aliança com ele será firme; estabelecerei sua descendência e seu trono para sempre.

§255 Punirei sua revolta e sua falta, mas sem retirar o meu amor, sem desmentir minha verdade. Jamais profanarei minha aliança, nem mudarei o que saiu da minha boca; por minha santidade jurei.

§256 Sua descendência será perpétua, e seu trono é como o sol à minha frente, é como a lua, firmada para sempre, verdadeiro testemunho nas nuvens.

§257 Até quando te esconderás, ó Senhor? Até o fim? Lembra-te de mim: quanto dura a vida? Para qual vazio criaste os filhos de Adão? Quem viverá sem ver a morte, para tirar sua vida das garras do Xeol?

§258 Antes que os montes tivessem nascido e fossem gerados a terra e o mundo, desde sempre e para sempre tu és Deus.

§259 Fazes o mortal voltar ao pó, dizendo: “Voltai, filhos de Adão!” Pois mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, uma vigília dentro da noite!

§260 Sim, somos consumidos por tua ira, ficamos transtornados com teu furor. Colocaste nossas faltas à tua frente, nossos segredos sob a luz da tua face. Nossos dias passam sob tua cólera, como um suspiro consumimos nossos anos.

§261 Setenta anos é o tempo da nossa vida, oitenta anos se ela for vigorosa; e a maior parte deles é fadiga e mesquinhez, pois passam depressa, e nós voamos. Quem conhece a força de tua ira e, temendo-te, conhece teu furor?

§262 Ensina-nos a contar nossos dias, para que tenhamos coração sábio! Volta, Senhor! Até quando? Tem piedade dos teus servos! Sacia-nos com teu amor pela manhã e, alegres, exultaremos nossos dias todos. Alegra-nos pelos dias em que nos castigaste.

§263 Quem habita na proteção do Altíssimo pernoita à sombra do Senhor, dizendo ao Senhor: Meu abrigo, minha fortaleza, meu Deus, em quem confio!

§264 É ele quem te livra do laço do caçador que se ocupa em destruir; ele te esconde com suas penas, sob suas asas encontras abrigo. Sua fidelidade é escudo e couraça.

§265 Basta que olhes com teus olhos, para ver o salário dos ímpios, tu, que dizes “o Senhor é o meu abrigo”, e fazes do Altíssimo teu refúgio.

§266 Porque a mim se apegou, eu o livrarei, protegê-lo-ei, pois conhece o meu Nome. Ele me invocará e eu responderei. Na angústia estarei com ele, livrá-lo-ei e o glorificarei; saciá-lo-ei com longos dias e lhe mostrarei a minha salvação.

§267 É bom celebrar o Senhor e tocar ao teu nome, ó Altíssimo; anunciar pela manhã teu amor e tua fidelidade pelas noites.

§268 Tu me alegras com teus atos, Senhor, eu exulto com as obras de tuas mãos. Quão grandes são tuas obras, ó Senhor, e quão profundos teus projetos! O imbecil nada compreende, disso nada entende o idiota.

§269 O Senhor é rei, vestido de majestade, o Senhor está vestido, envolto em poder. Sim, o mundo está firme, jamais tremerá. Teu trono está firme desde a origem, e desde sempre tu existes.

§270 Mais que o estrondo das águas torrenciais, mais imponente que a ressaca do mar, é imponente o Senhor nas alturas. Teu testemunho é inteiramente verídico, a santidade é o adorno de tua casa, por dias sem fim, ó Senhor!

§271 Levanta-te, ó juiz da terra, devolve o merecido aos soberbos! Até quando os ímpios, Senhor, até quando os ímpios exultarão? Transbordam em palavras insolentes, todos os malfeitores se gabam!

§272 Pensam: “O Senhor nada vê, o Deus de Jacó nem percebe…” Percebei vós, ó imbecis consumados, idiotas, quando entendereis? Quem plantou o ouvido não ouvirá? Quem formou o olho não olhará? Quem educa as nações não punirá?

§273 Ele ensina ao homem o conhecimento: o Senhor conhece os pensamentos do homem, e que são apenas um sopro. Feliz o homem a quem corriges, Senhor, e a quem ensinas por meio de tua Palavra.

§274 O senhor não rejeita seu povo, jamais abandona sua herança, até que o julgamento se converta em justiça e todos os corações retos o sigam.

§275 Quem se levanta por mim contra os maus? Quem enfrenta por mim os malfeitores? Se o Senhor não viesse em meu socorro, em breve eu habitaria o silêncio.

§276 Quando digo: “Meu pé tropeçará”, o teu amor, Senhor, me sustenta; quando as preocupações se multiplicam em mim, as tuas consolações me deleitam.

§277 Proclamai sua salvação, dia após dia, anunciai sua glória por entre as nações, pelos povos todos as suas maravilhas! Pois o Senhor é grande e muito louvável, mais terrível que todos os deuses! Os deuses dos povos são vazios. Foi o Senhor quem fez os céus!

§278 Que o céu se alegre! Que a terra exulte! Pois ele vem, pois ele vem para julgar a terra: ele julgará o mundo com justiça, e as nações com sua verdade.

§279 O Senhor é Rei! Que a terra exulte, as ilhas numerosas fiquem alegres! Envolvem-no Trevas e Nuvens, Justiça e Direito sustentam seu trono. À frente avança o fogo, devorando. Seus relâmpagos iluminam o mundo e, vendo-os, a terra estremece.

§280 As montanhas se derretem como cera frente ao Senhor da terra inteira; o céu proclama sua justiça e os povos todos vêem sua glória. Os escravos de ídolos se envergonham, aqueles que se gabam dos vazios: à sua frente todos os deuses se prostram.

§281 Tu és o Senhor, o Altíssimo sobre a terra inteira, mais elevado que todos os deuses. O Senhor ama quem detesta o mal, ele guarda a vida dos seus fiéis e da mão dos ímpios os liberta. A luz se levanta para o justo, e a alegria para os corações retos.

§282 Bendize ao Senhor, ó minha alma, e tudo o que há em mim ao seu nome santo! Bendize ao Senhor, ó minha alma, e não esqueças nenhum dos seus benefícios.

§283 É ele quem perdoa todas as tuas faltas e cura todos os teus males. É ele quem redime tua vida da cova e te coroa de amor e compaixão. É ele quem sacia teus anos de bens e, como a águia, tua juventude se renova.

§284 O Senhor é compaixão e piedade, lento para a cólera e cheio de amor; ele não vai disputar perpetuamente, e seu rancor não dura para sempre. Nunca nos trata conforme nossos pecados, nem nos devolve segundo nossas faltas.

§285 Como o céu que se alteia sobre a terra, é forte seu amor por aqueles que o temem. Como o oriente está longe do ocidente, ele afasta de nós as nossas transgressões.

§286 Como um pai é compassivo com seus filhos, o Senhor é compassivo com aqueles que o temem; porque ele conhece nossa estrutura, ele se lembra do pó que somos nós.

§287 O homem!… seus dias são como a relva: ele floresce como a flor do campo; roça-lhe um vento e já desaparece, e ninguém mais reconhece o seu lugar. Mas o amor do Senhor!… existe desde sempre e para sempre existirá por aqueles que o temem.

§288 O Senhor firmou no céu o seu trono e sua realeza governa o universo. Bendizei ao Senhor, anjos seus, executores poderosos da sua palavra, obedientes ao som da sua palavra. Bendizei ao Senhor os seus exércitos todos.

§289 Todos esperam de ti que a seu tempo lhes dês o alimento: tu lhes dás e eles o recolhem, abres tua mão e se saciam de bens. Escondes tua face e eles se apavoram, retiras sua respiração e eles expiram, voltando ao seu pó. Envias teu sopro e eles são criados.

§290 O Senhor está à tua direita, ele esmaga os reis no dia da sua ira. Ele julga as nações, amontoa cadáveres, esmaga cabeças pela imensidão da terra. A caminho ele bebe da torrente, e por isso levanta a cabeça.

§291 Celebro o Senhor de todo o coração na intimidade dos retos e no conselho. Grandes são as obras do Senhor, dignas de estudo para quem as ama. Sua obra é esplendor e majestade, e sua justiça permanece para sempre. Ele deixou um memorial de suas maravilhas.

§292 O Senhor é piedade e compaixão: Ele dá alimento aos que o temem, lembrando-se sempre da sua Aliança; mostra ao seu povo a força de suas obras, entregando-lhes a herança das nações.

§293 Justiça e Verdade são as obras de suas mãos, seus preceitos todos merecem confiança: são estáveis para sempre e eternamente, vão cumprir-se com verdade e retidão.

§294 Ele envia libertação para seu povo, declarando sua Aliança para sempre. Seu Nome é santo e terrível. O princípio da sabedoria é temer ao Senhor, todos os que o praticam têm bom senso. Seu louvor permanece para sempre.

§295 Não a nós, Senhor, não a nós, mas ao teu nome dá glória, por teu amor e tua verdade! Por que diriam as nações: “Onde está o Deus deles?” O nosso Deus está no céu e faz tudo o que deseja.

§296 Os ídolos são prata e ouro, obra de mãos humanas: têm boca, mas não falam; têm olhos, mas não vêem; têm ouvidos, mas não ouvem; têm mãos, mas não tocam; têm pés, mas não andam; não há murmúrio em sua garganta. Os que os fazem ficam como eles, todos aqueles que neles confiam.

§297 Eu amo o Senhor porque ele ouve minha voz suplicante, ele inclina seu ouvido para mim no dia em que o invoco. O Senhor é justo e clemente, nosso Deus é compassivo; o Senhor protege os simples: eu fraquejava e ele me salvou.

§298 Volta ao repouso, minha vida, pois o Senhor foi bondoso contigo: libertou minha vida da morte, meus olhos das lágrimas e meus pés de uma queda. Caminharei na presença do Senhor na terra dos vivos.

§299 Eu tinha fé, mesmo ao dizer: “Estou por demais arrasado!” Em meu apuro eu dizia: “Os homens são todos mentirosos!” Como retribuirei ao Senhor todo o bem que me fez? Erguerei o cálice da salvação invocando o nome do Senhor.

§300 Louvai o Senhor, nações todas, glorificai-o, todos os povos! Pois seu amor é forte, e sua verdade é para sempre!

§301 Tu és o meu Deus, eu te celebro, meu Deus, eu te exalto; eu te celebro porque me ouviste e foste a minha salvação! Celebrai o Senhor, porque ele é bom, porque o seu amor é para sempre!

§302 Na angústia eu gritei ao Senhor: ele me ouviu e me aliviou. O Senhor está comigo: jamais temerei! Que poderia fazer-me o homem?

§303 É melhor abrigar-se no Senhor do que confiar no homem; é melhor abrigar-se no Senhor do que confiar nos nobres. As nações todas me cercaram: no nome do Senhor as destruí!

§304 Minha força e meu canto é o Senhor, ele foi a minha salvação! Há gritos de júbilo e salvação nas tendas dos justos.

§305 Jamais morrerei, eu viverei para contar as obras do Senhor! O Senhor me castigou e castigou, mas não me entregou à morte! Abri-me as portas da justiça, vou entrar celebrando o Senhor!

§306 A pedra que os construtores rejeitaram tornou-se a pedra angular; isso vem do Senhor, e é maravilha aos nossos olhos. Este é o dia do Senhor, exultemos e alegremo-nos nele.

§307 Como um jovem conservará puro o seu caminho? Observando a tua palavra. Eu te busco de todo o coração, não me deixes afastar dos teus mandamentos. Conservei tuas promessas no meu coração para não pecar contra ti. Bendito sejas, Senhor, ensina-me teus estatutos.

§308 Alegro-me com o caminho dos teus testemunhos, mais do que com todas as riquezas. Meditarei teus preceitos e considerarei teus caminhos. Delicio-me com teus estatutos e não me esqueço da tua palavra.

§309 Faze o bem ao teu servo e eu viverei observando a tua palavra. Abre meus olhos para eu contemplar as maravilhas que vêm de tua lei. Eu sou um estrangeiro na terra, não escondas de mim teus mandamentos. Minha alma se consome, desejando tuas normas todo o tempo.

§310 Príncipes se reúnam e falem contra mim, o teu servo medita os teus estatutos. Teus testemunhos são as minhas delícias, teus estatutos são os meus conselheiros.

§311 Afasta-me do caminho da mentira, e gratifica-me com tua lei. Escolhi o caminho da verdade, e me conformo às tuas normas. Apego-me aos teus testemunhos, Senhor, não me deixes envergonhado. Corro no caminho dos teus mandamentos, pois tu alargas o meu coração.

§312 Faze-me entender e guardar tua lei, para observá-la de todo o coração. Guia-me no caminho dos teus mandamentos, pois nele está meu prazer.

§313 Evita que meus olhos vejam o que é inútil, dá-me vida com tua palavra. Confirma tua promessa ao teu servo, para que sejas temido. Desvia de mim o ultraje que eu temo, pois tuas normas são boas. Eis que eu desejo teus preceitos, dá-me vida pela tua justiça.

§314 Que teu amor venha até mim, Senhor, e tua salvação, conforme tua promessa! Que eu responda ao ultraje pela palavra, pois eu confio na tua palavra. Não me tires da boca a palavra da verdade, pois espero em tuas normas. Observarei tua lei sem cessar, para sempre e eternamente.

§315 Andarei por um caminho largo, pois eu procuro teus preceitos. Falarei de teus testemunhos diante dos reis, sem ficar envergonhado. Em teus mandamentos estão as minhas delícias, eu os amo. Levanto as mãos aos teus mandamentos, que amo, e medito em teus estatutos.

§316 Esta é a minha consolação na minha miséria: a tua promessa me dá vida. Os soberbos caçoam de mim à vontade, mas eu não me desvio de tua lei.

§317 Recordo tuas normas de outrora, Senhor, e me consolo. Fiquei enfurecido frente aos ímpios que abandonam tua lei. Teus estatutos são cânticos para mim, para minha casa de peregrino.

§318 Seu coração é espesso como gordura, eu me delicio com tua lei. Para mim é bom ser afligido para aprender teus estatutos. A lei da tua boca é um bem para mim, mais que milhões em ouro e prata.

§319 Eu me consumo pela tua salvação, espero pela tua palavra. Meus olhos se consomem pela tua promessa: quando me consolarás? Quantos serão os dias do teu servo? Quando me farás justiça contra meus perseguidores?

§320 Senhor, tua palavra é para sempre, ela está firmada no céu; tua verdade continua, de geração em geração: fixaste a terra, e ela permanece. Tudo existe até hoje conforme tuas normas, pois todas as coisas te servem.

§321 Se tua lei não fosse o meu prazer, eu já teria perecido na miséria. Jamais esquecerei teus preceitos, pois é por eles que me fazes viver. Eu pertenço a ti: salva-me, pois busco teus preceitos.

§322 Que os ímpios espreitem minha ruína: sei discernir teus testemunhos. Vi o limite de toda perfeição: teu mandamento é muito amplo.

§323 Como amo a tua lei! Medito-a todo o dia. Teu mandamento me faz mais sábio que meus inimigos, porque ele me pertence para sempre. Percebo mais que todos os meus mestres, porque medito teus testemunhos. Tenho mais discernimento que os idosos, porque observo os teus preceitos.

§324 Quão doce ao meu paladar é tua promessa, é mais do que o mel em minha boca! Com teus preceitos sou capaz de discernir e detestar todo caminho mau.

§325 Teus testemunhos são minha herança para sempre, a alegria do meu coração. Aplico meu coração a praticar teus estatutos, é a minha recompensa para sempre.

§326 Detesto os corações divididos e amo a tua lei. Tu és meu abrigo e meu escudo, espero em tua palavra. Afastai-vos de mim, perversos, guardarei os mandamentos do meu Deus. Sustenta-me, conforme tua promessa, e viverei, não deixes que minha esperança me envergonhe.

§327 Apoia-me e serei salvo e estarei sempre atento aos teus estatutos. Desprezas todos os que se desviam dos teus estatutos, pois o cálculo deles é mentira. Reduzes à escória todos os ímpios da terra, por isso amo teus testemunhos.

§328 Sê fiador do teu servo para o bem, que os soberbos não me oprimam. Meus olhos se consomem pela tua salvação, e pela promessa da tua justiça. Age com teu servo conforme teu amor, e ensina-me teus estatutos. Eu sou teu servo, faze-me discernir e compreenderei teus testemunhos.

§329 Teus testemunhos são maravilhas, por isso eu os guardo. A descoberta das tuas palavras ilumina e traz discernimento aos simples. Abro minha boca e aspiro, pois anseio pelos teus mandamentos. Volta-te para mim, tem piedade de mim, é a justiça para os que amam o teu nome.

§330 Firma meus passos com tua promessa e não deixes nenhum mal me dominar. Resgata-me da opressão do homem e observarei teus preceitos. Ilumina tua face para o teu servo, e ensina-me teus estatutos.

§331 Tua promessa é puríssima e teu servo a ama. Sou pequeno e desprezado, mas não esqueço teus preceitos. Tua justiça é para sempre, e tua lei é a verdade. Angústia e opressão me atingiram, teus mandamentos são minhas delícias.

§332 Teus testemunhos são justiça para sempre. Dá-me discernimento e eu viverei.

§333 Alegro-me com tua promessa, como quem acha um grande despojo. Detesto e abomino a mentira, e amo a tua lei. Todo o dia eu te louvo por causa de tuas normas justas.

§334 Que eu possa viver para te louvar, e tuas normas venham socorrer-me. Eu me desvio como ovelha perdida: vem procurar o teu servo!

§335 Já há muito que moro com os que odeiam a paz. Eu sou pela paz, mas quando falo, eles são pela guerra.

§336 Quando o Senhor fez voltar os exilados de Sião, ficamos como quem sonha: a boca se nos encheu de riso, e a língua de canções…

§337 Senhor, faze voltar nossos exilados, como torrentes pelo deserto! Os que semeiam com lágrimas ceifam em meio a canções. Vão andando e chorando ao levar a semente; ao voltar, voltam cantando, trazendo seus feixes.

§338 Se o Senhor não constrói a casa, em vão labutam os construtores; se o Senhor não guarda a cidade, em vão vigiam os guardas. É inútil que madrugueis, e que atraseis o vosso deitar para comer o pão com duros trabalhos: ao seu amado ele o dá enquanto dorme!

§339 Quanto me oprimiram desde a juventude, mas nunca puderam comigo! Os lavradores lavraram minhas costas e alongaram seus sulcos; mas o Senhor é justo: cortou os chicotes dos ímpios. Voltem atrás, envergonhados, os que odeiam Sião.

§340 Senhor, meu coração não se eleva, nem meus olhos se alteiam; não ando atrás de grandezas, nem de maravilhas que me ultrapassam. Não! Fiz calar e repousar meus desejos, como criança desmamada no colo da mãe. Israel, põe tua esperança no Senhor, desde agora e para sempre!

§341 Celebro teu nome, por teu amor e verdade, pois tua promessa supera tua fama. Quando eu gritei, tu me atendeste e aumentaste a força dentro de mim.

§342 Grande é a glória do Senhor! Por mais alto que esteja, o Senhor vê os humildes e conhece os soberbos de longe.

§343 O Senhor fará tudo por mim: Senhor, teu amor é para sempre! Não abandones a obra de tuas mãos!

§344 Senhor, tu me sondas e conheces: conheces meu sentar e meu levantar, de longe penetras o meu pensamento; examinas meu andar e meu deitar, meus caminhos são todos familiares a ti.

§345 A palavra ainda não me chegou à língua e tu, Senhor, já a conheces inteira. Tu me envolves por trás e pela frente, e sobre mim pões a tua mão. É um saber maravilhoso, e me ultrapassa, é alto demais: não posso atingi-lo!

§346 Para onde ir, longe do teu sopro? Para onde fugir, longe da tua presença? Se subo aos céus, tu lá estás; se me deito no Xeol, aí te encontro.

§347 Se eu dissesse: “Ao menos a treva me cubra, e a noite seja um cinto ao meu redor” –mesmo a treva não é treva para ti, tanto a noite como o dia iluminam.

§348 Tu formaste os meus rins, tu me teceste no seio materno. Eu te celebro por tanto prodígio, e me maravilho com as tuas maravilhas! Conhecias até o fundo do meu ser: meus ossos não te foram escondidos quando eu era modelado, em segredo, tecido na terra mais profunda.

§349 Teus olhos viam meu embrião. No teu livro estão todos inscritos, os dias que foram fixados, e cada um deles nele figura. Mas, a mim, quão difíceis são teus projetos, Deus meu, como sua soma é grande! Se conto, são mais numerosos que areia! E, se termino, ainda estou contigo!

§350 Eles falam de ti com ironia, menosprezando os teus projetos! Não odiaria os que te odeiam, Senhor? Não detestaria os que se revoltam contra ti?

§351 Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração! Prova-me, e conhece minhas preocupações! Vê se não ando por um caminho fatal e conduze-me pelo caminho eterno.

§352 Senhor, coloca uma guarda em minha boca, uma sentinela à porta dos meus lábios.

§353 Impede meu coração de se inclinar ao mal, de cometer a maldade com os malfeitores. Não terei prazer em seus banquetes! Que o justo me bata, que o bom me corrija, que o óleo do ímpio não me perfume a cabeça, pois me comprometeria com suas maldades.

§354 Eles estão entregues ao poder da Rocha, seu juiz. Guarda-me das armadilhas que armaram para mim, e das ciladas dos malfeitores. Caiam os ímpios, cada qual em sua rede, enquanto eu escapo em liberdade!

§355 Eu grito a ti, Senhor, e digo: Tu és meu refúgio, minha parte na terra dos vivos! Dá atenção ao meu grito, pois já estou muito fraco. Livra-me dos meus perseguidores, pois eles são mais fortes do que eu! Faze-me sair da prisão para que eu celebre o teu nome!

§356 Não entres em julgamento com teu servo, pois frente a ti nenhum vivente é justo!

§357 Recordo os dias de outrora, em todo o teu agir eu medito, refletindo sobre a obra de tuas mãos; a ti estendo meus braços, minha vida é terra sedenta de ti.

§358 Senhor, que é o homem para que o conheças, o filho do mortal, para que o consideres? O homem é como um sopro, seus dias como a sombra que passa.

§359 Do alto estende a tua mão, salva-me, livra-me das águas torrenciais, da mão dos estrangeiros: sua boca fala mentiras, e sua direita é direita de perjúrio.

§360 Eu te exalto, ó Rei meu Deus, e bendigo teu nome para sempre e eternamente. Eu te bendirei todos os dias e louvarei teu nome para sempre e eternamente. Grande é o Senhor, e muito louvável, é incalculável a sua grandeza.

§361 O Senhor é piedade e compaixão, lento para a cólera e cheio de amor; o Senhor é bom para todos, compassivo com todas as suas obras.

§362 O Senhor é verdade em suas palavras todas, amor em todas as suas obras; o Senhor ampara todos os que caem e endireita todos os curvados. Em ti esperam os olhos de todos e no tempo certo tu lhes dás o alimento: abres a tua mão e sacias todo ser vivo à vontade.

§363 O Senhor é justo em seus caminhos todos, e fiel em todas as suas obras; está perto de todos os que o invocam, de todos os que o invocam sinceramente. Realiza o desejo dos que o temem, ouve seu grito e os salva. O Senhor guarda todos os que o amam.

§364 Não depositeis a segurança nos nobres e filhos de homem, que não podem salvar! Exalam o espírito e voltam à terra, e perecem seus planos! Feliz quem se apóia no Deus de Jacó, quem espera no Senhor seu Deus: foi ele quem fez o céu e a terra, o mar e tudo o que neles existe.

§365 Ele cura os corações despedaçados e cuida dos seus ferimentos; ele conta o número das estrelas e chama cada uma por seu nome. Nosso Senhor é grande e onipotente, e sua inteligência é incalculável. O Senhor sustenta os pobres e rebaixa os ímpios ao chão.

§366 Ele não se compraz com o vigor do cavalo, nem aprecia os músculos do homem; o Senhor aprecia aqueles que o temem, aqueles que esperam seu amor. Glorifica ao Senhor, Jerusalém! Louva teu Deus, ó Sião!

§367 Louvem o nome do Senhor, pois ele mandou e foram criados; fixou-os eternamente, para sempre, deu-lhes uma lei que jamais passará.

§368 Louvem o nome do Senhor: é o único nome sublime, sua majestade vai além da terra e do céu, e ele reforça o vigor do seu povo! Orgulho de todos os seus fiéis, dos israelitas, seu povo íntimo. Aleluia!

§369 O Senhor gosta do seu povo, ele dá aos humildes o brilho da salvação!

§370 Louvai a Deus em seu Templo, louvai-o no seu poderoso firmamento, louvai-o por suas façanhas, louvai-o por sua grandeza imensa! Todo ser que respira louve ao Senhor!

PROVÉRBIOS (§371-441)

§371 O temor do Senhor é princípio de conhecimento: os estultos desprezam sabedoria e disciplina.

§372 Meu filho, se pecadores quiserem te seduzir, não consintas! Não os acompanhes em seu caminho, afasta teus passos dos seus trilhos; porque os pés deles correm para o mal, apressam-se para derramar sangue.

§373 Até quando, ingênuos, amareis a ingenuidade, e vós, zombadores, vos empenhareis na zombaria, e vós, insensatos, odiareis o conhecimento? Convertei-vos à minha exortação, eis que vos derramarei o meu espírito e vos comunicarei minhas palavras.

§374 Porque vos chamei e recusastes, estendi a mão e não fizestes caso, recusastes os meus conselhos e não aceitastes minha exortação: por isso rirei da vossa desgraça, divertir-me-ei quando vos chegar o espanto.

§375 Me chamarão, e eu não responderei; procurar-me-ão e não me encontrarão! Porque odiaram o conhecimento e não escolheram o temor do Senhor; não aceitaram meu conselho e recusaram minha exortação; comerão, pois, o fruto dos seus erros, e ficarão fartos dos seus conselhos!

§376 A rebelião de ingênuos os levará à morte, a despreocupação de insensatos acabará com eles; mas quem me escuta permanece em segurança, estará tranquilo, sem temer a desgraça.

§377 É o Senhor quem dá a sabedoria; de sua boca procedem o conhecimento e o entendimento. Ele guarda para os retos a sensatez, é escudo para os que andam na integridade. Ele vigia as sendas do direito, e guarda o caminho dos seus fiéis.

§378 Entenderás a justiça e o direito, a retidão e todos os caminhos da felicidade; porque virá a sabedoria ao teu coração e terás gosto no conhecimento; a reflexão te guardará, e o entendimento te protegerá: para livrar-te do mau caminho, do homem que diz disparates.

§379 O amor e a fidelidade não te abandonem, ata-os ao pescoço, inscreve-os na tábua do coração. E alcançarás favor e bom sucesso aos olhos de Deus.

§380 Confia no Senhor com todo o coração, não te fies em tua própria inteligência: em todos os teus caminhos, reconhece-o, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio aos teus olhos, teme ao Senhor e evita o mal, e será a saúde do seu corpo e refrigério para os teus ossos.

§381 Não percas de vista a sensatez, conserva a reflexão: serão vida para tua alma e enfeite para teu pescoço. Seguirás tranquilo o teu caminho, sem que tropecem os teus pés. Descansarás sem temor e, deitado, o sono te será suave.

§382 Sê atento às minhas palavras; dá ouvidos às minhas sentenças: não se afastem dos teus olhos, guarda-as dentro do coração. Pois são vida para quem as encontra, e saúde para a sua carne. Guarda teu coração acima de tudo, porque dele provém a vida.

§383 Afasta-te da boca enganosa; vai para longe dos lábios falsos. Teus olhos olhem de frente, e teu olhar dirija-se para diante. Aplaina o trilho sob teus passos, e sejam firmes todos teus caminhos. Não desvies nem para a direita nem para a esquerda, afasta teus passos do mal.

§384 Bebe a água da tua cisterna, a água que jorra do teu poço. Não derrames pela rua o teu manancial, nem os teus ribeiros pelas praças. Sejam para ti somente, sem reparti-los com estrangeiros.

§385 Seis coisas detesta o Senhor, e sete lhe são abominação: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam o sangue inocente, coração que maquina planos malvados, pés que correm para a maldade, testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia discórdia entre irmãos.

§386 Guarda as minhas sentenças, conserva os meus preceitos; guarda-os e viverás; a minha instrução seja a menina dos teus olhos. Ata-a aos dedos, escreve-a na tábua do coração; diz à sabedoria: “Tu és minha irmã”. Chama a inteligência de tua parenta, para que te guarde.

§387 A vós, homens, eu chamo, dirijo-me aos filhos de Adão: Ingênuos, aprendei a sagacidade, idiotas, aprendei o bom senso. Escutai, porque direi coisas importantes, abrirei meus lábios com palavras retas. O céu de minha boca murmura a Verdade, e meus lábios aborrecem o mal.

§388 Todas as sentenças minhas são justas, nenhuma é desatinada ou tortuosa. São leais para quem sabe discernir, e retas para quem encontrou o conhecimento.

§389 Acolhei minha disciplina, e não o dinheiro; o conhecimento, mais valioso que o ouro; porque a Sabedoria é melhor que as pérolas, e nenhuma jóia lhe é comparável!

§390 Eu, a Sabedoria, moro com a sagacidade, e possuo o conhecimento da reflexão. O temor do Senhor é o ódio do mal. Detesto o orgulho e a soberba, o mau caminho e a boca falsa. Possuo o conselho e a prudência, são minhas a inteligência e a fortaleza.

§391 Eu amo os que me amam, e os que madrugam por mim hão de me encontrar. Comigo estão a riqueza e a honra, os bens estáveis e a justiça. Meu fruto é melhor que o ouro, que o ouro puro, o meu lucro vale mais que a prata de lei.

§392 Eu caminho pela senda da justiça e ando pelas veredas do direito. Para levar o bem aos que me amam, e encher os seus tesouros.

§393 O Senhor me criou, primícias de sua obra, de seus feitos mais antigos. Desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes da origem da terra. Quando os abismos não existiam, eu fui gerada, quando não existiam os mananciais das águas.

§394 Eu estava junto com ele como mestre de obra, eu era o seu encanto todos os dias, todo o tempo brincava em sua presença: brincava na superfície da terra, encontrava minhas delícias entre os homens.

§395 Quem me encontra, encontra a vida, e goza do favor do Senhor. Quem peca contra mim fere a si mesmo, e todo o que me odeia ama a morte.

§396 Os ingênuos venham aqui; quero falar aos sem juízo: Vinde comer do meu pão, e beber do vinho que misturei. Deixai a ingenuidade e vivereis, segui o caminho da inteligência.

§397 Não repreendas o zombador porque te odiará, repreende o sábio, e ele se tornará mais sábio, ensina o justo, e ele aprenderá ainda mais. O princípio da sabedoria é o temor do Senhor. E o conhecimento dos santos é inteligência.

§398 O ódio provoca querelas, o amor cobre todas as ofensas.

§399 Os sábios entesouram o conhecimento, mas a boca do estulto é perigo iminente.

§400 É a bênção do Senhor que enriquece, e nada ajunta a fadiga.

§401 Quem anda tagarelando revela o segredo, é espírito seguro o que retém o assunto.

§402 Há quem seja pródigo e aumente sua riqueza, e há quem guarde sem medida e se empobrece.

§403 O estulto manifesta logo a sua raiva, mas o homem sagaz dissimula a ofensa.

§404 O homem sagaz encobre o conhecimento, o coração dos insensatos proclama sua idiotice.

§405 O sábio teme o mal e se afasta, o insensato é insolente e seguro de si.

§406 Para o insatisfeito todos os dias são maus, o coração contente tem perpétuo banquete.

§407 Mais vale pouco com temor do Senhor, do que grandes tesouros com sobressalto.

§408 Mais vale um prato de verdura com amor, do que um boi cevado com ódio.

§409 O temor do Senhor é disciplina de sabedoria. Antes da honra está a humilhação.

§410 É melhor ser humilde com os pobres que repartir a fortuna com os soberbos.

§411 Mais vale o homem lento para a ira do que o herói, e um homem senhor de si do que o conquistador de uma cidade.

§412 A prata vai ao forno, e o ouro ao crisol, mas é o Senhor que prova o coração.

§413 Deixar correr as águas é o princípio da discórdia; antes que se desencadeie o processo, desiste.

§414 Quem retém suas palavras tem conhecimento. Espírito frio é homem inteligente.

§415 O insensato não gosta da inteligência, mas de publicar o que pensa.

§416 O homem prudente é lento para a ira, e se honra em ignorar uma ofensa.

§417 Muitos são os projetos do coração humano, mas é o desígnio do Senhor que permanece firme.

§418 É honra para o homem evitar processo, mas o estulto se enreda em disputas.

§419 Quem pode dizer: “Purifiquei meu coração, do meu pecado estou puro?”

§420 O Senhor dirige os passos do homem: como, pois, poderá o homem compreender o seu caminho?

§421 É armadilha para o homem gritar “É santo!” e só refletir depois de fazer o voto.

§422 Praticar a justiça e o direito vale mais para o Senhor que os sacrifícios.

§423 Não há sabedoria, nem entendimento, nem conselho diante do Senhor.

§424 Não te fatigues por adquirir a riqueza, não apliques nisso a tua inteligência. Nela pousam teus olhos, e ela não existe mais, pois certamente fará asas para si, como águia, que voa para o céu.

§425 Meu filho, dá-me o teu coração, e que teus olhos gostem dos meus caminhos: pois a prostituta é cova profunda, e a estranha, poço estreito. Como salteador, ela também fica espreitando, e entre os homens multiplica as traições.

§426 Teu pé seja raro na casa de teu próximo, para que ele não se enjoe de ti, e te odeie.

§427 Cidade aberta, sem muralhas: tal é o homem sem autocontrole.

§428 Como o pássaro que foge e a andorinha que voa, a maldição gratuita não atinge a meta.

§429 Não respondas ao insensato conforme a sua idiotice, para não te igualares a ele.

§430 O rico é sábio aos seus próprios olhos, mas o fraco inteligente o desmascara.

§431 Quando os justos triunfam há grande glória; quando os ímpios se levantam, cada um se esconde.

§432 Um príncipe sem inteligência multiplica as extorsões, mas quem odeia o lucro prolonga seus dias.

§433 Quem confia em seu bom senso é insensato, mas quem procede com sabedoria será salvo.

§434 O homem que lisonjeia seu próximo estende uma rede sob seus passos.

§435 O justo conhece a causa dos fracos, mas o ímpio não tem a inteligência de reconhecê-la.

§436 Quando um sábio discute com um estulto, quer se zangue quer se ria, jamais terá descanso.

§437 O insensato expande suas paixões todas, mas o sábio as reprime e acalma.

§438 Escravo não se corrige com palavras, pois ele entende, mas não obedece.

§439 O orgulho do homem o humilha, mas o pobre em espírito torna-se honrado.

§440 A Palavra de Deus é comprovada, ele é escudo para quem nele se abriga. Não acrescentes nada às suas palavras, porque te responderá, e passarás por mentiroso.

§441 Afasta de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem riqueza nem pobreza, concede-me o meu pedaço de pão; não seja eu saciado, e te renegue, dizendo: “Quem é o Senhor?” E não seja eu necessitado e roube e blasfeme o nome de meu Deus.

ECLESIASTES (§442-461)

§442 Vaidade das vaidades, tudo é vaidade.

§443 Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do sol? Uma geração vai, uma geração vem, e a terra sempre permanece.

§444 O que foi, será; o que se fez, se tornará a fazer: não há nada de novo debaixo do sol!

§445 Examinei todas as obras que se fazem debaixo do sol. Pois bem, tudo é vaidade e correr atrás do vento! O que é torto não se pode endireitar; o que está faltando não se pode contar.

§446 Coloquei todo o coração em compreender a sabedoria e o conhecimento, a tolice e a loucura, e compreendi que tudo isso é também procura do vento.

§447 Examinei todas as obras de minhas mãos e o trabalho que me custou para realizá-las, e eis que era tudo vaidade e correr atrás do vento, e nada havia de proveitoso debaixo do sol.

§448 Eis que a felicidade do homem é comer e beber, desfrutando do produto do seu trabalho; e vejo que também isso vem da mão de Deus, pois quem comerá e quem se alegrará, se isso não vier dele?

§449 Ao homem do seu agrado Deus dá sabedoria, conhecimento e alegria; mas ao pecador impõe como tarefa ajuntar e acumular para dar a quem agrada a Deus.

§450 Compreendi que tudo o que Deus faz é para sempre. A isso nada se pode acrescentar, e disso nada se pode tirar. Deus fez assim para que o temam.

§451 Todo trabalho e todo êxito se realiza porque há uma competição entre companheiros. Isso também é vaidade e correr atrás do vento.

§452 Mais vale um bocado de lazer do que dois bocados de trabalho, correndo atrás do vento.

§453 Quem ama o dinheiro nunca está farto de dinheiro, quem ama a abundância nunca tem vantagem. Isso também é vaidade. Onde aumentam os bens, aumentam aqueles que o devoram; que vantagem tem o dono, a não ser ficar olhando?

§454 Quanto mais palavras, tanto mais vaidade. Qual a vantagem para o homem?

§455 Quem sabe o que convém ao homem durante a sua vida, ao longo dos dias contados de sua vida de vaidade, que passam como sombra? Quem anunciará ao homem o que vai acontecer depois dele debaixo do sol?

§456 Deus fez o homem reto; este, porém, procura complicações sem conta.

§457 Vi essas coisas todas ao aplicar o coração a tudo o que se faz debaixo do sol, enquanto um homem domina outro homem, para arruiná-lo.

§458 Exalto a alegria, pois não existe felicidade para o homem debaixo do sol, a não ser o comer, o beber e o alegrar-se; é isso que o acompanha no seu trabalho nos dias da vida que Deus lhe dá debaixo do sol.

§459 Observei toda a obra de Deus, e vi que o homem não é capaz de descobrir toda a obra que se realiza debaixo do sol; por mais que o homem trabalhe pesquisando, não a descobrirá. E mesmo que um sábio diga que conhece, nem por isso é capaz de descobrir.

§460 Mais vale a sabedoria do que a força, mas a sabedoria do pobre é desprezada e ninguém dá ouvido às suas palavras.

§461 Afasta do teu coração o desgosto, e o sofrimento do teu corpo, pois juventude e cabelos pretos são vaidade.

CÂNTICO DOS CÂNTICOS (§462-482)

§462 Que me beije com beijos de sua boca! Teus amores são melhores do que o vinho, o odor dos teus perfumes é suave, teu nome é como óleo escorrendo, e as donzelas se enamoram de ti…

§463 Arrasta-me contigo, corramos! Leva-me, ó rei, aos teus aposentos e exultemos! Alegremo-nos em ti! Mais que ao vinho, celebremos teus amores! Com razão se enamoram de ti…

§464 Levou-me ele à adega e contra mim desfralda sua bandeira de amor. Sustentai-me com bolos de passas, dai-me forças com maçãs, oh! que estou doente de amor…

§465 Sua mão esquerda está sob minha cabeça, e com a direita me abraça. Filhas de Jerusalém, pelas cervas e gazelas do campo, eu vos conjuro: não desperteis, não acordeis o amor, até que ele o queira!

§466 A voz do meu amado! Vejam: vem correndo pelos montes, saltitando nas colinas! Como um gamo é meu amado… um filhote de gazela. Ei-lo postando-se atrás da nossa parede, espiando pelas grades, espreitando da janela.

§467 Fala o meu amado, e me diz: “Levanta-te, minha amada, formosa minha, vem a mim! Vê o inverno: já passou! Olha a chuva: já se foi! As flores florescem na terra, o tempo da poda vem vindo, e o canto da rola está-se ouvindo em nosso campo.”

§468 Agarrai-nos as raposas, as raposas pequeninas que devastam nossa vinha, nossa vinha já florida! Meu amado é meu e eu sou dele, do pastor das açucenas!

§469 Roubaste meu coração, minha irmã, noiva minha, roubaste meu coração com um só dos teus olhares, uma volta dos colares. Que belos são teus amores, minha irmã, noiva minha; teus amores são melhores do que o vinho, mais fino que os outros aromas é o odor dos teus perfumes.

§470 Teus lábios são favo escorrendo, ó noiva minha, tens leite e mel sob a língua, e o perfume de tuas roupas é como o perfume do Líbano. És jardim fechado, minha irmã, noiva minha, és jardim fechado, uma fonte lacrada.

§471 Desperta, vento norte, aproxima-te, vento sul, soprai no meu jardim para espalhar seus perfumes. Entre o meu amado em seu jardim e coma de seus frutos saborosos!

§472 Abro ao meu amado, mas o meu amado se foi… Procuro-o e não o encontro. Chamo-o e não me responde… Encontraram-me os guardas que rondavam a cidade. Bateram-me, feriram-me, tomaram-me o manto as sentinelas das muralhas!

§473 Filhas de Jerusalém, eu vos conjuro: se encontrardes o meu amado, que lhe direis?… Dizei que estou doente de amor!

§474 És formosa, minha amiga, és como Tersa, bela como Jerusalém, és terrível como esquadrão com bandeiras desfraldadas. Afasta de mim teus olhares, pois teus olhares me perturbam!

§475 Quem é essa que desponta como a aurora, bela como a lua, fulgurante como o sol, terrível como esquadrão com bandeiras desfraldadas?

§476 Como és bela, quão formosa, que amor delicioso! Tens o talhe da palmeira, e teus seios são os cachos. Pensei: “Subirei à palmeira para colher dos seus frutos!” Sim, teus seios são cachos de uva, e o sopro das tuas narinas perfuma como o aroma das maçãs.

§477 Eu sou do meu amado, seu desejo o traz a mim. Vem, meu amado, vamos ao campo, pernoitemos nas aldeias, madruguemos pelas vinhas, vejamos se a vinha floresce, se os botões se abrem, se as romeiras florescem: lá te darei o meu amor…

§478 As mandrágoras exalam seu perfume; à nossa porta há de todos os frutos: frutos novos, frutos secos, que eu tinha guardado, meu amado, para ti.

§479 Coloca-me como sinete sobre teu coração, como sinete em teu braço. Pois o amor é forte, é como a morte, o ciúme é inflexível como o Xeol. Suas chamas são chamas de fogo, uma faísca do Senhor!

§480 As águas da torrente jamais poderão apagar o amor, nem os rios afogá-lo. Quisesse alguém dar tudo o que tem para comprar o amor… Seria tratado com desprezo.

§481 Eu sou muralha e meus seios são torres, aos seus olhos, porém, sou aquela que encontrou a paz.

§482 Foge logo, ó meu amado, como um gamo, um filhote de gazela pelos montes perfumados!

SABEDORIA DE SALOMÃO (§483-552)

§483 Amai a justiça, pensai no Senhor com retidão, procurai-o com simplicidade de coração, porque ele se deixa encontrar por aqueles que não o tentam, ele se revela aos que não lhe recusam a fé.

§484 Os pensamentos tortuosos afastam de Deus e o Poder, posto à prova, confunde os insensatos. A Sabedoria não entra numa alma maligna, ela não habita num corpo devedor ao pecado.

§485 O Espírito Santo, o educador, foge da duplicidade, ele se retira diante dos pensamentos sem sentido, ele se ofusca quando sobrevém a injustiça.

§486 A Sabedoria é um espírito amigo dos homens, não deixa impune o blasfemo por seus propósitos; porque Deus é a testemunha de seus rins, perscruta seu coração segundo a verdade e ouve o que diz a sua língua.

§487 O Espírito do Senhor enche o universo, e ele, que mantém unidas todas as coisas, não ignora nenhum som.

§488 Não procureis a morte com vossa vida extraviada, não vos proporcioneis a ruína com a obra de vossas mãos. Pois Deus não fez a morte nem tem prazer em destruir os viventes.

§489 Tudo criou para que subsista; são salutares as gerações do mundo: nelas não há veneno destruidor, e o Hades não reina sobre a terra. Porque a justiça é imortal.

§490 Os ímpios chamam a morte com gestos e com vozes, por ela se consomem, crendo-a sua amiga, fazem pacto com ela, pois merecem ser de seu partido.

§491 Dizem os ímpios, com falsos raciocínios: “Breve e triste é a vida, o remédio não está no fim, não se conhece quem tenha voltado do Hades. Nós nascemos do acaso e logo passaremos como quem não existiu. Desfrutemos dos bens presentes. Não deixemos passar a flor da primavera.”

§492 Dizem os ímpios: “Que nossa força seja a lei da justiça, pois o fraco, com certeza, é inútil. Cerquemos o justo, porque nos incomoda e se opõe às nossas ações, nos censura as faltas contra a Lei. Declara ter conhecimento de Deus e se diz filho do Senhor.”

§493 Dizem os ímpios: “Ele se tornou acusador de nossos pensamentos, basta vê-lo para nos importunarmos; sua vida se distingue da dos demais e seus caminhos são todos diferentes. Ele nos tem em conta de bastardos; de nossas vias se afasta, como se contaminassem.”

§494 Dizem os ímpios: “Vejamos se suas palavras são verdadeiras, experimentemos o que será do seu fim. Pois se o justo é filho de Deus, ele o assistirá e o libertará das mãos de seus adversários. Experimentemo-lo pelo ultraje e pela tortura, a fim de conhecer sua serenidade.”

§495 Os ímpios se enganam, porque sua maldade os cega. Eles ignoram os segredos de Deus, não esperam o prêmio pela santidade, não crêem na recompensa das almas puras.

§496 Deus criou o homem para a incorruptibilidade e o fez imagem de sua própria natureza; foi por inveja do diabo que a morte entrou no mundo: experimentam-na aqueles que lhe pertencem.

§497 A vida dos justos está nas mãos de Deus, nenhum tormento os atingirá. Aos olhos dos insensatos parecem mortos. Aos olhos humanos parecem cumprir uma pena, mas sua esperança está cheia de imortalidade.

§498 Os que em Deus confiam compreenderão a verdade, e os que são fiéis permanecerão junto a ele no amor, pois a graça e a misericórdia são para seus santos, e a sua visita é para seus eleitos.

§499 Os ímpios serão castigados segundo os seus raciocínios: desprezaram o justo e se afastaram do Senhor. Desgraçados os que desprezam a sabedoria e a disciplina: sua esperança é vã, suas fadigas sem proveito, e suas obras, inúteis.

§500 É melhor possuir a virtude, mesmo sem filhos; a imortalidade se perpetua na sua memória: Deus e os homens a conhecem. Presente, a imitam; ausente, a deploram; na eternidade, triunfa –coroada, vitoriosa– por ter vencido numa competição de lutas sem mancha.

§501 Velhice venerável não é longevidade, nem é medida pelo número de anos; as cãs do homem são sua inteligência, e a velhice, uma vida imaculada. Agradou a Deus, Deus o amou; vivia entre pecadores, Deus o transferiu. Arrebatou-o para que a malícia não lhe pervertesse.

§502 O justo que morre condena os ímpios que vivem, e a juventude em breve consumada, a velhice longa do injusto. Eles vêem o fim do sábio sem compreender a vontade de Deus a respeito dele e por que o pôs em segurança. Viram-no com desprezo, mas o Senhor se rirá deles.

§503 Dirão os ímpios: “Este é aquele de quem outrora ríamos, de quem fizemos alvo de ultraje, nós insensatos! Considerávamos a sua vida uma loucura e seu fim infame. Agora o contam entre os filhos de Deus e partilha a sorte dos santos.”

§504 Dirão os ímpios: “Que proveito nos trouxe o orgulho? De que nos serviram riqueza e arrogância? Tudo isso passou como uma sombra, como notícia fugaz. Mal nascemos, já desaparecemos, sem mostrarmos nenhum traço de virtude; na malícia nos deixamos consumir!”

§505 Os justos vivem para sempre, recebem do Senhor sua recompensa, cuida deles o Altíssimo. Receberão a coroa real e o diadema da beleza; com sua direita Deus os protegerá, seu braço os escudará. Tomará a armadura de seu ciumento ardor, armará a criação para vingar os inimigos.

§506 Escutai, reis, e entendei! Instruí-vos, juízes dos confins da terra! Prestai atenção, vós que dominais a multidão e vos orgulhais das multidões dos povos! O domínio vos vem do Senhor, e o poder, do Altíssimo, que examinará vossas obras e perscrutará os vossos desígnios.

§507 Um julgamento implacável se exerce contra os altamente colocados. Ao pequeno, por piedade, se perdoa, mas os poderosos serão provados com rigor. Pois o Senhor do universo a ninguém teme. Não se deixa impressionar pela grandeza; pequenos e grandes, foi ele quem os fez.

§508 Aprendei a ser sábios e não pequeis; santos serão os que santamente observam as coisas santas, e aqueles que se deixam instruir encontrarão do que se justificar. Ansiai, pois, por minhas palavras, desejai-as e recebereis a instrução.

§509 A Sabedoria é radiante, não fenece, facilmente é contemplada por aqueles que a amam e se deixa encontrar por aqueles que a buscam. Ela mesma se dá a conhecer aos que a desejam. Quem por ela madruga não se cansa: encontra-a sentada à porta.

§510 Meditar a Sabedoria é, com efeito, a perfeição da inteligência; quem vigia por ela logo se isenta de preocupações; ela mesma busca, em toda parte, os que a merecem; benigna, aborda-os pelos caminhos e a cada pensamento os precede.

§511 O princípio da Sabedoria é o desejo autêntico de instrução, o afã da instrução é o amor, o amor é a observância de suas leis, o respeito das leis é garantia de incorruptibilidade e aproxima de Deus. Portanto, o desejo da Sabedoria eleva à realeza.

§512 Supliquei, a inteligência me foi dada; invoquei, o espírito da Sabedoria veio a mim. Eu a preferi a cetros e tronos, julguei junto dela a riqueza como um nada. Não a equiparei à pedra mais preciosa, pois todo o ouro, ao seu lado, é um pouco de areia; a prata é como barro.

§513 Amei a Sabedoria mais que a saúde e a beleza e me propus a tê-la como luz, pois seu brilho não conhece o ocaso. Com ela me vieram todos os bens, de suas mãos, riqueza incalculável. De todos eles gozei, pois é a Sabedoria quem os traz, mas ignorava que fosse a mãe de tudo.

§514 Na Sabedoria há um espírito inteligente, santo, único, múltiplo, sutil, móvel, penetrante, imaculado, lúcido, invulnerável, amigo do bem, agudo, incoercível, benfazejo, amigo dos homens, firme, seguro, sereno, tudo podendo, tudo abrangendo, que penetra todos os espíritos.

§515 A Sabedoria é mais móvel que qualquer movimento e, por sua pureza, tudo atravessa e penetra. Ela é eflúvio do poder de Deus, uma emanação puríssima da glória do Onipotente, pelo que nada de impuro nela se introduz.

§516 A Sabedoria é reflexo da luz eterna, espelho nítido da atividade de Deus e imagem de sua bondade. Por outro lado, sendo só, ela tudo pode; sem nada mudar, tudo renova e, entrando nas almas santas de cada geração, dela fez amigos de Deus e profetas.

§517 Deus só ama quem habita com a Sabedoria. Ela é mais bela que o sol, supera todas as constelações: comparada à luz do dia, sai ganhando, pois a luz cede lugar à noite, ao passo que sobre a Sabedoria não prevalece o mal.

§518 Sou teu servo, filho de tua serva, homem frágil, de vida efêmera, incapaz de compreender a justiça e as leis. Por mais perfeito que seja alguém entre os filhos dos homens, se lhe falta a Sabedoria que vem de ti, de nada valerá.

§519 Que homem conhece os desígnios de Deus? Quem pode conhecer o que deseja o Senhor? Os pensamentos dos mortais são tímidos, e falíveis são os nossos raciocínios; um corpo corruptível pesa sobre a alma e esta tenda de argila faz o espírito pesar com muitas preocupações.

§520 A custo conjeturamos o terrestre, com trabalho encontramos o que está à mão: mas quem rastreará o que está nos céus? Quem conhecerá tua vontade, se não lhe deste Sabedoria e não enviaste do alto teu Espírito Santo?

§521 Teu grande poder está sempre a teu serviço, e quem pode resistir à força de teu braço? O mundo inteiro está diante de ti como esse nada na balança, como a gota de orvalho que de manhã cai sobre a terra.

§522 Te compadeces de todos, pois tudo podes, e fechas os olhos diante dos pecados dos homens, para que se arrependam.

§523 Tu amas tudo o que criaste, não te aborreces com nada do que fizeste; se alguma coisa tivesses odiado, não a terias feito. E como poderia subsistir alguma coisa, se não a tivesses querido? Como conservaria a existência, se não a tivesses chamado?

§524 A todos poupas, porque são teus: Senhor, amigo da vida!

§525 Tu os aborreceste por causa de suas práticas detestáveis, ritos execráveis, atos de magia; esses cruéis infanticídios, banquetes canibalescos de vísceras e sangue humanos, esses iniciados membros de confraria e pais assassinos de vidas sem defesa, decidiste eliminá-los.

§526 Trataste-os com indulgência. Exercendo teus julgamentos, pouco a pouco, tu lhes davas ocasião de conversão, muito embora não ignorasses que fossem de má origem, de malícia congênita, e que sua mentalidade não mudaria jamais. Eram, desde a origem, uma raça maldita.

§527 Se lhes anistiaste as faltas, não foi porque tivera medo de alguém. Pois quem pode dizer-te: “Que fizeste?” Ou quem se oporia à tua sentença? Quem te denunciaria por teres feito perecer nações que tu criaste? Ou quem pleitearia contra ti como vingador de homens injustos?

§528 Não há, fora de ti, Deus que cuide de todos, para que devesses mostrar que teus julgamentos não são injustos. Não há rei nem soberano que possa desafiar-te por tê-los castigado.

§529 Justo, governas o universo com justiça e estimas incomparável com o teu poder condenar a quem não merece castigo. Pois a tua força é o princípio da justiça e, por seres o senhor de todos, a todos perdoas.

§530 Demonstras tua força a quem não crê na perfeição de teu poder, e confundes a audácia dos que a reconhecem; mas tu, dominando a força, julgas com moderação e nos governas com muita indulgência; fazer uso do poder está a teu alcance quando queres.

§531 Ensinaste a teu povo que o justo deve ser amigo dos homens, e a teus filhos deste a esperança de que, após o pecado, dás a conversão.

§532 Se os inimigos de teus filhos, réus de morte, com tanta atenção e indulgência castigaste, dando-lhes tempo e lugar para se afastarem de sua malícia, com que precaução julgaste os teus filhos, a cujos pais, com juramentos e alianças, tão belas promessas fizeste?

§533 Nos instruis quando castigas nossos inimigos com medida para que, ao julgar, nos lembremos da tua bondade e, ao sermos julgados, contemos com tua misericórdia.

§534 Vãos foram todos os homens que ignoraram a Deus e que, partindo dos bens visíveis, não foram capazes de conhecer Aquele que É, nem considerando as obras, de reconhecer o artista.

§535 Foi o fogo, ou o ar, a abóbada estrelada ou a água que eles consideraram como deuses! Se, fascinados por sua beleza, os tomaram por deuses, aprendam quanto lhes é superior o Senhor dessas coisas, pois foi a própria fonte da beleza que os criou.

§536 Se os assombrou a força e atividade dos elementos, calculem quanto mais poderoso é Aquele que os formou, pois a grandeza e a beleza das criaturas fazem, por analogia, contemplar seu Autor.

§537 Merecem repreensão os que se extraviam buscando a Deus. Vivendo entre as obras, exploram-nas e sua aparência os subjuga, tão belo é o que vêem! Não são perdoáveis: se foram capazes de conhecer tanto, para postular a unidade do mundo, como não descobriram o seu Senhor?

§538 São uns desgraçados, estes que põem sua esperança em seres mortos, estes que chamam deuses a obras de mãos humanas, ouro, prata, lavrados com arte, figuras de animais, ou uma pedra inútil, obra de mão antiga.

§539 Bendito seja o lenho pelo qual vem a justiça, mas o ídolo fabricado seja maldito, ele e quem o fez; este porque o fez; aquele porque, corruptível, foi chamado deus. Pois Deus detesta igualmente o ímpio e sua impiedade. Sim, a obra será punida com o seu autor.

§540 Haverá uma visita para os ídolos das nações porque, na criação de Deus, eles se tornaram uma abominação, um escândalo para as almas dos homens e uma armadilha para os pés dos insensatos. A idéia de fazer ídolos foi a origem da fornicação, sua descoberta corrompeu a vida.

§541 Os ídolos nem existiam desde o princípio e nem existirão eternamente: é por uma ilusão humana que eles entraram no mundo e, por isso, um rápido fim lhes foi decretado.

§542 Isso se tornou uma cilada para a vida: homens, escravos ou da desgraça ou do poder, impuseram o Nome incomunicável aos ídolos.

§543 Não lhes bastou somente errar acerca do conhecimento de Deus, pois vivendo na grande guerra da ignorância, a seus males proclamam paz! Com seus ritos infanticidas, seus mistérios ocultos ou suas frenéticas orgias de estranho ritual, já não conservam pura a vida.

§544 Por toda parte, sem distinção, sangue e crime, roubo e fraude, corrupção, deslealdade, revolta, perjúrio, perseguição dos bons, esquecimento da gratidão, impureza das almas, inversão sexual, desordens no casamento, adultério e despudor. O culto aos ídolos é princípio do mal.

§545 O culto aos ídolos inomináveis é princípio, causa e fim de todo o mal: com efeito, ou entregam-se a divertimentos até o delírio, ou profetizam a mentira, ou vivem na injustiça, ou perjuram com facilidade. Confiando em ídolos sem vida, não esperam nenhum prejuízo.

§546 O Senhor é bom e verdadeiro; lento para a ira, governas o universo com misericórdia. Mesmo pecando somos teus, pois reconhecemos tua soberania, mas não pecaremos, sabendo que te pertencemos. Conhecer-te é a justiça integral; reconhecer tua soberania é a raiz da imortalidade.

§547 Não nos extraviaram as perversas artes, invenções humanas, nem o trabalho estéril dos artistas, cuja vista desperta a paixão dos insensatos que se entusiasmam com a forma sem vida de uma imagem morta. São namorados do mal e dignos de tais esperanças, artistas e adoradores!

§548 Cinzas, o seu coração! Sua esperança: mais vil que a terra! Sua existência: mais desprezível que o barro! Pois desconheceu Aquele que o modelou, infundiu-lhe uma alma ativa e inspirou-lhe um sopro vital. Considerou nossa vida um jogo e a existência uma feira de negócios.

§549 “É preciso ganhar, por todos os meios, mesmo maus!” Sim, este, mais que todos, sabe que peca: o que fabrica, de matéria terrena, frágeis obras e imagens de ídolos.

§550 A criação, submissa a ti, seu Criador, inflama-se para castigar os injustos e abranda-se para beneficiar os que confiam em ti. Eis por que, também então, mudando-se em tudo, colocava-se a serviço de tua liberalidade, nutriz universal, segundo o desejo dos necessitados.

§551 Teus filhos queridos aprenderam, Senhor: não é a produção de frutos que alimenta os homens, mas é a tua palavra que sustenta os que crêem em ti.

§552 Teus julgamentos são grandes e difíceis de compreender, por isso as almas sem instrução se extraviaram. Os ímpios, persuadidos de poderem oprimir uma nação santa, jaziam cativos das trevas, nos entraves de uma longa noite, reclusos sob seus tetos, excluídos da providência.

ECLESIÁSTICO (§553-656)

§553 Toda sabedoria vem do Senhor, ela está junto dele desde sempre.

§554 A areia do mar, os pingos da chuva, os dias da eternidade, quem os poderá contar? A altura do céu, a amplidão da terra, a profundeza do abismo, quem as poderá explorar? Antes de todas essas coisas foi criada a Sabedoria, a inteligência prudente existe desde sempre.

§555 A fonte da sabedoria é a palavra de Deus nos céus; seus caminhos são as leis eternas. A quem foi revelada a raiz da sabedoria? Seus recursos, quem os conhece? A ciência da sabedoria a quem apareceu? E a riqueza de seus caminhos quem a compreendeu?

§556 Só um é sábio, sumamente terrível quando se assenta em seu trono: é o Senhor. Ele criou a Sabedoria, a viu, a enumerou e a difundiu em todas as suas obras, em toda carne segundo sua generosidade, e a dôou aos que o amam.

§557 O amor do Senhor é sabedoria digna de honra; ele a concede como partilha àqueles que o temem.

§558 O temor do Senhor é glória e honra, alegria e coroa de exultação. O temor do Senhor alegra o coração, dá contentamento, alegria e vida longa. O temor do Senhor é dom que vem do Senhor; com efeito, ele o estabeleceu sobre os caminhos do amor.

§559 Para o que teme o Senhor tudo terminará bem, no dia de sua morte será abençoado. O princípio da sabedoria é temer o Senhor, e para os fiéis, ela foi criada com eles no seio. Entre os homens, ela fez um ninho, fundação eterna, e com a sua raça ela vive fielmente.

§560 A plenitude da sabedoria é temer o Senhor, ela os inebria com os seus frutos; ela enche toda a sua casa com seus produtos.

§561 A coroa da sabedoria é o temor do Senhor, ela faz florescer o bem-estar e a saúde. Ambos são dons de Deus, em vista do bem-estar e para aqueles que o amam a firmeza se alarga. Ele fez chover a ciência e a inteligência, exaltou a glória daqueles que a possuem.

§562 A raiz da sabedoria é temer ao Senhor, os seus ramos são uma vida longa. O temor do Senhor tira os pecados; aquele que persevera desvia toda cólera.

§563 A paixão do ímpio não poderá justificá-lo, porque o peso da sua paixão é sua ruína. O paciente resistirá até o momento oportuno, mas depois a alegria brotará para ele. Até o momento oportuno calará suas razões, mas os lábios de muitos narrarão sua inteligência.

§564 Desejas a sabedoria? Guarda os mandamentos e o Senhor a dar-te-á em profusão; porque o temor do Senhor é sabedoria e instrução, e seu agrado é fidelidade e mansidão.

§565 Tudo o que te acontecer, aceita-o, e nas vicissitudes que te humilharem sê paciente, pois o ouro se prova no fogo, e os eleitos, no cadinho da humilhação.

§566 Confia no Senhor, ele te ajudará, endireita teus caminhos e espera nele. Contai com sua misericórdia e não vos afasteis para não cairdes. Tende confiança nele e a recompensa não vos faltará.

§567 Vós que temeis ao Senhor, esperai bens, alegria eterna e misericórdia. Pois sua recompensa é dom eterno na alegria.

§568 Ai dos corações covardes e das mãos fracas, e do pecador que segue dois caminhos. Ai do coração fraco, pois não acredita, por isso não será protegido. Ai de vós que perdestes a paciência: que fareis quando o Senhor vos visitar?

§569 Os que temem o Senhor preparam os seus corações e diante dele se humilham. Caiamos nas mãos do Senhor e não nas dos homens, pois tal como é sua grandeza, assim é sua misericórdia.

§570 Conduze teus negócios com doçura e serás amado mais do que um homem generoso. Quanto mais fores importante, tanto mais humilha-te para achares graça diante do Senhor.

§571 Numerosas são as pessoas altivas e famosas, mas é aos humildes que ele revela os seus segredos. Pois grande é a potência do Senhor, mas ele é glorificado pelos humildes.

§572 Não procures o que é muito difícil para ti, não investigues o que vai além de tuas forças. Aplica-te àquilo que te é acessível e não te ocupes com coisas misteriosas. Não te aflijas com aquilo que te ultrapassa, pois foi mostrado a ti mais do que o homem pode compreender.

§573 O coração obstinado terá mau fim e o que ama o perigo nele cairá. O coração obstinado acumula sofrimentos, o pecador acrescenta pecado a pecado. Para a desgraça do orgulhoso não existe remédio, porque a árvore da perversidade enraizou-se nele.

§574 Não confies em tuas riquezas e não digas: “Sou autossuficiente.” Não deixes teu desejo e tua força te arrastarem indo atrás das paixões do coração.

§575 A sabedoria merece bem seu nome, ela não é acessível a grande número. Coloca-te na sua pista e procura-a, ela se dará a conhecer a ti; possuindo-a, não a deixes mais. No fim, encontrará nela o repouso e ela se transformará, para ti, em alegria.

§576 Os grilhões da sabedoria serão para ti possante proteção; seu jugo, enfeite precioso. Seu jugo será ornamento de ouro; seus grilhões, fitas de púrpura. Tu a vestirás qual manto de glória, tu a cingirás qual diadema de alegria.

§577 Não peças ao Senhor poder algum, nem ao rei lugar de honra. Não pretendas passar por justo diante do Senhor, nem por sábio diante do rei.

§578 O princípio do orgulho humano é abandonar o Senhor e ter o coração longe do Criador. O princípio do orgulho é o pecado e o que o possui difunde abominação. Por isso o Senhor tornou brilhante sua miséria e o reduziu a nada.

§579 O Senhor derruba o trono dos poderosos e assenta os mansos em seus lugares. O Senhor arranca a raiz dos orgulhosos e planta os humildes em seu lugar. O Senhor destrói o território das nações e aniquila-as até o subsolo. Ele as extirpa, as aniquila, e elimina sua lembrança.

§580 O orgulho não foi feito para o homem, nem o furor para os nascidos de mulher.

§581 Pequena é a abelha entre os alados, mas o seu produto é o primeiro em doçura. Não te envaideças com as vestes que usas e não te orgulhes quando te honram: pois as obras do Senhor são admiráveis, mas aos homens elas são ocultas.

§582 Não te exaltes por assunto que não te diz respeito e não te intrometas nas querelas dos pecadores.

§583 Não sejam muitos os teus afazeres; se os multiplicares, não ficarás impune; mesmo se correres, não alcançarás e não poderás escapar pela fuga. Há quem trabalha, cansa-se e se apressa, e está cada vez mais para trás.

§584 Quem toca no piche se suja; o que convive com o orgulhoso ficará como ele. Não te sobrecarregues com fardo pesado demais, não convivas com alguém mais forte e mais rico do que tu. Que tem em comum a panela de barro com a panela de ferro? Esta esbarrará naquela e se quebrará.

§585 O rico comete uma injustiça e ainda se mostra altivo; o pobre é injustiçado e ainda se desculpa. Se és útil para o rico, servir-se-á de ti; se não tiveres mais recursos, abandonar-te-á.

§586 Para o orgulhoso a humildade é humilhação; assim, para o rico, o pobre é detestável.

§587 Quando um rico dá um passo em falso, seus amigos o sustentam; porém, quando o pobre cai, seus amigos o rejeitam. Quando o rico tropeça, muitos o recebem em seus braços, e se diz tolices o aprovam. Quando o pobre vacila, censuram-no.

§588 O pobre diz coisas sábias e não há lugar para ele. Quando o rico fala, todos se calam e elevam até às nuvens a sua palavra. Quando o pobre fala, dizem: “Quem é esse?”, e se tropeça fazem-no cair.

§589 Não digas: “É o Senhor que me faz pecar”, porque ele não faz aquilo que odeia. Não digas: “É ele que me faz errar”, porque ele não tem necessidade de homem pecador. O Senhor odeia toda espécie de abominação e nenhuma é amável para os que o temem.

§590 Desde o princípio ele criou o homem e o deixou nas mãos de sua própria decisão. Se quiseres, observarás os mandamentos para permanecer fiel ao seu prazer.

§591 Ele colocou diante de ti o fogo e a água; para o que quiseres estenderás tua mão. Diante dos homens está a vida e a morte, ser-te-á dado o que preferires. É grande, pois, a sabedoria do Senhor, ele é todo-poderoso e vê tudo. Seus olhos vêem os que o temem.

§592 Não diga: “No meio do povo não serei reconhecido, quem sou eu na imensa criação?” Vê: o mais alto dos céus, o abismo e a terra, quando de sua visita, tremerão. O universo foi produzido e existe por sua vontade. Os fundamentos da terra, quando ele os olha, abalam-se de pavor.

§593 Aquele que vive eternamente criou todas as coisas juntas. Só o Senhor será proclamado justo, e não existem outros além dele.

§594 Ele governa o mundo com a palma de sua mão, e tudo obedece à sua vontade, pois ele, o rei do universo, por seu poder, nele separa as coisas sagradas das profanas.

§595 A ninguém foi dado o poder de anunciar suas obras, e quem investigará as suas grandezas? Quem poderá medir a potência de sua majestade, e quem poderá detalhar suas misericórdias?

§596 Não há nada a tirar nem a acrescentar, e ninguém é capaz de investigar as maravilhas do Senhor. Quando o homem acabou, então é que começa, e quando pára, fica perplexo.

§597 Que é o homem? Para que é útil? Qual é seu bem e qual é seu mal? A duração da sua vida: cem anos quando muito. Ninguém pode prever a hora do último sono para cada um.

§598 Como uma gota do mar, um grão de areia, assim são os poucos anos de vida do homem perante um dia da eternidade. Por isso o Senhor os trata com paciência e sobre eles derrama a sua misericórdia. Vê e reconhece como é miserável o seu fim, e por isso multiplica o perdão.

§599 A misericórdia do homem é para com o seu próximo, mas a do Senhor é para com toda carne: admoesta, corrige, ensina, reconduz, como o pastor, o seu rebanho. Ele tem piedade dos que recebem a disciplina e se apressam a procurar seus julgamentos.

§600 Mais vale a confiança no único Mestre do que ligar-se com coração morto a um morto.

§601 O temor do Senhor é princípio de sua acolhida e a sabedoria ganha sua afeição. O conhecimento dos mandamentos do Senhor é a disciplina de vida; os que fazem o que lhe agrada colherão frutos da árvore da imortalidade.

§602 Toda sabedoria é temor do Senhor, em toda sabedoria há cumprimento da Lei, e reconhecimento de sua onipotência.

§603 O conhecimento do mal não é sabedoria, nem é prudência o conselho dos pecadores. Há uma astúcia que é abominação; é insensato aquele a quem falta a sabedoria. É melhor ser pouco inteligente com temor do que rico em prudência, mas transgressor da lei.

§604 Há uma astúcia hábil a serviço da injustiça, e para demonstrar a sua sentença usa de esperteza, mas é sábio quem pratica o direito com justiça.

§605 Quem fala muito se torna detestável, e aquele que se arroga autoridade será odiado.

§606 Há quem é preservado de pecar devido à pobreza, e no seu repouso não há remorso.

§607 Há quem se perde por respeito humano, perde-se por causa de um insensato.

§608 A ciência do sábio é abundante como um dilúvio e seu conselho é como fonte viva. O coração do insensato é como vaso rachado, não retém saber algum.

§609 Se o inteligente ouve uma palavra sábia, aprecia-a e acrescenta-lhe algo de seu; o folgazão, ouvindo-a, despreza-a e joga para trás das costas.

§610 Na boca dos estultos está seu coração, mas o coração do sábio é sua boca.

§611 Ensinar ao estulto é como colar cacos, é acordar alguém que dorme profundamente. Explicar a um estulto é como explicar a um sonolento, no fim ele dirá: “O que foi?”

§612 Chora por um morto porque perdeu a luz, chora por um estulto porque perdeu a inteligência. Chora mais docemente por um morto, pois repousa; porém, a vida do estulto é pior do que a morte. O luto pelo morto dura sete dias; pelo estulto e pelo ímpio, todos os dias de sua vida.

§613 Com o insensato não multipliques palavras, não caminhe em direção a um estulto; insensível, ele te cobrirá de desprezo. Guarda-te dele para não teres aborrecimento e para não te sujares com seu contato. Evita-o e encontrará repouso e não te desencorajes com a sua loucura.

§614 O que é mais pesado que o chumbo? Que outro nome dar-lhe senão o de insensato? Areia, sal, uma bola de ferro são mais fáceis de transportar do que o homem estulto.

§615 Cascalho no alto da parede não resiste ao vento; assim, o coração tímido, por causa de seus pensamentos tolos, não resiste ao temor.

§616 Os olhos do Senhor são infinitamente mais luminosos do que o sol, vêem todos os caminhos dos homens e penetram os lugares mais secretos. Antes de serem criadas, ele já conhecia todas as coisas, e depois de acabadas também as conhece.

§617 Não cesseis de ser fortes no Senhor, ligai-vos a ele para que ele vos consolide. O Senhor todo-poderoso é o único Deus e não há outro salvador além dele.

§618 O primeiro não acabou de conhecer a sabedoria, nem mesmo o último a explorou completamente. Pois os pensamentos de Deus são mais vastos que o mar e seus desígnios são maiores que o abismo.

§619 Minha alma detesta três tipos de pessoa; irrito-me profundamente com o seu viver: o pobre orgulhoso, o rico mentiroso, e o ancião adúltero e estulto.

§620 Como é grande o que encontrou a sabedoria, mas ninguém ultrapassa o que teme ao Senhor. O temor do Senhor excede tudo. A quem será comparado aquele que o possui? É temendo o Senhor que se começa a amá-lo e pela confiança se começa a ligar-se a ele.

§621 Dificilmente o negociante afasta-se da culpa, e o comerciante não está isento do pecado. Muitos pecam por amor ao lucro, quem procura enriquecer mostra-se implacável. Entre a venda e a compra entra o pecado. Quem não se apodera do temor rapidamente terá sua casa destruída.

§622 Se perseguires a justiça, tu a encontrarás e te vestirás dela como de veste de glória. Os passarinhos pousam junto de seus semelhantes, e a verdade voltará para aqueles que a praticam. O leão está à espreita da presa: assim está o pecado para aqueles que praticam injustiça.

§623 A exposição do homem piedoso é sempre sábia; o insensato, porém, muda como a lua. Para ires ter com o insensato, espera a ocasião, mas junto às pessoas ponderadas sê assíduo. A exposição dos estultos é um horror, seu riso é orgia pecaminosa.

§624 O rancor e a cólera são abomináveis, o pecador os possui. Aquele que se vinga encontrará a vingança do Senhor, que pedirá minuciosa conta de seus pecados. Perdoa ao teu próximo seus erros, e então, ao rezares, ser-te-ão perdoados os teus pecados.

§625 Um homem guarda rancor contra outro: do Senhor ele pedirá cura? Para com o seu semelhante não tem misericórdia, e pede o perdão de seus pecados? Ele, que é só carne, guarda rancor: quem lhe obterá o perdão dos seus pecados?

§626 Lembra-te do fim e deixa o ódio, lembra da corrupção e da morte, e observa os mandamentos. Lembra-te dos mandamentos e não tenhas ressentimento do próximo; lembra da Aliança do Altíssimo, e não consideres a ofensa.

§627 Fica longe das discussões e evitarás o pecado, porque o homem colérico atiça a discussão. O homem pecador perturba os amigos, entre os que vivem em paz lança a desavença. O fogo eleva a chama conforme o combustível, a discussão aumenta conforme a teimosia.

§628 Uma luta repentina acende o fogo, uma discussão precipitada derrama sangue. Se soprares uma fagulha, ela se acenderá; se cuspires nela, ela se apagará; tanto uma coisa quanto a outra saem de tua boca.

§629 Não te deixes dominar pela tristeza e nem te aflijas com teus pensamentos. A alegria do coração é a vida do homem, a alegria do homem aumenta seus dias. Ilude tuas inquietações, consola teu coração, afasta para longe a tristeza: ela matou a muitos e nela não há utilidade.

§630 Inveja e cólera abreviam os dias, a preocupação traz a velhice antes da hora. Ao coração generoso, bom apetite: ele cuida do que come.

§631 Quem ama o ouro não escapa do pecado, quem persegue o lucro ilude-se. Muitas foram as vítimas do ouro, e sua ruína era inevitável. Pois é laço para os que lhe sacrificam, e todos os insensatos nele caem. Feliz o rico que foi encontrado irrepreensível e que não correu atrás.

§632 Quem sofreu tal prova e se revelou perfeito? Isto será para ele motivo de glória. Quem podia pecar e não pecou, fazer o mal e não o fez? Seus bens serão consolidados e a assembléia publicará seus benefícios.

§633 As esperanças vãs e mentirosas são para o homem insensato, os sonhos dão asas aos estultos. Pegar sombras e perseguir vento, assim é quem atende a sonhos.

§634 Espelho e sonhos são coisas semelhantes; diante de um rosto aparece uma imagem. Do impuro que se pode tirar de puro? Da mentira que verdade se pode tirar? Adivinhações, augúrios, sonhos são coisas vãs, são como o devaneio de uma mulher grávida.

§635 Os sonhos extraviaram a muitos, os que nele esperavam caíram. É sem mentira que se cumprirá a Lei e a sabedoria é perfeita na boca do fiel.

§636 Os olhos do Senhor estão fixos sobre aqueles que o amam, possante proteção, sustentáculo cheio de força, abrigo do vento do deserto, sombra do calor do meio-dia, proteção dos obstáculos, socorro das quedas. Ele eleva a alma, ilumina os olhos, dando saúde, vida e bênção.

§637 Como quem imola o filho na presença dos pais, assim é quem oferece um sacrifício com bens dos pobres. Escasso alimento é o sustento do pobre, quem dele o priva é homem sanguinário. Mata o próximo o que lhe tira o sustento, derrama sangue o que priva do salário o diarista.

§638 Observar a lei é multiplicar as oferendas, cumprir os mandamentos é oferecer sacrifícios de comunhão. Mostrar-se generoso é fazer oblação de flor de farinha, dar esmola é oferecer sacrifício de louvor. Glorifica o Senhor com generosidade, não regateies as tuas primícias.

§639 O que agrada ao Senhor é afastar-se do mal, o afastar-se da injustiça é sacrifício expiatório.

§640 Não tentes corrompê-lo com presentes, porque ele não os receberá, não te apóies em sacrifício injusto. Pois o Senhor é juiz que não faz acepção de pessoas.

§641 A sabedoria se adquire em horas de lazer, e quem está livre de afazeres se torna sábio. Como se tornará sábio o que maneja o arado, aquele cuja glória consiste em brandir o aguilhão, o que guia bois e o que não abandona o trabalho e cuja conversa é só sobre gado?

§642 Sob sua ordem tudo o que deseja é realizado e não há quem limite seu gesto de salvação. Diante dele estão todas as obras dos homens, nada estará oculto a seus olhos.

§643 Vê de eternidade em eternidade, nada é extraordinário para ele. Não é preciso dizer: “O que é isto? Por que aquilo?” Porque tudo foi criado para uma destinação.

§644 Toda corrupção e injustiça desaparecerão, mas a fidelidade permanece para sempre.

§645 O vinho e a arte alegram o coração; melhor do que ambos, porém, é o amor da sabedoria.

§646 Riqueza e força engrandecem o coração; melhor do que ambas é o temor do Senhor. No temor do Senhor nada falta, com ele não é preciso buscar outra ajuda. O temor do Senhor é como paraíso de bênçãos, melhor do que qualquer glória ele protege.

§647 Os Santos do Senhor não são capazes de contar todas as suas maravilhas, o que o Senhor todo-poderoso estabeleceu firmemente para que tudo subsista em sua glória.

§648 Ele sondou as profundezas do abismo e do coração humano, penetrou seus segredos. Porque o Altíssimo possui toda ciência e vê o sinal dos tempos. É ele que anuncia o passado e o futuro e revela o fundo dos segredos. Nenhum pensamento lhe escapa e nenhuma palavra é escondida.

§649 Dispõe em ordem as maravilhas de sua sabedoria, porque ele existe desde a eternidade para sempre, sem que nada lhe seja acrescentado ou tirado, e não necessita do conselho de ninguém. Quão desejáveis são as suas obras! O que delas se vê é como uma centelha!

§650 Tudo vive e permanece para sempre, e em todas as circunstâncias tudo lhe obedece. Todas as coisas formam dupla, uma diante da outra, e ele não fez nada incompleto. Uma coisa consolida a excelência da outra: quem se fartará de contemplar sua glória?

§651 Ele é o todo. Onde encontrar força para o glorificar? Porque ele é grande, acima de todas as suas obras, Senhor temível e soberanamente grande, sua potência é admirável. Que vossos louvores exaltem o Senhor, conforme podeis, porque ele vos excede em tudo.

§652 Para o exaltar desdobrai vossas forças, não vos canseis, porque nunca chegareis ao fim. Quem o viu para que o possa descrever? Quem o pode glorificar como ele merece? Ainda há muitos mistérios muito maiores do que esses, pois não vimos senão um pouco de suas obras.

§653 Desde minha juventude procurei a sabedoria. O pouco que inclinei meu ouvido, a recebi e encontrei muita instrução. Graças a ela progredi, e glorificarei aquele que me deu a sabedoria.

§654 Porque decidi pôr a sabedoria em prática, e procurei ardentemente o bem, não serei confundido. Minha alma lutou para a possuir, observei atentamente a Lei, estendi minhas mãos para o céu e deplorei minhas faltas para com ela por ignorância.

§655 Desde o princípio apliquei meu coração à sabedoria, por isso não serei abandonado. Minhas entranhas se agitaram para a procurar, por isso fiz uma boa aquisição. O Senhor, em recompensa, me deu uma língua com a qual o cantarei.

§656 Colocai o vosso pescoço sob o jugo da sabedoria, recebam vossas almas a instrução, ela está perto, ao vosso alcance. Vede com os vossos olhos: como estou pouco cansado para conseguir tanto repouso.

LIVROS PROFÉTICOS (§657-974)

ISAÍAS (§657-797)

§657 Ouvi, ó céus, prestai atenção, ó terra, porque o Senhor está falando: Criei filhos e os fiz crescer, mas eles se rebelaram contra mim. O boi conhece o seu dono, e o jumento, a manjedoura do seu senhor, mas Israel é incapaz de conhecer, meu povo não é capaz de entender.

§658 Abandonaram o Senhor, desprezaram o Santo de Israel. Onde podereis ser feridos ainda, vós que perseverais na rebelião? A cabeça está contaminada, o coração está enfermo; desde a planta dos pés até a cabeça, não há lugar são. Tudo são contusões, machucaduras e chagas vivas.

§659 Diz o Senhor: Que me importam os vossos inúmeros sacrifícios? Estou farto de holocaustos de carneiros e da gordura de bezerros cevados; no sangue de touros, de cordeiros e de bodes não tenho prazer. Quando vindes à minha presença, quem vos pediu que pisásseis meus átrios?

§660 Basta-me de trazer oferendas vãs: elas são para mim incenso abominável. Lua nova, sábado e assembléia, não posso suportar falsidade e solenidade! Vossas luas novas e vossas festas, minha alma as detesta: elas são para mim um fardo; estou cansado de carregá-lo.

§661 Quando estendeis vossas mãos, desvio de vós meus olhos; ainda que multipliqueis a oração não vos ouvirei. Vossas mãos estão cheias de sangue: lavai-vos, purificai-vos! Tirai da minha vista vossas más ações! Cessai de praticar o mal, aprendei a fazer o bem! Buscai o direito!

§662 Ainda que vossos pecados sejam como escarlate, tornar-se-ão alvos como a neve; ainda que sejam vermelhos como carmesim, tornar-se-ão como a lã. Se quiserdes obedecer, comereis o fruto precioso da terra. Mas se vos recusardes e vos rebelardes, sereis devorados!

§663 Como se transformou em prostituta, a cidade fiel? Sião, onde prevalecia o direito, onde habitava a justiça, mas agora, povoada de assassinos. Teus príncipes são rebeldes, companheiros de ladrões; todos são ávidos por subornos e correm atrás de presentes.

§664 Eu me divertirei à custa de meus adversários; vingar-me-ei de meus inimigos. Voltarei minha mão contra ti, purificarei tuas escórias com potassa, removerei todas as tuas impurezas. Sião será redimida pelo direito, e os seus retornantes, pela justiça.

§665 O homem forte virá a ser como a estopa, e a sua obra será como centelha: ambos arderão juntos, e não haverá ninguém que os possa apagar.

§666 O olhar altivo do homem se abaixará, a altivez do varão será humilhada; naquele dia só o Senhor será exaltado. Porque haverá um dia do Senhor dos Exércitos contra tudo o que é orgulhoso e altivo, contra tudo o que se exalta, para que seja humilhado.

§667 O orgulho do homem será humilhado, a altivez dos varões se abaterá, e só o Senhor será exaltado naquele dia. Os ídolos desaparecerão inteiramente, refugiar-se-ão nas cavidades das rochas e nas cavernas da terra, diante do terror do Senhor e diante do esplendor da majestade.

§668 Desiste do homem, que tem seu fôlego no seu nariz! Com efeito, que pode ele valer?

§669 O Senhor levantou-se para acusar, está em pé para julgar os povos. O Senhor entra em julgamento contra os anciãos e os príncipes de seu povo: “Que direito tendes de esmagar o meu povo e moer a face dos pobres?”

§670 Ai dos que juntam casa a casa, que acrescentam campo a campo até que não haja mais espaço disponível, até serem eles os únicos moradores da terra. O Senhor dos Exércitos jurou aos meus ouvidos: certamente muitas casas serão reduzidas a ruína, não haverá quem nelas habite.

§671 Para os feitos do Senhor não têm um olhar sequer, eles não vêem a obra de suas mãos. Eis por que o meu povo foi exilado: por falta de conhecimento.

§672 O homem curvou-se, o varão humilhou-se; os olhos dos soberbos estão humilhados. O Senhor dos Exércitos é exaltado no julgamento e o Deus santo mostra sua santidade pela justiça. Os cordeiros pastarão em seus pastos, os cabritos comerão o resto.

§673 Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem mal, dos que transformam as trevas em luz e a luz em trevas, dos que mudam o amargo em doce e o doce em amargo! Ai dos que são sábios a seus próprios olhos e inteligentes na sua própria opinião!

§674 Vi o Senhor sentado sobre um trono alto e elevado. A cauda da sua veste enchia o santuário. Acima dele, em pé, estavam serafins, cada um com seis asas. Eles clamavam uns para os outros e diziam: “Santo, santo, santo é o Senhor dos Exércitos, a sua glória enche toda a terra.”

§675 Ai de mim, estou perdido! Com efeito, sou homem de lábios impuros, e vivo no meio de um povo de lábios impuros. E meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos. Nisto um dos serafins vôou para junto de mim e disse: “Tua iniquidade está removida, teu pecado está perdoado”.

§676 Podeis ouvir, mas não entendereis; podeis ver, mas não compreendereis. Embota o coração deste povo, torna-lhe pesados os ouvidos, tapa-lhe os olhos, para que não veja com os olhos, não ouça com os ouvidos, seu coração não compreenda, não se converta e não seja curado.

§677 Por mais que vos prepareis para a luta, haveis de ficar apavorados. Por mais planos que façais, eles serão frustrados, por mais que pronuncieis a vossa decisão, ela não se manterá. Porque Deus está conosco.

§678 Não chamareis conspiração tudo o que este povo chama conspiração; não participareis do seu medo nem vos aterrorizareis. Ao Senhor dos Exércitos é que deveis proclamar santo; é ele que deverá ser objeto do vosso temor e do vosso terror.

§679 O Senhor será santuário, pedra de tropeço e rocha de escândalo para ambas as casas de Israel, armadilha e laço para os habitantes de Jerusalém.

§680 Disse o Senhor: “Conserva fechado o testemunho, sela a instrução entre os meus discípulos.” Aguardo o Senhor, que esconde a sua face da casa de Jacó, nele ponho a minha esperança.

§681 Quando o Senhor concluir toda a sua obra no monte Sião, e em Jerusalém, ele dará ao rei da Assíria os castigos do fruto do seu coração arrogante e da soberba dos seus olhos altivos.

§682 Por acaso se gloria o machado contra aquele que o empunha? Por acaso exalta-se a serra contra aquele que a maneja? Como se o bastão pudesse erguer aquilo que não é madeira!

§683 Um ramo sairá do tronco de Jessé, um rebento brotará de suas raízes. Sobre ele repousará o espírito do Senhor, espírito de sabedoria e de inteligência, de conselho e de fortaleza, de conhecimento e de temor do Senhor: no temor do Senhor estará a sua inspiração.

§684 Ele não julgará segundo a aparência. Ele não dará sentença apenas por ouvir dizer. Antes, julgará os fracos com justiça, com equidade pronunciará sentença em favor dos pobres da terra. Ele ferirá a terra com o bastão da sua boca, e com o sopro dos lábios matará o ímpio.

§685 Ninguém fará o mal nem destruição nenhuma em todo o meu santo monte, porque a terra ficará cheia do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o fundo do mar.

§686 Louvo-te, ó Senhor, porque embora tivesses estado encolerizado contra mim, a tua ira cessou e agora me deste o teu consolo. Ei-lo, o Deus da minha salvação: sinto-me inteiramente confiante, de nada tenho medo, porque o Senhor é minha força e meu canto. Foi minha salvação.

§687 Eis o dia do Senhor, que vem implacável, e com ele o furor ardente da ira, reduzindo a terra à desolação e dela extirpando os pecadores. Com efeito, as estrelas do céu e Órion não darão a sua luz. O sol se escurecerá ao nascer, e a lua não dará a sua claridade.

§688 Punirei o mundo pela sua maldade e os ímpios pela sua iniquidade; porei fim à arrogância dos soberbos, humilharei a altivez dos tiranos. Farei estremecer os céus, a terra tremerá sobre suas bases, em virtude do furor do Senhor dos Exércitos, no dia que arder a sua ira.

§689 Como terminou o opressor? Como terminou a arrogância? O Senhor quebrou o bastão dos ímpios, a vara dos dominadores, daquele que feria os povos com furor, que feria com golpes intermináveis, que com ira dominava as nações, perseguindo-as sem que o pudessem deter.

§690 Sob o teu corpo os vermes formam um colchão, os bichos te cobrem como um cobertor. Como caíste do céu, ó estrela d’alva, filho da aurora! Como foste atirado à terra, vencedor das nações!

§691 Dizias no seu coração: “Subirei até o céu, acima das estrelas de Deus colocarei meu trono. Subirei acima das nuvens, tornar-me-ei semelhante ao Altíssimo”. E, contudo, foste precipitado ao Xeol, nas profundezas do abismo.

§692 Levantar-me-ei contra eles e extirparei da Babilônia o seu nome e o seu resto, a sua descendência e a sua posteridade. Farei dela morada de ouriços e brejo. Varrê-la-ei com a vassoura do extermínio.

§693 Foste o refúgio para o fraco, o refúgio para o indigente na sua angústia, o abrigo contra a chuva e a sombra contra o calor. Pois o sopro dos tiranos é como a chuva de inverno.

§694 Como o calor em terra árida, assim tu abates o tumulto dos estrangeiros: o calor se abranda sob a sombra das nuvens; assim o canto dos tiranos se cala.

§695 O Senhor prepara para todos os povos, sobre a montanha, um banquete de carnes gordas, um banquete de vinhos finos, de carnes suculentas, de vinhos depurados. Ele destruiu sobre esta montanha o véu que envolvia todos os povos e a cortina que se estendia sobre todas as nações.

§696 Ele fez desaparecer a morte para sempre. O Senhor enxuga as lágrimas de todos os rostos; ele removerá de toda a terra o opróbrio do seu povo, porque ele assim o disse. Nesse dia dirão: “Vede, este é o nosso Deus, nele esperávamos, certos de que nos salvaria. Este é o Senhor.”

§697 Ponde a confiança no Senhor para todo o sempre, porque o Senhor é rocha eterna. Ele abateu os habitantes das alturas, a cidade inacessível; ele fê-la vir abaixo, até o chão, fê-la lamber o pó. Ela será pisada aos pés: pisá-la-ão os pés dos pobres e os passos dos fracos.

§698 Teu nome e a lembrança de ti resumem todo o desejo de nossa alma. Minha alma suspira por ti de noite, sim, no meu íntimo, meu espírito te busca, pois quando teus julgamentos se manifestam na terra, os habitantes do mundo aprendem a justiça.

§699 Se o ímpio recebe graça, sem que aprenda a justiça, mesmo na terra da retidão ele pratica o mal, sem ver a majestade do Senhor. Senhor, tua mão está levantada, mas eles não a vêem! Eles verão o teu zêlo pelo teu povo e se confundirão; sim, um fogo preparado os consumirá.

§700 Senhor, tu nos asseguras a paz; na verdade, todas as nossas obras tu as realizas para nós. Ó Senhor, nosso Deus, ao teu lado tivemos outros senhores, mas, apegados a ti, só ao teu nome invocamos.

§701 Eis que porei em Sião uma pedra, uma pedra de granito, pedra angular e preciosa, uma pedra de alicerce bem firmada: aquele que nela puser a sua confiança não será abalado. Porei o direito como regra e a justiça como nível.

§702 Quanto ao refúgio da mentira, o granizo o levará e o seu esconderijo, as águas o submergirão. A vossa aliança com a morte será rompida, o vosso pacto com o Xeol não subsistirá.

§703 O Senhor se erguerá, inflamar-se-á, a fim de realizar a sua obra, a sua obra estranha, a fim de executar a sua tarefa insólita. Não continueis a zombar, para que não se reforcem as suas cadeias. Ouvi falar de destruição –e é coisa decidida– que atingirá toda a terra.

§704 Visto que este povo se chega junto a mim com palavras e me glorifica com os lábios, mas seu coração está longe de mim e a sua reverência para comigo não passa de mandamento humano, de coisa aprendida por rotina, o que me resta é continuar a assustar este povo com prodígios.

§705 Os que realizam suas obras nas trevas dizem: “Quem nos verá? Quem nos conhecerá?” Que perversão é a vossa! Tratar o oleiro como a argila! Ousará a obra dizer àquele que a fez: “Ele não me fez”, e um vaso a respeito do oleiro que o moldou: “Ele nada entende do ofício”?

§706 Naquele dia, os surdos ouvirão o que se lê, e os olhos dos cegos, livres da escuridão e das trevas, tornarão a ver. Os pobres terão maior alegria no Senhor, os indigentes da terra se regozijarão no Santo de Israel. Já não haverá mais tirano e o escarnecedor será destruído.

§707 Todos os que andam à espreita para fazer o mal serão extirpados: os que cobrem os homens de culpa com as suas palavras, que armam ciladas ao juiz junto à porta e, sem razão, privam do direito o justo.

§708 Jacó não mais ficará envergonhado, a sua face já não se cobrirá de palidez, porque, ao ver os filhos, obra das minhas mãos, no seu seio, ele santificará o meu nome. Os que estão com o espírito confuso terão entendimento e os murmuradores aceitarão a instrução.

§709 Ai dos filhos rebeldes. Eles fazem projetos, mas não vindos de mim! Eles formam alianças, mas não sugeridas pelo meu espírito, e acumulam pecado sobre pecado!

§710 Visto que rejeitastes esta palavra e pusestes a vossa confiança na fraude e na tortuosidade e vos estribais nelas, este comportamento perverso será para vós como brecha que forma saliência em um alto muro, cujo desmoronamento acontece de repente.

§711 Na conversão e na calma estava a vossa salvação, na tranquilidade e na confiança estava a vossa força, mas vós não o quisestes!

§712 O Senhor espera a hora de poder mostrar-vos a sua graça, ele se ergue para mostrar-vos a sua compaixão, porque o Senhor é Deus de justiça: bem-aventurado todo aquele que nele espera. Sim, povo de Sião, que habitas Jerusalém, certamente tu não tornarás a chorar.

§713 A luz da lua será igual à luz do sol, e a luz do sol será sete vezes mais forte, como a luz de sete dias reunidos, no dia em que o Senhor pensar a ferida do seu povo e curar a chaga resultante dos golpes que sofreu.

§714 O nome do Senhor vem de longe; ardente é sua ira, e grave é sua ameaça. Seus lábios transpiram indignação, sua língua é como fogo devorador. Seu sopro é como torrente transbordante, que chega até o pescoço, sacudindo as nações com sacudida fatal, impondo freio aos povos.

§715 O cântico se apoderará de vós como em noite de festa, e a alegria inundará vossos corações, como a de quem marcha ao som da flauta. O Senhor fará ouvir sua voz majestosa, ele fará sentir o peso do seu braço, no ardor de sua cólera acompanhada de um fogo devorador.

§716 Um Rei reinará de acordo com a justiça, seus príncipes governarão de acordo com o direito. Os olhos dos que vêem já não estarão vendados, os ouvidos dos que ouvem perceberão distintamente.

§717 O coração dos irrefletidos procurará adquirir o conhecimento, a língua dos gagos falará com desembaraço e com clareza. Já não se chamará nobre ao tolo, nem se dirá ilustre àquele que é trapaceiro.

§718 O fruto da justiça será a paz, e a obra da justiça consistirá na tranquilidade e na segurança para sempre. Meu povo habitará em moradas de paz, em mansões seguras e em lugares tranquilos.

§719 Ai de ti que destróis quando não foste destruído, que ages traiçoeiramente, quando não fostes traído! Quando tiveres acabado de devastar, será devastado; quando acabares tua traição, serás traído.

§720 Nisto estará a segurança dos teus dias: a sabedoria e o conhecimento são a riqueza capaz de salvar-te. O temor do Senhor, eis o teu tesouro.

§721 Agora me erguerei, diz o Senhor, agora me levantarei, agora serei exaltado. Concebeis feno e dais à luz palha; meu sopro, como o fogo, vos consumirá. Os povos serão como que calcinados; como espinhos cortados serão queimados no fogo.

§722 Quem pode ficar junto ao fogo devorador? Quem poderá manter-se junto aos braseiros eternos? Aquele que pratica a justiça e fala o que é reto, que despreza o ganho explorador, que se recusa a aceitar suborno, que fecha os olhos para não ver o mal, este habitará nas alturas.

§723 Os teus olhos contemplarão o Rei na sua beleza, e eles verão uma terra distante. O coração relembrará os sustos de outrora: “Onde está aquele que contava? Onde está aquele que pesava? Onde está aquele que somava as torres?” Não tornarás a ver o povo insolente.

§724 Tu preservaste a minha alma do abismo do nada. Lançaste atrás de ti todos os meus pecados. Não é o Xeol que te louva, nem a morte que te glorifica, pois já não esperam em tua fidelidade aqueles que descem à cova. Os vivos, só os vivos é que te louvam, como faço hoje.

§725 Seja entulhado todo vale, todo monte e toda colina sejam nivelados; transformem-se os lugares escarpados em planície, e as elevações, em largos vales. Então a glória do Senhor há de revelar-se e toda carne, de uma só vez, o verá, pois a boca do Senhor o afirmou.

§726 Toda carne é erva e toda a sua graça como a flor do campo. Seca a erva e murcha a flor, quando o vento do Senhor sopra sobre elas; seca a erva, murcha a flor, mas a palavra do nosso Deus subsiste para sempre.

§727 Eis aqui o Senhor: ele vem com poder, seu braço assegura a sua autoridade; eis com ele o seu salário, diante dele a sua recompensa. Como o pastor ele apascenta seu rebanho, com o braço reúne os cordeiros, carrega-os no regaço, conduz carinhosamente as ovelhas.

§728 Quem dirigiu o espírito do Senhor ou, como conselheiro, o instruiu? Com quem se aconselhou para que o fizesse compreender, para que o instruísse na vereda da justiça, para que lhe ensinasse o conhecimento, para que o fizesse conhecer o caminho do entendimento?

§729 Para ele as nações não passam de uma gota que cai do balde, são reputadas como o pó depositado nos pratos da balança. As ilhas pesam tanto quanto um grão de areia! Todas as nações são como um nada diante dele, não passam de coisa vã e nada. A quem comparar Deus?

§730 Não o sabeis? Não ouvistes dizer? Não vos foi anunciado desde o princípio? Não compreendestes a fundação da terra? Ele está entronizado sobre o círculo da terra, cujos habitantes são como gafanhotos; ele estende os céus como uma tela, abre-os como uma tenda.

§731 Ele reduz os príncipes a nada, e faz dos juízes da terra uma coisa vã. Mal foram plantados, mal foram semeados, mal o seu caule deita raízes, já o sopro de Deus cai sobre eles e eles secam; a tempestade os leva como palha.

§732 A quem me haveis de comparar? A quem me assemelharei? Pergunta o Santo. Elevai os olhos e vede: Quem criou os astros? Ele faz sair o seu exército em número certo e fixo; ele os chama pelo nome. Tal é seu vigor, tão grande a sua força, que nenhum deles deixa de apresentar-se.

§733 Não o sabes? Não ouviste dizer? O Senhor é Deus eterno, criador das extremidades da terra. Ele não se cansa nem se fatiga, sua inteligência é insondável. Ele dá força ao cansado, prodigaliza vigor ao enfraquecido.

§734 Mesmo os jovens se cansam e se esgotam; até os moços vivem a tropeçar, mas os que põem a sua esperança no Senhor renovam as suas forças, abrem asas como as águias, correm e não se esgotam, caminham e não se cansam.

§735 Quem o fez e cumpriu? Aquele que desde o princípio chamou à existência as gerações. Eu, o Senhor, sou o primeiro, e com os últimos ainda estarei.

§736 Tu, meu servo, a quem escolhi, meu amigo, a quem tomei desde os confins da terra, a quem chamei desde os seus recantos longínquos. Não temas, porque estou contigo, não te apavores, pois eu sou o teu Deus; eu te fortaleci, sim, te ajudei; te sustentei com destra justiceira.

§737 Serão envergonhados e humilhados todos os que se inflamam contra ti. Serão reduzidos a nada e perecerão, aqueles que querelavam contigo. Tu os procurarás e não os encontrarás, os que te combatiam; serão reduzidos a nada, serão aniquilados aqueles que te faziam guerra.

§738 Eu, o Senhor teu Deus, te tomei pela mão direita e te digo: “Não temas, sou eu que te ajudo.” Não temas, vermezinho de Jacó, e vós, pobres pessoas de Israel. Eu mesmo te ajudarei; o teu redentor é o Santo de Israel.

§739 Os pobres e os indigentes buscam água, e nada! Sua língua está seca de sede, mas eu, o Senhor, os atenderei, eu, o Deus de Israel, não os abandonarei.

§740 Vós ídolos são menos do que nada e a vossa obra é menos do que zero; escolher-vos é apenas uma abominação!

§741 Eis o meu servo que eu sustento, o meu eleito, em quem tenho prazer. Pus sobre ele o meu Espírito, ele trará o direito às nações. Ele não clamará, não levantará a voz, não fará ouvir a voz nas ruas; com fidelidade trará o direito.

§742 Eu, o Senhor, chamei a ti, o eleito, para o serviço da justiça, tomei-te pela mão e te modelei, eu te constituí como aliança do povo, como luz das nações, a fim de abrires os olhos dos cegos, a fim de soltares do cárcere os presos, e da prisão os que habitam nas trevas.

§743 Eu sou o Senhor, este é o meu nome! Não cederei a outro minha glória, nem a minha honra aos ídolos. As primeiras coisas já se realizaram, agora vos anuncio outras, novas; antes que elas surjam, eu vo-las anuncio.

§744 Diz o Senhor, que te criou, aquele que te modelou: Não temas, porque eu te resgatei, chamei-te pelo teu nome: tu és meu. Eu sou o Senhor, o teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador. És precioso aos meus olhos, és honrado e eu te amo. Não temas, estou contigo.

§745 Direi ao Norte: entrega-o! E ao Sul: Não o retenhas! Reconduze os meus filhos de longe e as minhas filhas dos confins da terra, todos os que são chamados pelo meu nome, os que criei para a minha glória, os que formei e fiz.

§746 As minhas testemunhas sois vós, vós sois o servo que escolhi, a fim de que saibais e creiais em mim e que possais compreender que EU SOU: antes de mim nenhum Deus foi formado e depois de mim não haverá nenhum. Eu, Eu sou o Senhor, e fora de mim não há nenhum Salvador.

§747 Fui eu que revelei, que salvei e falei, nenhum outro Deus houve jamais entre vós. Vós sois minhas testemunhas, eu sou Deus, desde toda a eternidade eu o sou; não há ninguém que possa livrar da minha mão; quando faço, quem poderá desfazer?

§748 Não fiqueis a lembrar coisas passadas, não vos preocupeis com acontecimentos antigos. Eis que farei uma coisa nova, ela já vem despontando: não a percebeis? O povo que formei para mim proclamará o meu louvor.

§749 Não me invocaste, porque te cansaste de mim. Não te obriguei a servir-me com oblações, nem te cansei com pedidos de oferendas; não me compraste por dinheiro, não me saciaste com teus sacrifícios. Com teus pecados fizestes de mim um escravo, cansaste-me com tuas iniquidades.

§750 Eu sou o que apaga tuas transgressões por amor de mim, e já não me lembro dos teus pecados. Aviva-me a memória, juntos entremos em processo; enumera as tuas razões, a fim de seres justificado. Já o teu primeiro pai pecou, e os teus porta-vozes se rebelaram contra mim.

§751 Eu sou o primeiro e o último, fora de mim não há Deus. Quem é como eu? Que clame, que anuncie, que o declare na minha presença; desde que estabeleci o povo eterno, diga ele o que se passa, e anuncie o que deve acontecer.

§752 Não vos apavoreis, não temais; não vo-lo dei a conhecer há muito tempo e não o anunciei? Vós sois minhas testemunhas. Porventura existe um Deus fora de mim? Não existe outra Rocha: eu não conheço nenhuma!

§753 Os que modelam ídolos nada são, as suas obras preciosas não lhes trazem nenhum proveito! Elas são as suas testemunhas, elas que nada vêem e que nada sabem, para a sua própria vergonha.

§754 Dissipei tuas transgressões como névoa, e teus pecados como nuvem; volta-te para mim, porque te redimi. Exultai ó céus, porque o Senhor o fez! Erguei altos gritos, ó profundezas da terra! Dai gritos de alegria, ó montes, porque o Senhor resgatou e se glorificou em Israel.

§755 Eu, o Senhor, é que tudo fiz, e sozinho estendi os céus e firmei a terra; com efeito, quem estava comigo? Sou eu que frustro os sinais dos áugures e faço delirar o espírito dos adivinhos, que confundo os sábios e converto sua ciência em loucura.

§756 Ai daquele que contende com o que o modelou, vaso entre vasos de terra! Por acaso dirá a argila àquele que o molda: “Que estás fazendo? A tua obra não tem mãos!”

§757 Ai daquele que diz a um pai: “Por que geras?” E a uma mulher: “Por que dás à luz?” Assim diz o Senhor: Pedem-me sinais a respeito dos meus filhos, querem dar-me ordens a respeito da obra de minhas mãos! Ora, fui eu que fiz a terra e criei o homem sobre ela!

§758 Tu és um Deus que se esconde, ó Deus de Israel, o salvador. Eles estão envergonhados e humilhados; estão sujeitos à humilhação os que fabricam ídolos. Mas Israel será salvo pelo Senhor, com salvação eterna: não sereis confundidos nem humilhados por todo o sempre.

§759 Eu sou o Senhor; não há nenhum outro. Não falei em segredo, em recanto obscuro da terra. Eu não disse à descendência de Jacó: Procurai-me no caos! Eu sou o Senhor que proclamo a justiça, que revelo o que é reto.

§760 Chegai-vos todos juntos, vós os que escapastes às nações! Não têm conhecimento os que carregam os seus ídolos, os que dirigem as suas súplicas a um deus que não pode salvar.

§761 Quem proclamou isto desde os tempos antigos? Quem o anunciou desde há muito tempo? Não fui eu, o Senhor? Não há outro Deus fora de mim, Deus justo e salvador não existe, a não ser eu. Voltai-vos para mim e sereis salvos, porque eu sou Deus e não há nenhum outro!

§762 Juro por mim mesmo, o que sai da minha boca é a verdade, uma palavra que não voltará atrás: Diante de mim se dobrará todo joelho, toda língua jurará por mim, dizendo: Só no Senhor há justiça e força. Virão assim, cobertos de vergonha, todos os que se irritaram contra mim.

§763 Até a vossa velhice continuo o mesmo, até vos cobrirdes de cãs continuo a carregar-vos: eu vos criei e vos conduzirei, eu vos carregarei e vos salvarei. A quem haveis de assemelhar-me?

§764 Caí em vós mesmos, vós, infiéis. Lembrai-vos das coisas passadas há muito tempo, porque eu sou Deus e não há outro! Sim, sou Deus e não há quem seja igual a mim.

§765 Desde o princípio anunciei o futuro, desde a antiguidade, aquilo que ainda não acontecera. Eu digo: o meu projeto será realizado, cumprirei aquilo que me dá prazer.

§766 Desde muito tempo os teus ouvidos não estavam atentos. Eu sabia que agias com muita perfídia e que desde o berço te chamavam rebelde. Mas por causa do meu nome retardo a minha ira, por causa da minha honra procuro conter-me, a fim de não exterminar.

§767 Vê que te comprei, mas não por dinheiro, escolhi-te quando estavas no cadinho da aflição. Por causa de mim mesmo, só de mim mesmo, é que agirei; com efeito, como haveria de ser profanado meu nome? Minha glória, não a darei a outro.

§768 Por acaso uma mulher se esquecerá da sua criancinha de peito? Não se compadecerá ela do filho do seu ventre? Ainda que as mulheres esquecessem eu não me esqueceria de ti. Eis que te gravei nas palmas da mão.

§769 Onde está a carta de divórcio de vossa mãe pela qual eu a repudiei? A qual dos meus credores vos vendi? Pelas vossas transgressões fostes vendidos; pelas vossas maldades vossa mãe foi repudiada. Por acaso minha mão é muito curta para resgatar? Não tenho força para libertar?

§770 Perto está aquele que defende a minha causa. Quem ousará mover ação contra mim? Compareçamos juntos! Quem é meu adversário? Ele que se apresente! É o Senhor que me socorrerá, quem será aquele que me condenaria?

§771 Eu, eu mesmo sou aquele que te consola; quem te julgas tu para teres medo do homem, que há de morrer, do filho do homem, cujo destino é o da erva? E te esqueces do Senhor, aquele que te criou, aquele que estendeu os céus e fundou a terra? Onde está a cólera do teu opressor?

§772 Era desprezado e abandonado pelos homens, homem sujeito à dor, familiarizado com o sofrimento, como pessoa de quem todos escondem o rosto; desprezado, não fazíamos caso nenhum dele. No entanto, eram nossos sofrimentos que ele levava sobre si, nossas dores que ele carregava.

§773 Nós o tínhamos como vítima do castigo, ferido por Deus e humilhado. Mas ele foi trespassado por causa das nossas transgressões, esmagado por causa das nossas iniquidades. O castigo que havia de trazer-nos a paz, caiu sobre ele, sim, por suas feridas fomos curados.

§774 Todos nós, como ovelhas, andávamos errantes, seguindo cada um o seu próprio caminho, mas o Senhor fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. Foi maltratado, mas livremente humilhou-se e não abriu a boca, como cordeiro conduzido ao matadouro.

§775 Ele oferece a sua vida como sacrifício expiatório, certamente verá uma descendência, prolongará seus dias, e por meio dele o desígnio de Deus triunfará. Após o trabalho fatigante da sua alma, verá a luz e se fartará.

§776 Pelo seu conhecimento, o justo, meu Servo, justificará a muitos e levará sobre si as suas transgressões.

§777 Entregou a si mesmo à morte e foi contado entre os criminosos, mas na verdade levou sobre si o pecado de muitos e pelos criminosos fez intercessão.

§778 Não tornarás a envergonhar-te; não te sintas humilhada, porque não serás confundida. Esquecerás a condição vergonhosa da tua mocidade, não tornarás a lembrar o opróbrio da tua viuvez, porque o teu esposo será teu criador, o Senhor dos Exércitos é seu nome.

§779 Como esposa abandonada e acabrunhada, o Senhor te chamou; como mulher da mocidade, que foi repudiada. Por pouco tempo te abandonei, mas agora com grande compaixão te unirei a mim. Em momento de cólera escondi o rosto, mas logo me compadeci de ti, levado por amor eterno.

§780 Os montes podem mudar de lugar e as colinas podem abalar-se, porém meu amor não mudará, minha aliança de paz não será abalada, assim diz o Senhor, que se compadece de ti.

§781 Procurai o Senhor enquanto ele se deixa encontrar, invocai-o enquanto está perto. Abandone o ímpio seu caminho, e o homem mau seus pensamentos, e volte ao Senhor, pois terá compaixão dele, volte ao nosso Deus, porque é rico em perdão.

§782 Meus pensamentos não são vossos pensamentos, e vossos caminhos não são meus caminhos. Quanto os céus estão acima da terra, tanto meus caminhos estão acima dos vossos caminhos, e meus pensamentos acima dos vossos pensamentos.

§783 Como a chuva e a neve descem do céu e para lá não voltam sem terem atingido a terra, tornando-a fecunda e fazendo-a germinar, tal ocorre com a palavra que sai da minha boca: ela não volta a mim sem efeito, sem ter cumprido o que eu quis, realizado o objetivo de sua missão.

§784 Eu habito em lugar alto e santo, mas estou junto com o humilhado e o desamparado, a fim de animar os espíritos desamparados, a fim de animar os corações humilhados.

§785 Não contenderei para sempre, nem estarei perpetuamente encolerizado, pois à minha presença enfraqueceria o espírito, a alma que criei.

§786 Fiquei irritado contra a sua cupidez criminosa, enquanto me escondia eu o feri, em minha irritação; e ele se foi, rebelde, segundo sua fantasia. Vi seu caminho e o curarei, conduzi-lo-ei, prodigalizar-lhe-ei consolação, a ele e seus enlutados.

§787 Por acaso não consiste nisto o jejum que escolhi: em romper os grilhões da iniquidade, em soltar as ataduras do jugo, pôr em liberdade os oprimidos e despedaçar todo o jugo?

§788 Se honrares o dia santo, abstendo-te de viagens, de correres atrás dos teus negócios, de fazeres planos, então te deleitarás no Senhor, e eu te farei levar em triunfo sobre as alturas da terra, eu te nutrirei com a herança de Jacó, teu pai, porque a boca do Senhor o disse.

§789 A mão do Senhor não é muito curta para salvar, nem seu ouvido tão duro que não possa ouvir. Antes, foram as vossas iniquidades que criaram um abismo entre vós e vosso Deus. Por causa dos vossos pecados ele escondeu de vós o seu rosto, para não vos ouvir.

§790 Todos põem a confiança em coisas vãs e pronunciam falsidade, concebem a fadiga e dão luz à iniquidade. Não conhecem o caminho da paz, não há julgamento reto nos seus trilhos; fazem para si sendas tortuosas, e todo aquele que por elas caminha não conhece a paz.

§791 O Senhor me ungiu, enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres, a curar os quebrantados de coração, e proclamar liberdade aos cativos, a libertação aos que estão presos, a proclamar um ano aceitável ao Senhor e um dia de vingança do nosso Deus, a fim de consolar os enlutados.

§792 Não te irrites, Senhor, excessivamente, não conserves para sempre a lembrança do pecado.

§793 Consenti em ser buscado por aqueles que não perguntavam por mim, consenti em ser encontrado por aqueles que não me procuravam. A uma nação que não invocava o meu nome eu disse: “Eis-me aqui!”

§794 Todos os dias estendi a mão a um povo rebelde, que andava por caminho que não era bom, correndo atrás de seus próprios pensamentos.

§795 Com efeito, criarei novos céus e nova terra; as coisas de outrora não serão lembradas, nem tornarão a vir ao coração. Alegrai-vos, pois, e regozijai-vos para sempre com aquilo que estou para criar: eis que farei de Jerusalém um júbilo e do meu povo uma alegria.

§796 O céu é meu trono, e a terra o escabelo de meus pés. Que casa haveis de fazer, que lugar, para o meu repouso? Tudo isto foi a minha mão que fez, tudo isto me pertence. Eis para quem estão voltados meus olhos: para aquele que treme diante da minha palavra.

§797 Ouvi a palavra do Senhor, vós que tendes reverência à sua palavra. Vossos irmãos, que vos odeiam, que vos repelem por causa do meu nome, dizem: “Manifeste o Senhor a sua glória e vejamos a vossa alegria.” Eles é que ficarão envergonhados! Uma voz, um rumor vem da cidade.

JEREMIAS (§798-875)

§798 Eu me lembro, em teu favor, do amor de tua juventude, do carinho do teu tempo de noivado, quando me seguias pelo deserto, em uma terra não cultivada.

§799 O que encontraram os vossos pais em mim de injusto, para que se afastassem de mim e corressem atrás do vazio, tornando-se eles mesmos vazios?

§800 Os depositários da Lei não me conheceram, os pastores rebelaram-se contra mim, os profetas profetizaram por Baal e, assim, correram atrás do que não vale nada. Por isso, novamente, entrarei em processo contra vós, contra os filhos de vossos filhos entrarei em processo.

§801 Acaso um povo troca de deuses? E esses não são deuses! Mas meu povo trocou a sua Glória pelo que não vale nada. Espantai-vos disso, ó céus, horrorizai-vos e abalai-vos profundamente. Eles me abandonaram, a mim, fonte de água viva, para cavar para si cisternas furadas.

§802 Que a tua maldade te castigue e as tuas infidelidades te punam! Compreende e vê como é mau e amargo abandonar o Senhor, teu Deus, e não me temer.

§803 Desde os tempos remotos quebraste o teu jugo, rompeste as tuas cadeias e dizias: “Não servirei”. Contudo, em toda colina elevada e sob toda árvore verde, te deitavas como uma prostituta.

§804 Eu te plantara como uma vinha excelente. Como te transformaste para mim em ramos degenerados de vinha bastarda? Ainda que te laves com salitre, a mancha de tua culpa permanecerá diante de mim. Como ousas dizer: “Não me profanei, não corri atrás dos ídolos?”

§805 Evita que teus pés fiquem desnudos e a tua garganta sedenta. Mas tu dizes: “É inútil! Não! Porque eu amo os estrangeiros e corro atrás deles.”

§806 Eles voltam para mim as costas e não a face, mas no tempo da desgraça gritam: “Levanta-te! Salva-nos!” Onde estão os deuses, que fabricaste para ti? Levantem-se eles, se te podem salvar no tempo da tua desgraça! Porque tão numerosos como as tuas cidades são os teus deuses!

§807 Por que pleiteais comigo? Vós todos vos rebelastes contra mim. Em vão feri os vossos filhos: eles não aceitaram a lição, e vossa espada devorou os vossos profetas, como um leão destruidor.

§808 Porque o meu povo diz: “Vagueamos, não voltaremos mais a ti”? Acaso se esquece a virgem de seus adornos, a noiva de seu cinto? Mas o meu povo se esqueceu de mim, por dias sem conta.

§809 Apesar de tudo, dizes: “Eu sou inocente, certamente a sua ira vai afastar-se de mim.” Eis que te julgarei, porque dizes: “Eu não pequei”. Quão pouco te custa mudar o teu caminho!

§810 Um grito foi ouvido sobre os montes: as lágrimas e as súplicas dos filhos de Israel; porque perverteram o seu caminho, esqueceram o Senhor, o seu Deus. Voltai, filhos rebeldes, e curar-vos-ei de vossas rebeliões!

§811 Eis que voltamos a ti, pois tu és o Senhor, nosso Deus. Na verdade, são mentirosas as colinas e o tumulto das montanhas. Na verdade, no Senhor nosso Deus está a salvação de Israel.

§812 Sim, meu povo é tolo, eles não me conhecem, são filhos insensatos, não têm inteligência; são sábios para o mal, mas não sabem fazer o bem!

§813 Tu os feriste: eles nada sentiram. Tu os consumiste: eles recusaram a lição. Tornaram a sua face mais dura do que a rocha, recusaram converter-se. Então eu pensava: “Pobre gente, eles agem tolamente porque não conhecem o caminho do Senhor, nem o direito de seu Deus.”

§814 Por que deveria eu perdoar-te? Teus filhos me abandonaram, jurando por deuses que não o são. Eu os saciei e eles se tornaram adúlteros e correm para a casa da prostituta.

§815 Realmente me traíram, Israel e Judá. Eles renegaram ao Senhor e disseram: “Ele não existe! Nenhum mal nos atingirá, não veremos nem espada nem fome!” Porque falastes esta palavra, eis que farei de minhas palavras fogo em tua boca e, desse povo, lenha que o fogo devorará.

§816 Coisa horrível e abominável aconteceu nesta terra: os profetas profetizam mentiras, e os sacerdotes procuram proveitos. E meu povo gosta disto! Mas que fareis quando chegar o fim?

§817 Desde o menor até o maior, todos são gananciosos; desde o profeta até o sacerdote, todos praticam a mentira. Eles cuidam da ferida do meu povo superficialmente, dizendo: “Paz! Paz!”, quando não há paz.

§818 Eis que farei vir a desgraça sobre este povo, fruto de suas cogitações, porque não atenderam às minhas palavras e desprezaram minha lei. Que me importa o incenso e a cana aromática? Vossos holocaustos não me agradam e vossos sacrifícios não me comprazem.

§819 São todos completamente rebeldes, semeadores de calúnias, duros como bronze e ferro, todos eles destruidores. O foleiro sopra, pelo fogo o chumbo é devorado, mas em vão trabalha o fundidor, as escórias não se desprendem. “Prata de refugo” se chamam, porque o Senhor os rejeitou!

§820 Vós vos fiais em palavras mentirosas que não podem salvar. Roubam, matam, adulteram, mentem, correm atrás de ídolos, e depois se apresentam a mim, neste Templo, e dizem: “Estamos salvos”, para continuar com as mesmas coisas! Este Templo será porventura um covil de ladrões?

§821 Visto que praticastes todos esses atos, visto que não escutastes quando eu vos falava com instância e sem me cansar, e não respondestes aos meus apelos, tratarei o Templo, onde meu Nome é invocado e em que pondes a vossa confiança, como tratei Silo.

§822 Fazem libações a deuses estrangeiros para me ofenderem. Mas será que é a mim que eles ofendem? Não será a eles mesmos, para a sua própria vergonha?

§823 Eu não disse e nem prescrevi nada a vossos pais, em relação ao holocausto e ao sacrifício. Mas eu lhes ordenei isto: Escutai a minha voz, e eu serei o vosso Deus e vós sereis o meu povo. Andai em todo caminho que eu vos ordeno para que vos suceda o bem.

§824 Não escutaram nem prestaram ouvido; andaram conforme os seus desígnios, na dureza de seu coração perverso, e deram as costas em vez da face.

§825 Enviei-vos todos os meus servos, os profetas; cada dia eu os enviei, incansavelmente. E eles não me escutaram, nem prestaram ouvidos, mas endureceram a sua cerviz e foram piores do que seus pais. Dirás estas palavras, mas não te escutarão. Os chamarás, e não responderão.

§826 Tirarão de seus sepulcros os ossos de seus príncipes. Eles os espalharão diante do sol, da lua e de todo o exército celeste, que amaram, serviram, seguiram e consultaram, e diante dos quais se prostraram. Não serão mais reunidos e sepultados. Serão esterco sobre a terra.

§827 Acaso eles caem sem se levantar? Se se desviam, não retornarão? Por que este povo é rebelde? Por que Jerusalém é, continuamente, rebelde? Firmaram-se na falsidade e recusam converter-se. Ninguém se arrepende de sua maldade e diz “O que fiz?”. Todos retornam ao seu caminho.

§828 Como podem dizer: “Nós somos sábios e a Lei do Senhor está conosco!”? Sim, eis que a transformou em mentira o cálamo do escriba! Os sábios serão envergonhados, ficarão perturbados e serão capturados. Eis que desprezaram a Palavra do Senhor! O que é a sabedoria para eles?

§829 Todos são adúlteros, uma quadrilha de traidores. Retesam as suas línguas como um arco; é a mentira e não a verdade que prevalece na terra. Porque avançam de crime em crime, mas a mim não conhecem! Que cada um se guarde de seu próximo, e não confieis em nenhum irmão.

§830 Todo irmão só quer suplantar, e todo próximo anda caluniando. Cada um zomba de seu próximo, não dizem a verdade, habituaram sua língua à mentira, cansam-se de agir mal. A tua habitação está no meio da falsidade! Por causa da falsidade recusam conhecer-me.

§831 O sábio não se glorie da sabedoria, o valente não se glorie da valentia, o rico não se glorie da riqueza! Quem queira gloriar-se, glorie-se disto: De ter a inteligência e me conhecer, porque eu sou o Senhor que pratico o amor, o direito e a justiça. É disto que eu gosto!

§832 Não aprendais o caminho das nações, não vos espanteis com os sinais do céu, ainda que as nações se espantem com eles. Sim, os costumes dos povos são vaidade, obra da mão de um artista.

§833 Eles todos são ignorantes e insensatos: o ensinamento das vaidades é vazio! Tudo obra de artistas, tudo obra de mestres. Mas o Senhor é o Deus verdadeiro, é o Deus vivo e o Rei eterno. Diante de sua ira a terra treme e as nações não podem suportar o seu furor.

§834 Todo homem se torna estúpido, sem compreender, todo artista se envergonha dos ídolos, porque o que ele criou é mentira, não há vida neles! São vaidade, obra ridícula; no tempo de seu castigo, desaparecerão.

§835 Os pastores foram estúpidos, não procuraram o Senhor. Por isso não tiveram sucesso, e todo o rebanho foi disperso.

§836 Não pertence ao homem o seu caminho, não é dado ao homem que caminha dirigir os seus passos! Corrige-me, Senhor, mas em justa medida, não em tua ira, para não me reduzir demais. Derrama teu furor sobre as nações que não te conhecem, e sobre as famílias que não te invocam.

§837 Que procura a minha amada em minha Casa? Ela realizou os seus planos perversos. Poderão os teus votos e a carne sagrada afastar de ti o teu mal, para que possas exultar?

§838 Podeis vós fazer o bem, vós que estais acostumados ao mal? Eu vos dispersarei como palha que voa ao vento do deserto. Esta é tua porção, a parte que te toca, que te dei, porque te esqueceste de mim e confiaste na mentira.

§839 Eu mesmo levanto tuas vestes até o teu rosto, para que tua vergonha seja vista. Oh! Os teus adultérios e os teus gritos de prazer, tua vergonhosa prostituição! Sobre as colinas e no campo eu vi os teus horrores. Ai de ti, Jerusalém, que não te purificas! Quanto tempo ainda?

§840 Eles gostam de correr para todos os lados, não poupam os seus pés! Mas o Senhor não se compraz deles; se lembrará de sua falta e castigará o seu pecado. Se jejuarem, não escutarei a sua súplica. Se oferecerem holocaustos e oblações, não terei complacência para com eles.

§841 Expulsa-os da minha presença, que eles saiam! Se te disserem “Para onde iremos?”, tu lhes dirás: Aquele que é da morte, para a morte! Aquele que é da espada, para a espada! Aquele que é da fome, para a fome! Aquele que é do cativeiro, para o cativeiro!

§842 Quem terá misericórdia de ti, Jerusalém? Quem mostrará compaixão? Quem voltará para perguntar como estás? Tu me rejeitaste, viraste-me as costas. Então estendi a minha mão e te destruí: Estou cansado de ter piedade!

§843 Na lentidão de tua ira, não me destruas. Reconhece que suporto humilhação por tua causa. Quando se apresentavam palavras tuas, as devorava: tuas palavras eram para mim contentamento e alegria de meu coração. Pois teu Nome era invocado sobre mim, Senhor dos Exércitos.

§844 Nunca me assentei em grupo de gente alegre para me divertir. Por causa de tua mão, me assentei sozinho, pois tu me encheste de cólera. Por que a minha dor é contínua, e minha ferida é incurável e se recusa a ser tratada?

§845 Se te convertes, eu te faço retornar e estarás diante de mim. Se separas o que é valioso do que é vil, tu serás como a minha boca.

§846 Para ti acorrem as nações das extremidades da terra. Elas dirão: Nossos pais não herdaram senão mentira, vazio que não serve para nada. Pode um homem fazer para si deuses? Eles não são deuses!

§847 Maldito o homem que confia no homem, que faz da carne a sua força, mas afasta seu coração do Senhor! Bendito o homem que se fia no Senhor, cuja confiança é o Senhor.

§848 O coração é falso como ninguém, é incorrigível: quem poderá conhecê-lo? Eu, o Senhor, perscruto o coração, sondo os rins, para retribuir ao homem conforme o seu caminho, conforme o fruto de suas obras.

§849 Tu me seduziste, Senhor, e eu me deixei seduzir; tu te tornaste forte demais para mim, tu me dominaste. Sirvo de escárnio todo o dia, todos zombam de mim. Porque a palavra do Senhor tornou-se para mim opróbrio e ludíbrio todo dia. Estou cansado de suportar, não aguento mais!

§850 Ai dos pastores que perdem e dispersam as ovelhas do meu rebanho. Vós dispersastes as minhas ovelhas, as expulsastes e não cuidastes delas. Eu mesmo reunirei o resto de minhas ovelhas de todas as trevas para as quais dispersaram e as farei retornar às suas pastagens.

§851 Eis que dias virão em que suscitarei a Davi um germe justo, um Rei reinará e agirá com inteligência e exercerá na terra o direito e a justiça. Em seus dias, Judá será salvo e Israel habitará em segurança. Este é o nome com que o chamarão: “O Senhor, nossa justiça”.

§852 Meu coração está quebrado dentro de mim, estremeceram todos os meus ossos. Sou como bêbado, como homem que o vinho dominou, por causa do Senhor e por causa de suas santas palavras.

§853 A terra está cheia de adúlteros; sim, por causa de uma maldição, a terra está de luto e as pastagens do deserto estão secas; o seu caminho é maldade, a sua força é a injustiça. Até mesmo o profeta e o sacerdote são ímpios, até mesmo em minha casa encontrei a maldade.

§854 Eis uma tempestade do Senhor, seu furor se desencadeia, uma tempestade esbraveja, irrompe sobre a cabeça dos ímpios; a ira do Senhor não se apartará até que execute, até que realize os desígnios de seu coração: no fim dos dias compreendereis isto claramente!

§855 Sou, por acaso, Deus apenas de perto e não Deus de longe? Pode alguém esconder-se de mim em lugares secretos sem que eu o veja? Não sou eu que encho o céu e a terra?

§856 Até quando haverá entre os profetas os que profetizam mentiras e os que profetizam embustes de seu coração? Eles que tentam fazer o meu povo esquecer o meu Nome, por meio de seus sonhos que contam uns aos outros, como seus pais esqueceram o meu nome!

§857 Seus filhos serão como outrora, sua assembléia será estável diante de mim, castigarei todos os seus opressores. Surgirá dela seu chefe, seu soberano sairá de seu meio. Fá-lo-ei aproximar-se de mim e ele se chegará a mim; com efeito, quem teria coragem de aproximar-se de mim?

§858 De longe o Senhor me apareceu: “Eu te amei com amor eterno, por isso conservei para ti o amor. Eu te construirei de novo e serás reconstruída, Virgem de Israel. De novo te enfeitarás, com os teus tamborins sairás em meio a danças alegres.”

§859 A virgem terá prazer na dança e, juntos, os jovens e os velhos; converterei o seu luto em alegria, consolá-los-ei, alegrá-los-ei depois dos sofrimentos. Alimentarei os sacerdotes com gordura e meu povo se saciará com meus bens.

§860 Me corrigiste, fui corrigido, como novilho indômito. Faze-me voltar e voltarei, porque tu és o Senhor, meu Deus! Depois de me afastar, me arrependi, depois que compreendi, bati no peito. Estava cheio de vergonha e enrubescia; trazia sobre mim o opróbrio de minha juventude!

§861 Será Efraim para mim filho tão querido, criança de tal forma preferida, que cada vez que falo nele quero ainda lembrar-me dele? É por isso que minhas entranhas se comovem por ele, que por ele transborda minha ternura.

§862 Volta, Virgem de Israel! Volta para estas tuas cidades! Até quando irás de cá para lá, filha rebelde? Porque o Senhor cria algo de novo na terra: a Mulher corteja seu Marido.

§863 Porei minha lei no fundo de seu ser e a escreverei em seu coração. Não terão mais que instruir seu próximo ou seu irmão, dizendo: “Conhecei ao Senhor!” Porque todos me conhecerão, dos menores aos maiores, porque perdoarei sua culpa e não me lembrarei mais de seu pecado.

§864 Eu lhes darei um coração único e um caminho único para que me temam. Selarei com eles uma aliança eterna, para qual eu não deixarei de segui-los para fazer-lhes o bem: colocarei o meu temor em seu coração, para que não se afastem mais de mim.

§865 Assim disse o Senhor, que fez a terra e lhe deu forma para consolidá-la: Invoca-me e eu te responderei, e te anunciarei coisas grandes e inacessíveis, que tu não conheces.

§866 Vou lhes trazer remédio e cura; vou curá-los e revelar-lhes as riquezas da paz e da fidelidade. Eu os purificarei de todas as suas faltas com que pecaram contra mim e se revoltaram contra mim.

§867 Eis que demolirei o que construí, e o que plantei arrancarei, e isto para toda a terra! E tu procuras para ti grandes coisas! Não procures! Porque eis que trarei a desgraça sobre toda a carne. Mas a ti concederei a vida em recompensa, em todos os lugares para onde fores.

§868 Tu não temas, meu servo Jacó, porque estou contigo: quando exterminar todas as nações nas quais te dispersei, não te exterminarei: eu te corrigirei conforme o direito, não te deixarei impune de lado.

§869 Ovelhas perdidas eram o meu povo. Seus pastores as fizeram errar, as montanhas as desorientaram, elas foram de montanha em colina, esqueceram o redil. Todos os que as encontravam as devoraram, seus inimigos diziam: “Não somos culpados, porque eles pecaram contra o Senhor”.

§870 Eis-me aqui contra ti, Arrogância, porque teu dia chegou, o tempo de teu castigo. Arrogância tropeçará e cairá, e ninguém a levantará; incendiarei as suas cidades, e o fogo devorará todos os seus arredores.

§871 Israel e Judá não são viúvas de seu Deus, o Senhor dos Exércitos, ainda que a sua terra esteja cheia de pecados contra o Santo de Israel.

§872 Fugi do meio da Babilônia; não pereçais por seu crime, porque é o tempo da vingança do Senhor, ele mesmo lhe dará a paga! Babilônia era taça de ouro na mão do Senhor: ela embriagava a terra inteira; de seu vinho bebiam as nações, por isso se tornaram loucas.

§873 Todo homem se torna estúpido, sem compreender. Todo artista se envergonhe de seus ídolos porque sua obra é mentirosa, não há nela sopro vital. Eles são vaidade, obra de zombaria, e no tempo de seu castigo eles desaparecerão.

§874 Que o vosso coração não desfaleça! Não temais pela notícia que se propala na terra: em um ano tal boato, e outro ano, tal outro; a violência triunfa sobre a terra e tirano sucede a tirano.

§875 Ainda que Babilônia suba até os céus, ainda que ela torne inacessível a altura de sua cidadela, ao meu comando virão a ela os devastadores.

LAMENTAÇÕES (§876-882)

§876 Teus profetas viram para ti vazio e aparência; não revelaram tua falta para mudar tua sorte, serviram-te oráculos de vazio e sedução.

§877 Os favores do Senhor não terminaram, suas compaixões não se esgotaram; elas se renovam todas as manhãs, grande é sua fidelidade! Eu digo: Minha porção é o Senhor! Eis porque nele espero.

§878 O Senhor é bom para quem nele confia, para aquele que o busca. É bom esperar em silêncio a salvação do Senhor. É bom para o homem suportar o jugo desde sua juventude.

§879 Que esteja solitário e silencioso quando o Senhor impuser peso; que ponha sua boca no pó: talvez haja esperança! Que dê sua face a quem o fere e se sacie de opróbrios.

§880 O Senhor não rejeita os humanos para sempre: se ele aflige, ele se compadece segundo sua grande bondade. Pois não é de bom grado que ele humilha e que aflige os filhos do homem!

§881 Quem fala, e as coisas acontecem? Não é o Senhor quem decide? Não é da boca do Altíssimo que saem os males e os bens? Por que se queixa o homem, o homem que ainda vive apesar de seus pecados? Examinemos nossos caminhos, exploremo-los e voltemos ao Senhor.

§882 Escravos dominam sobre nós, e ninguém nos liberta de sua mão!

BARUC (§883-893)

§883 Afaste-se de nós a tua ira, porque não somos mais do que um resto no meio das nações para onde nos dispersaste. Escuta, Senhor, a nossa prece e a nossa súplica: livra-nos por causa de ti mesmo, e faze-nos encontrar graça diante dos que nos exilaram.

§884 Não são os mortos, aqueles cujo espírito foi retirado de suas entranhas, que darão glória e justiça ao Senhor. Mas o ser vivo, embora cumulado de aflição, o que caminha curvado e enfraquecido, com olhar desfalecido e alma faminta, eis quem te dará glória e justiça, ó Senhor.

§885 Bem sei que não me escutarão, pois são um povo de dura cerviz. Mas na terra do seu exílio reentrarão em si mesmos, e reconhecerão que eu sou o Senhor seu Deus. Lhes darei um coração e um ouvido que ouçam. Se converterão do seu pescoço enrijecido e de suas ações perversas.

§886 É por isto que infundiste o teu temor em nossos corações: para que invocássemos o teu Nome. E nós te louvaremos, mesmo em nosso exílio, porque removeremos de nosso coração toda a injustiça de nossos pais, que pecaram contra ti.

§887 Escuta, Israel, os preceitos de vida. Por que, Israel, por que te encontras na terra dos teus inimigos, envelhecendo em terra estrangeira? Por que te contaminaste com os mortos, e te puseste no número dos que vão para o Xeol? É porque abandonaste a fonte da Sabedoria!

§888 Se estivesses no caminho de Deus, habitarias na paz para sempre. Aprende onde está a prudência, a força e a inteligência, para conheceres onde se encontra a vida, a luz dos olhos e a paz. Entretanto, quem é que descobriu seu paradeiro e quem penetrou em seus tesouros?

§889 Aquele que sabe todas as coisas conhece a Sabedoria, pois descobriu-a com a sua inteligência; aquele que preparou a terra para duração eterna e a encheu de animais; aquele que envia a luz e ela parte, que a chama de volta e ela, tremendo, obedece.

§890 Brilham em seus postos as estrelas, palpitantes de alegria: ele as chama e elas respondem: “Aqui estamos”, cintilando com alegria para aquele que as fez. Ele é o nosso Deus, e nenhum outro se contará ao lado dele.

§891 A Sabedoria é o livro dos preceitos de Deus, a Lei que subsiste para sempre: todos os que a ela se agarram destinam-se à vida, e os que a abandonarem perecerão. Volta-te, Jacó, para recebê-la; caminha para o esplendor, ao encontro de sua luz!

§892 Israel, não cedas a outrem a tua glória, nem a um povo estrangeiro os teus privilégios. Felizes somos nós, Israel, pois aquilo que agrada a Deus a nós foi revelado.

§893 Coragem, povo meu, memorial de Israel! Fostes vendidos às nações, mas não para vossa perdição. Por terdes excitado a ira de Deus fostes entregues a vossos adversários, pois havíeis exasperado a quem vos fez, sacrificando a demônios e não a Deus.

EZEQUIEL (§894-903)

§894 Toda a casa de Israel tem a fronte inflexível e o coração empedernido. Mas eu tornarei tua face tão inflexível como a deles e tua fronte tão inflexível como a deles. Farei a tua fronte semelhante ao diamante que é mais duro que a rocha.

§895 Eu lhes darei um só coração, porei no seu íntimo um espírito novo: removerei do seu corpo o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne, a fim de que andem de acordo com os meus estatutos e guardem as minhas normas. Então serão o meu povo e eu serei o seu Deus.

§896 Por terdes intimidado o coração do justo com mentiras, quando eu não o afligi, e ter fortalecido a mão do ímpio, para que ele não tivesse se voltado do seu mau caminho a fim de buscar a vida, por tudo isso libertarei o meu povo das vossas mãos e sabereis que eu sou o Senhor.

§897 Quanto ao ímpio, se ele se converter de todos os pecados que cometeu e passar a guardar os meus estatutos e a praticar o direito e a justiça, certamente viverá: ele não morrerá. Nenhum dos crimes que praticou será lembrado. Porventura tenho eu prazer na morte do ímpio?

§898 Abandonai as vossas transgressões. Não buscai pretexto para fazerdes o mal. Lançai fora todas as transgressões, formai um coração novo e um espírito novo. Por que haveis de morrer, ó casa de Israel? Eu não tenho prazer na morte de quem quer que seja. Convertei-vos e vivereis!

§899 Sabereis que eu sou o Senhor, quando agir em consideração ao meu nome e não de acordo com os vossos caminhos maus e as vossas ações perversas, ó casa de Israel.

§900 Nada continuará como era. O que é baixo será elevado e o que é elevado será abaixado. Ruína, ruína, ruína! Eis o que eu farei, como não existiu antes de vir aquele a quem pertence o julgamento e a quem eu o entregarei.

§901 Dizem que o agir do Senhor não está certo. Ao contrário, vosso agir não está certo. Ao desviar-se o justo da sua justiça e praticar o mal, ele morrerá por esta causa. Mas quando o ímpio se converter de sua impiedade, praticando o direito e a justiça, viverá por estas coisas.

§902 Ai dos pastores de Israel que apascentam a si mesmos! Eis-me contra os pastores. Das suas mãos requererei prestação de contas a respeito do rebanho e os impedirei de apascentá-lo. Livrarei minhas ovelhas da sua boca e não continuarão a servir-lhes de presa.

§903 Eu mesmo apascentarei o meu rebanho, eu mesmo lhe darei repouso. Buscarei a ovelha que estiver perdida, reconduzirei a que estiver desgarrada, pensarei a que estiver fraturada e restaurarei a que estiver abatida. A gorda e vigorosa, guardá-la-ei. Apascentarei com justiça.

DANIEL (§904-907)

§904 Bendito és tu, Senhor, tu és digno de louvor e o teu nome é glorificado eternamente. Porque és justo em tudo o que nos fizeste e todas as tuas obras são verdadeiras, retos os teus caminhos e verdade todos os teus julgamentos.

§905 Ergui os olhos para o céu. A razão voltou-me e eu bendisse ao Altíssimo, louvando e glorificando aquele que vive para sempre: seu domínio é domínio eterno e seu reino subsiste de geração em geração. Todos os habitantes da terra e o exército dos céus são contados como nada.

§906 Bebestes vinho e entoaste louvores aos falsos deuses; mas o Deus que detém teu respiro entre suas mãos e de quem dependem todos os teus caminhos, tu não o glorificaste! Deus mediu o teu reino e deu-lhe fim, foste pesado na balança e foste julgado deficiente.

§907 Inclina o teu ouvido, ó meu Deus, e escuta! Não é em razão de nossas obras justas que expomos diante de ti as nossas súplicas, mas em razão de tuas muitas misericórdias.

OSÉIAS (§908-924)

§908 Processai vossa mãe, processai. Porque ela não é minha esposa, e eu não sou seu esposo. Sua mãe se prostituiu, cobriu-se de vergonha aquela que os concebeu, quando dizia: Quero correr atrás de meus amantes, daqueles que me dão o meu pão e a minha água.

§909 Eu te desposarei a mim para sempre, eu te desposarei a mim na justiça e no direito, no amor e na ternura. Eu te desposarei a mim na fidelidade e conhecerás ao Senhor.

§910 O Senhor abrirá um processo contra os habitantes da terra, porque não há fidelidade nem amor, nem conhecimento de Deus na terra. Mas perjúrio e mentira, assassínio e roubo, adultério e violência, e o sangue derramado soma-se ao sangue derramado.

§911 É contigo, sacerdote, que estou em processo! Meu povo será destruído por falta de conhecimento. Porque rejeitaste o conhecimento, eu te rejeitarei do meu sacerdócio; porque esqueceste o ensinamento do teu Deus. Se alimentam dos pecados do meu povo e anseiam por sua falta.

§912 Retornemos ao Senhor. Ele despedaçou, ele nos curará; ele feriu, ele nos ligará a ferida. Depois de dois dias nos fará reviver, no terceiro dia nos levantará, e nós viveremos em sua presença. Conheçamos, corramos atrás do conhecer ao Senhor; certa como a aurora é sua vinda.

§913 Vosso amor é como nuvem de manhã, como orvalho que cedo desaparece. Por isso os feri por intermédio dos profetas, matei-os pelas palavras de minha boca, e meu julgamento surgirá como luz. Porque é amor que eu quero e não sacrifício, conhecimento de Deus mais que holocaustos.

§914 Ai deles, que fugiram de mim! Desolação para eles, que se rebelaram contra mim! Eu os queria libertar, mas eles proferem mentiras contra mim! Não clamam a mim em seus corações, quando se lamentam em seus leitos. Frequentam os ídolos, mas se rebelaram contra mim.

§915 Quando Efraim multiplicou os altares, eles só lhe serviram para pecar. Ainda que eu lhe escreva um grande número de minhas leis, elas são consideradas como algo estranho. Me oferecem sacrifício, mas o Senhor não o aceitará.

§916 Israel esqueceu aquele que o fez e construiu palácios. Judá multiplicou as cidades fortificadas. Mas eu mandarei fogo sobre suas cidades, o qual consumirá as suas cidadelas.

§917 Não te alegres, Israel: não exulte como os povos! Porque tu te prostituíste longe de teu Deus, amaste o salário de prostituta em todas as eiras de trigo.

§918 Semeai para vós segundo a justiça, colhei conforme o amor, arroteai um terreno novo: é tempo de procurar o Senhor, até que ele venha e faça chover a justiça sobre vós. Cultivastes a perversidade, colhestes a injustiça, comestes o fruto da mentira. Confiaste em tua força.

§919 Fui eu quem ensinei Efraim a caminhar, eu os tomei pelos braços, mas não reconheceram que eu cuidava deles! Com vínculos humanos eu os atraía, com laços de amor eu era para eles como os que levantam uma criancinha contra o seu rosto, e eu me inclinava para ele e o alimentava.

§920 Meu povo está obstinado em apostasia. Chamam, e ninguém se levanta! Como poderia te abandonar e entregar? Meu coração se contorce dentro de mim, minhas entranhas comovem-se. Não executarei o ardor de minha ira, porque eu sou Deus e não um homem, eu sou santo no meio de ti.

§921 Eu sou o Senhor teu Deus. Não deves reconhecer outro Deus além de mim, não há salvador que não seja eu. Eu os conheci no deserto, em uma terra árida. Estando na pastagem, se saciaram; uma vez saciados, seu coração se exaltou, e por isso se esqueceram de mim.

§922 Teu rei é tua destruição, pois só em mim está o teu auxílio. Onde está, pois, o teu rei para que te salve em todas as tuas cidades, e os teus juízes a quem dizias: “Dá-me um rei e um príncipe”? Eu te dou um rei em minha ira, e o retomo no meu furor.

§923 Perdoa toda culpa, aceita o que é bom. Em lugar de sacrifícios nós queremos oferecer nossos lábios. Não diremos mais “Nosso Deus!” às obras de nossas mãos, porque é em ti que o órfão encontra misericórdia.

§924 Que tenho a ver com os ídolos? Sou eu quem te responde e que olho por ti. Sou como um cipreste verdejante, é de mim que procede o teu fruto. Quem é sábio compreenda isto, quem é inteligente reconheça-o! Porque os caminhos do Senhor são retos e os justos caminharão neles.

JOEL (§925-927)

§925 Rasgai os vossos corações, e não as vossas roupas. Retornai ao Senhor, vosso Deus, porque ele é bom e misericordioso, lento para a ira e cheio de amor, e se compadece da desgraça.

§926 Comerei até fartar-vos, louvareis o nome do Senhor vosso Deus, que vos tratou de modo maravilhoso. E sabereis que eu estou no meio de ti, eu o Senhor, vosso Deus, e nenhum outro! Meu povo não se envergonhará nunca mais!

§927 O sol se transformará em trevas, a lua em sangue, antes que chegue o dia do Senhor, grande e terrível! Então, todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Porque no monte Sião e em Jerusalém haverá ilesos entre os sobreviventes que o Senhor chama.

AMÓS (§928-936)

§928 Suscitei de vossos filhos, profetas, e de vossos jovens, nazireus! Não foi realmente assim, israelitas? Mas vós fizestes os nazireus beber vinho e ordenastes aos profetas: “Não profetizeis!” Pois bem! Eu vos taxarei como é taxado um carro cheio de feixes!

§929 Multiplicai os pecados! Oferecei, pela manhã, os vossos sacrifícios, e ao terceiro dia, os vossos dízimos! Queimai sacrifício de louvor, proclamai vossas oferendas voluntárias, anunciai-as, porque é assim que gostais, israelitas. Prepara-te para o confronto com o teu Deus!

§930 Eles odeiam aquele que repreende à Porta e detestam aquele que fala com sinceridade. Por isso: porque oprimis o fraco e tomais dele um imposto. Construístes casas de cantaria, mas não as habitareis; plantastes vinhas esplêndidas, mas não bebereis o seu vinho.

§931 Conheço vossos inúmeros delitos e vossos enormes pecados! Eles hostilizam o justo, aceitam suborno, e repelem os indigentes à porta. Por isso o sábio se cala neste tempo, porque é tempo de desgraça.

§932 Eu odeio, eu desprezo as vossas festas e não gosto de vossas reuniões. Não me agradam as vossas oferendas e sacrifícios. Afasta de mim o ruído de teus cantos, eu não posso ouvir o som de tuas harpas! Que o direito corra como a água e a justiça como um rio caudaloso!

§933 Querem afastar o dia da desgraça, mas apressam o domínio da violência! Deitam em leitos de marfim, estendidos em divãs, comem cordeiros do rebanho, improvisam ao som da harpa, bebem jarros de vinho e se ungem com o melhor dos óleos, mas não se preocupam com a ruína de José.

§934 Eu detesto o orgulho de Jacó, odeio seus palácios. Entregarei a cidade, e o que nela se encontra. Correm, por acaso, cavalos sobre a rocha, ou ara-se o mar com bois? Vós, porém, transformastes o direito em veneno e o fruto da justiça em absinto!

§935 Ouvi isto, vós que esmagais o indigente e quereis eliminar os pobres da terra, vós que dizeis: “Quando passará a lua nova, para comprarmos o fraco com dinheiro e o indigente por um par de sandálias?” O Senhor jurou: Não esquecerei jamais nenhuma de suas ações.

§936 Eis que virão dias em que enviarei fome à terra, não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir a palavra do Senhor. Cambalearão de um mar a outro mar, errarão do norte até o levante, à procura da palavra do Senhor, mas não a encontrarão!

JONAS (§937-938)

§937 Desci até às raízes das montanhas, à terra cujos ferrolhos estavam atrás de mim para sempre. Mas tu fizeste subir da fossa a minha vida, Senhor, meu Deus. Quando a minha alma desfalecia em mim, eu me lembrei do Senhor, minha prece chegou a ti, até o teu santo Templo.

§938 Aqueles que veneram vaidades mentirosas abandonam o seu amor. Quanto a mim, com cantos de ação de graças, oferecer-te-ei sacrifícios e cumprirei os votos que tiver feito: ao Senhor pertence a salvação!

MIQUÉIAS (§939-948)

§939 Ouvi, vós que edificais Sião com o sangue e Jerusalém com injustiça! Seus chefes julgam por suborno, seus sacerdotes decidem por salário e seus profetas vaticinam por dinheiro.

§940 Cada qual se sentará debaixo de sua vinha e debaixo de sua figueira, e ninguém o inquietará, porque a boca do Senhor dos Exércitos falou! Todos os povos caminham, cada qual em nome do seu deus: nós, porém, caminhamos em nome do Senhor, nosso Deus, para sempre e eternamente!

§941 O resto de Jacó será, no meio de numerosos povos, com um orvalho vindo do Senhor, como gotas de chuva sobre a erva, que não espera no homem e não conta com o filho do homem.

§942 Foi-te anunciado, ó homem, o que é bom, e o que o Senhor exige de ti: nada mais do que praticar a justiça, amar a bondade e te sujeitares a caminhar com teu Deus!

§943 O fiel desapareceu, não há um justo entre as pessoas! Todos estão à espreita para o mal, eles cercam cada qual seu irmão com a rede. Suas mãos são para o mal; para fazer o bem, o príncipe exige, assim como o juiz, uma gratificação; o grande expressa sua própria cupidez.

§944 Não confieis no próximo, não ponha a vossa confiança em amigo; diante daquela que dorme em teu seio, guarda-te de abrir a tua boca. Porque o filho insulta o pai, a filha levanta-se contra sua mãe, a nora contra a sua sogra, e os inimigos do homem são as pessoas de sua casa.

§945 Não te alegres por minha causa, minha inimiga: se caí, levantar-me-ei; se habito nas trevas, o Senhor é a minha luz. Devo carregar a ira do Senhor, porque pequei contra ele, até que ele julgue a minha causa e restabeleça o meu direito.

§946 Ele me fará sair à luz, e eu contemplarei a sua justiça. Minha inimiga verá, e a vergonha a cobrirá, a ela que me dizia: “Onde está o Senhor, teu Deus?” Meus olhos a verão, quando for pisoteada como a lama das ruas.

§947 Que as nações vejam e se envergonhem, apesar de todo o seu poderio, que ponham a mão na boca, e seus ouvidos fiquem surdos. Que lambam o pó como a serpente, como os animais que rastejam sobre a terra. Eles sairão tremendo de seus abrigos para o Senhor, nosso Deus.

§948 Qual é o Deus como tu, que tira a falta, que perdoa o crime? Em favor do resto de sua herança, ele não exaspera sempre sua cólera, mas tem prazer em conceder graça. Mais uma vez terá piedade de nós, pisará aos pés nossas faltas, lançará ao fundo do mar nossos pecados.

NAUM (§949-951)

§949 O Senhor é Deus ciumento e vingador! Lento para a ira, mas grande em poder. A nada deixa impune. O Senhor é bom; ele é abrigo no dia da tribulação. Ele conhece aqueles que nele se refugiam.

§950 Que meditais sobre o Senhor? É ele que reduz ao nada; a opressão não se levanta duas vezes. Eu te humilhei, mas não te humilharei novamente. Agora eu quebrarei o seu jugo, que pesa sobre ti, e romperei as tuas cadeias.

§951 Por causa das inúmeras prostituições da prostituta formosa, hábil feiticeira, que subjugava as nações por sua devassidão, e os povos por suas feitiçarias, eis-me contra ti. Levantarei tua roupa até à face, mostrarei às nações a tua nudez e aos reinos tua ignomínia.

HABACUC (§952-954)

§952 Ele zomba dos reis, príncipes são para ele motivo de riso. Ele se ri de toda fortaleza: ele amontoa terra e a toma! Então o vento virou e passou… É culpado todo aquele cuja força é seu deus!

§953 Verdadeiramente a riqueza engana! O homem arrogante não permanecerá, ainda que escancare suas fauces como o Xeol e, como a morte, seja insaciável; ainda que reúna para si todas as nações e congregue a seu redor todos os povos! Não entoarão, todos eles, uma sátira contra ele?

§954 Esta é a cidade alegre que habitava em segurança, que dizia em seu coração: “Eu e mais ninguém!” Como se tornou desolação, um abrigo para animais selvagens? Quem passa por ela assobia, agita a mão.

SOFONIAS (§955-958)

§955 Naquele dia, não mais terás vergonha de todas as tuas más ações, pelas quais te revoltaste contra mim, porque então afastarei de teu seio teus orgulhosos fanfarrões; e não continuarás mais a te orgulhar em minha montanha santa.

§956 Deixarei em teu seio um povo humilde e pobre, e procurará refúgio no nome do Senhor o resto de Israel. Eles não praticarão mais a iniquidade, não dirão mentiras; não se encontrará em sua boca língua dolosa. Sim, eles apascentarão e repousarão sem que ninguém os inquiete.

§957 O Senhor revogou a tua sentença, eliminou teu inimigo. Não verás mais a desgraça. O Senhor, o Rei de Israel, está no meio de ti, um herói que salva! Ele exulta de alegria por tua causa, estremece em seu amor, ele se regozija por tua causa com gritos de alegria.

§958 Os aflitos longe da festa estavam longe de ti, eu os reúno, para que não carregues mais o opróbrio. Eis-me em ação contra todos os teus opressores. Naquele tempo, salvarei os coxos, reunirei os dispersos, atrairei para eles louvor e renome, quando realizar a sua restauração.

AGEU (§959)

§959 O meu espírito permanece no meio de vós, não temais! Ainda um pouco de tempo e eu abalarei o céu, a terra e o mar. Abalarei todas as nações, então afluirão todas as riquezas e eu encherei o Templo de glória! A mim pertence a prata! A mim pertence o ouro! Eu darei a paz.

ZACARIAS (§960-968)

§960 Quando jejuastes e gemestes foi acaso por mim que vós jejuastes? E quando comeis e bebeis não sois, acaso, vós que comeis e bebeis? Fazei um julgamento verdadeiro, praticai o amor e a misericórdia, cada um com o seu irmão. Não oprimais, não trameis o mal em vossos corações.

§961 Visto que chamei e eles não escutaram, assim eles chamarão e eu não ouvirei. Eu os dispersei por todas as nações que eles não conheciam; atrás deles a terra foi devastada de modo que ninguém passa ou volta. De uma terra de delícias eles fizeram um deserto!

§962 Eis que o teu Rei vem a ti: ele é justo e vitorioso, humilde, montado sobre um jumento, sobre um jumentinho, filho da jumenta. Ele anunciará a paz às nações. O seu domínio irá de mar a mar e do Rio às extremidades da terra.

§963 Apascenta as ovelhas destinadas ao matadouro, aquelas cujos compradores matam, sem serem castigados, e cujos vendedores dizem: “Bendito seja o Senhor, eu sou rico”, e cujos pastores não as poupam.

§964 Não pouparei mais os habitantes da terra. Eis que eu mesmo entregarei cada homem na mão de seu próximo e na mão de seu rei. Eles destroçarão a terra e eu não os livrarei de suas mãos.

§965 Não vos apascentarei mais. O que deve morrer que morra, o que deve desaparecer que desapareça, e os restantes que se devorem mutuamente.

§966 Os vendedores de ovelhas reconheceram a Palavra do Senhor. E eu lhes disse: “Se isto é bom aos vossos olhos, dai-me o meu salário; se não, deixai!” Eles pesaram o meu salário: trinta ciclos de prata. Lançai ao fundidor, esse preço esplêndido com que fui avaliado por eles!

§967 Naquele dia, o Senhor protegerá o habitante de Jerusalém; naquele dia, até o que tropeça entre eles será como Davi, a casa de Davi será como Deus, como o Anjo do Senhor diante deles.

§968 Derramarei sobre todo habitante de Jerusalém um espírito de graça e de súplica, e eles olharão para mim a respeito daquele que eles transpassaram, eles o lamentarão como se fosse a lamentação por um filho único; eles o chorarão como se chora sobre o primogênito.

MALAQUIAS (§969-974)

§969 Um filho honra seu pai, um servo teme o seu senhor. Mas se eu sou pai, onde está a minha honra? Se eu sou senhor, onde está o meu temor?

§970 Não tenho prazer algum em vós, sacerdotes que desprezai o meu Nome, e não me agrada a oferenda de vossas mãos. Do levantar ao pôr do sol, meu Nome será grande entre as nações. Porque meu Nome é grande entre os povos!

§971 Vós cansais ao Senhor com vossas palavras! Vós dizeis: “Em que o cansamos?” Quando dizeis: “Quem pratica o mal é bom aos olhos do Senhor, nestes ele se compraz!” Ou então: “Onde está o Deus da Justiça?”

§972 Vossas palavras a meu respeito são duras. Dissestes: “É inútil servir ao Senhor, e que lucro temos por ter observado os seus preceitos e andado de luto diante do Senhor? Agora, pois, vamos felicitar os arrogantes: aqueles que praticam a iniquidade prosperam e ficam ilesos!”

§973 Aqueles que me temem dizem um ao outro: “O Senhor prestou atenção e ouviu. Foi escrito diante dele um livro memorial em favor daqueles que temem ao Senhor e pensam em seu Nome.” Eles serão minha propriedade, no dia em que eu agir. Eu terei compaixão deles.

§974 Eis que vem o dia, que queima como um forno. Os arrogantes e os que praticam a iniquidade serão como palha; o dia que vem os queimará. Para vós que temeis o meu Nome, brilhará o sol da justiça, que tem a cura em seus raios. Vós saireis e saltareis como bezerro de engorda.

LIVROS MESSIÂNICOS (§975-1437)

MATEUS (§975-1076)

§975 Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira que está para vir? Produzi, então, fruto digno de arrependimento e não penseis que basta dizer: “Temos por pai a Abraão”. Pois eu vos digo que mesmo destas pedras Deus pode suscitar filhos a Abraão.

§976 O machado já está posto à raiz das árvores e toda árvore que não produzir bom fruto será cortada e lançada ao fogo. Eu vos batizo com água para o arrependimento, mas aquele que vem depois de mim é mais forte do que eu. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.

§977 Eu não sou digno nem ao menos de tirar-lhe as sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo. A pá está na sua mão: limpará sua eira e recolherá seu trigo no celeiro: mas, quanto à palha, a queimará num fogo inextinguível.

§978 Veio Jesus ao Jordão até João, a fim de ser batizado por ele. Mas João tentava dissuadi-lo, dizendo: “Eu é que tenho necessidade de ser batizado por ti e tu vens a mim?” Jesus, porém, respondeu-lhe: “Deixa estar por enquanto, pois assim nos convém cumprir toda a justiça”.

§979 Batizado, Jesus subiu imediatamente da água e logo os céus se abriram e ele viu o Espírito Santo de Deus descendo como uma pomba e vindo sobre ele. Ao mesmo tempo, uma voz vinda dos céus dizia: “Este é o meu Filho amado, em quem tenho prazer.”

§980 Aproximando-se o tentador, disse-lhe: “Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães”. Mas Jesus respondeu: “Está escrito: ‘Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus’.”

§981 O diabo o levou à Cidade Santa e o colocou sobre o pináculo do Templo e disse-lhe: “Se és Filho de Deus, atira-te para baixo, porque está escrito: ‘Ele dará ordem a seus anjos’.” Respondeu-lhe Jesus: “Também está escrito: ‘Não tentarás ao Senhor teu Deus’.”

§982 Tornou o diabo a levá-lo, agora para um monte muito alto. Mostrou-lhe todos os reinos do mundo e disse-lhe: “Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.” Aí Jesus lhe disse: “Vai-te, Satanás, porque está escrito: ‘Ao Senhor teu Deus adorarás e só a ele prestarás culto’.”

§983 Felizes os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus. Felizes os mansos, porque herdarão a terra. Felizes os aflitos, porque serão consolados. Felizes os que têm fome e sede da justiça, porque serão saciados.

§984 Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. Felizes os puros no coração, porque verão a Deus. Felizes os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. Felizes os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

§985 Felizes sois, quando vos injuriarem e vos perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por causa de mim. Alegrai-vos e regozijai-vos, porque será grande a vossa recompensa nos céus, pois foi assim que perseguiram os profetas, que vieram antes de vós.

§986 Vós sois o sal da terra. Ora, se o sal se tornar insosso, com que o salgaremos? Para nada mais serve, senão para ser lançado fora e pisado pelos homens.

§987 Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte. Nem se acende uma lâmpada e se coloca debaixo do alqueire, mas na luminária, e assim ela brilha para todos os que estão na casa. Brilhe do mesmo modo a vossa luz diante dos homens.

§988 Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas. Não vim revogá-los, mas dar-lhes pleno cumprimento, porque em verdade vos digo que, até que passem o céu e a terra, não será omitido nem uma só uma vírgula da Lei, sem que tudo seja realizado.

§989 Eu vos asseguro que se a vossa justiça não ultrapassar a dos escribas e a dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus.

§990 Caso o teu olho direito te leve a pecar, arranca-o e lança-o para longe de ti, pois é preferível que se perca um dos teus membros do que todo o teu corpo seja lançado na perdição.

§991 Eu vos digo: Não jureis em hipótese nenhuma, nem pelo Céu, porque é o trono de Deus, nem pela Terra, porque é o escabelo dos seus pés, nem por Jerusalém, porque é a Cidade do Rei, nem jures pela tua cabeça, porque tu não tens o poder de tornar um só cabelo branco ou preto.

§992 Seja o vosso “sim”, sim, e o vosso “não”, não. O que passa disso vem do Maligno.

§993 Não resistais o homem mau; antes, àquele que te fere na face direita, oferece-lhe também a esquerda; e àquele que quer pleitear contigo, para tomar-te a túnica, deixa-lhe também o manto; se alguém te obriga a andar uma milha, caminha com ele duas. Dá ao que te pede.

§994 Amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem, desse modo vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos Céus, porque ele faz nascer o sol igualmente sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos.

§995 Se amai só aos que vos amam, que recompensa tendes? Não fazem também os publicanos a mesma coisa? Não fazem também os gentios a mesma coisa? Portanto, deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito.

§996 Nas vossas orações, não useis de vãs repetições, como os gentios, porque imaginam que é pelo palavreado excessivo que serão ouvidos. Não sejais como eles, porque vosso Pai sabe do que tendes necessidade antes de lho pedirdes.

§997 Orai assim: “Pai nosso que estás nos céus, santificado seja o teu Nome, venha o teu Reino, seja feita a tua vontade, na terra como no céu. O pão de cada dia dá-nos hoje. Perdoa-nos as dívidas como perdoamos as nossas. E não nos submetas à tentação, mas livra-nos do Maligno.”

§998 Se perdoardes aos homens os seus delitos, também vosso Pai celeste vos perdoará; mas se não perdoardes aos homens, vosso Pai também não perdoará vossos delitos.

§999 Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e o caruncho os corroem e onde os ladrões arrombam e roubam, mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça, nem o caruncho corroem e onde os ladrões não arrombam nem roubam; pois onde está teu tesouro aí estará também teu coração.

§1000 A lâmpada do corpo é o olho. Portanto, se teu olho estiver são, todo teu corpo ficará iluminado; mas se teu olho estiver doente, todo teu corpo ficará escuro. Pois se a luz que há em ti são trevas, quão grandes serão as trevas!

§1001 Ninguém pode servir a dois senhores. Com efeito, ou odiará um e amará o outro, ou se apegará ao primeiro e desprezará o segundo. Não podeis servir a Deus e ao Dinheiro.

§1002 Não vos preocupeis com a vossa vida quanto ao que haveis de comer, nem com o vosso corpo quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento e o corpo mais do que a roupa? Quem, com suas preocupações, pode acrescentar um só dia à duração de sua vida?

§1003 Observai os lírios do campo, como crescem, e não trabalham nem fiam. Eu vos asseguro que nem Salomão, em toda sua glória, se vestiu como um deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que existe hoje e amanhã não mais, não fará ele muito mais por vós, fracos na fé?

§1004 Não andeis preocupados, dizendo “Que iremos comer? Ou beber? Ou vestir?”. São os gentios que estão à procura de tudo isso. Vosso Pai celeste sabe que precisam dessas coisas. Buscai, em primeiro lugar, seu Reino e sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas.

§1005 Não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã se preocupará consigo mesmo. A cada dia basta o seu mal.

§1006 Não julgueis para não serdes julgados. Pois com o julgamento com que julgais sereis julgados, e com a medida que medis sereis medidos.

§1007 Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o cisco do olho do teu irmão.

§1008 Não deis aos cães o que é sagrado, nem atirei as vossas pérolas aos porcos, para que não as pisem e, voltando-se contra vós, vos estraçalhem.

§1009 Pedi e vos será dado; buscai e achareis; batei e vos será aberto; pois todo o que pede recebe; o que busca acha e ao que bate se lhe abrirá.

§1010 Quem dentre vós dará uma pedra a seu filho, se este lhe pedir um pão? Ou lhe dará uma cobra, se este lhe pedir peixe? Ora, se vós que sois maus sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais vosso Pai que está nos céus dará coisas boas aos que lhe pedem!

§1011 Tudo aquilo que quereis que os homens vos façam, fazei-o vós a eles, pois esta é a Lei e os Profetas.

§1012 Entrai pela porta estreita, porque largo e espaçoso é o caminho que conduz à perdição. E muitos são os que entram por ele. Estreita, porém, é a porta e apertado o caminho que conduz à Vida. E poucos são os que o encontram.

§1013 Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos ferozes. Pelos seus frutos os reconhecereis. Por acaso colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos cardos?

§1014 Nem todo o que me diz “Senhor, Senhor” entrará no Reino dos Céus, mas sim aquele que pratica a vontade de meu Pai que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia “Senhor, Senhor”, e eu lhes declararei: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.”

§1015 Todo aquele que ouve as minhas palavras e as põe em prática será comparado ao homem sensato que construiu sua casa sobre a rocha. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, mas ela não caiu, porque estava alicerçada na rocha.

§1016 Todo aquele que ouve as minhas palavras, mas não as pratica, será comparado ao homem insensato que construiu a sua casa sobre a areia. Caiu a chuva, vieram as enxurradas, sopraram os ventos e deram contra aquela casa, e ela desmoronou. E foi grande a sua ruína!

§1017 Ao terminar Jesus de dizer suas palavras, as multidões ficaram extasiadas com o seu ensinamento, porque as ensinava com autoridade e não como os escribas.

§1018 Em verdade vos digo que em Israel não achei ninguém que tivesse tal fé. Mas eu vos digo que virão muitos do oriente e do ocidente e se assentarão à mesa no Reino dos Céus, com Abraão, Isaac e Jacó, enquanto os filhos do Reino serão postos para fora, nas trevas.

§1019 Um dos discípulos lhe disse: “Senhor, permite-me ir primeiro enterrar meu pai”. Mas Jesus lhe respondeu: “Segue-me e deixa que os mortos enterrem seus mortos.”

§1020 Não são os que tem saúde que precisam de médico, e sim os doentes. Ide, pois, e aprendei o que significa “Misericórdia quero, e não o sacrifício”. Com efeito, eu não vim chamar justos, mas pecadores.

§1021 De graça recebestes, de graça dai. Não leveis ouro, nem prata, nem cobre nos vossos cintos, nem alforje para o caminho, nem duas túnicas, nem sandálias, nem cajado, pois o operário é digno do seu sustento.

§1022 Eis que vos envio como ovelhas entre lobos. Por isso, sede prudentes como as serpentes e sem malícia como as pombas.

§1023 O irmão entregará o irmão à morte e o pai entregará o filho. Os filhos se levantarão contra os pais e os farão morrer. E sereis odiados por todos por causa do meu nome. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo.

§1024 O discípulo não está acima do mestre, nem o servo acima do seu senhor. Basta que o discípulo se torne como o mestre e o servo como o seu senhor. Se chamaram Beelzebu ao chefe da casa, que não dirão de seus familiares!

§1025 Não tenhais medo. Pois não há nada de encoberto que não venha a ser descoberto, nem de oculto que não venha a ser revelado. Não temais os que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Temei antes aquele que pode destruir a alma e o corpo na perdição.

§1026 Todo aquele que se declarar por mim diante dos homens, também eu me declararei por ele diante de meu Pai que está nos céus. Aquele, porém, que me renegar diante dos homens, também o renegarei diante de meu Pai que está nos céus.

§1027 Não penseis que vim trazer paz à terra. Não vim trazer paz, mas espada. Com efeito, vim contrapor o homem ao seu pai, a filha à sua mãe e a nora à sua sogra. Os inimigos do homem serão aqueles de sua própria casa.

§1028 Quem ama pai ou mãe mais do que a mim não é digno de mim. Quem ama filho ou filha mais do que a mim não é digno de mim. Quem não toma sua cruz e não me segue não é digno de mim. Aquele que acha a sua vida, a perderá, mas quem perde sua vida por causa de mim, a achará.

§1029 Entre os nascidos de mulher, não surgiu nenhum maior do que João, o Batista, e no entanto o menor no Reino dos Céus é maior do que ele.

§1030 Veio João, que não come nem bebe, e dizem: “Um demônio está nele”. Veio o Filho do Homem, que come e bebe, e dizem: “Eis aí um glutão e beberrão, amigo de publicanos e pecadores”. Mas a Sabedoria foi justificada pelas suas próprias obras.

§1031 Eu te louvo, ó Pai, Senhor do céu e da terra, porque ocultaste estas coisas aos sábios e doutores e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, porque assim foi do teu agrado.

§1032 Tudo me foi entregue por meu Pai, e ninguém conhece o Filho senão o Pai, e ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar.

§1033 Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo e vos darei descanso. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas, pois meu jugo é suave e meu fardo é leve.

§1034 Aqui está algo maior do que o Templo. Se soubésseis o que significa “Misericórdia é que eu quero e não sacrifício”, não condenaríeis os que não têm culpa. Pois o Filho do Homem é senhor do Sábado.

§1035 Quem não está a meu favor, está contra mim, e quem não ajunta comigo, dispersa. Todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens, mas a blasfêmia contra o Espírito não será perdoada.

§1036 Se alguém disser uma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á perdoado, mas se disser contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem nesta era, nem na outra.

§1037 A boca fala daquilo de que o coração está cheio. O homem bom, do seu tesouro tira coisas boas, mas o homem mau, do seu mau tesouro tira coisas más. Toda palavra sem fundamento que os homens disserem darão contas no Dia do Julgamento.

§1038 Uma geração má e adúltera busca um sinal, mas nenhum sinal lhe será dado, só o sinal do profeta Jonas. Os ninivitas se converteram pela pregação de Jonas, mas aqui está algo maior do que Jonas! A Rainha do Sul veio ouvir a Salomão, mas aqui está algo maior do que Salomão!

§1039 A vós foi dado conhecer os mistérios do Reino dos Céus, mas a eles não. Pois àquele que tem, lhe será dado e lhe será dado em abundância, mas ao que não tem, mesmo o que tem lhe será tirado.

§1040 O Reino dos Céus é semelhante ao tesouro escondido num campo; um homem o acha e torna a esconder, e na sua alegria vai, vende tudo o que possui, e compra aquele campo. É ainda semelhante ao negociante que ao achar uma pérola de grande valor, vai, vende tudo e a compra.

§1041 Invalidastes a Palavra de Deus por causa da vossa tradição. Hipócritas! Bem profetizou Isaías a vosso respeito: “Esse povo me honra com os lábios, mas o coração está longe de mim. Em vão me prestam culto, pois o que ensinam são apenas mandamentos humanos.”

§1042 Ouvi e entenderei! Não é o que entra pela boca que torna um homem impuro, mas o que sai da boca, isto sim o torna impuro.

§1043 Os discípulos disseram-lhe: “Os fariseus, ao ouvirem o que disseste, ficaram escandalizados”. Jesus respondeu-lhes: “Toda planta que não foi plantada pelo meu Pai celeste será arrancada. Deixai-os. São cegos conduzindo cegos! Ambos acabarão caindo num buraco.”

§1044 Tudo o que entra pela boca vai para o ventre e daí para a fossa. Mas o que sai da boca procede do coração e é isto que torna o homem impuro. É do coração que procedem más intenções, assassínios, adultérios, prostituições, roubos, falsos testemunhos e difamações.

§1045 Bem-aventurado és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi carne ou sangue que te revelaram isso, e sim meu Pai que está nos céus. Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do Hades não prevalecerão contra ela.

§1046 Eu te darei as chaves do Reino dos Céus e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus.

§1047 Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Pois aquele que quiser salvar a sua vida, a perderá, mas o que perder sua vida por causa de mim, a encontrará. De que proveito será ao homem ganhar o mundo inteiro mas perder a sua vida?

§1048 O Filho do Homem há de vir na glória do seu Pai, com os seus anjos, e então retribuirá a cada um de acordo com o seu comportamento.

§1049 Pedro disse a Jesus: “Senhor, levantarei três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias.” Ainda falava, quando uma nuvem luminosa os cobriu com sua sombra e uma voz, que saía da nuvem, disse: “Este é o meu Filho amado, em quem tenho prazer, ouvi-o!”

§1050 Os discípulos perguntaram: “Quem é o maior no Reino dos Céus?” Jesus chamou perto de si uma criança e disse: “Se não vos converterdes e não vos tornardes como as crianças, de modo algum entrareis no Reino dos Céus. Quem se tornar pequenino como esta criança será o maior.”

§1051 Caso alguém escandalize um destes pequeninos que crêem em mim, melhor seria que lhe pendurassem ao pescoço uma pedra e fosse jogado nas profundezas do mar. Ai do mundo por causa dos escândalos! É necessário que haja escândalos, mas ai do homem pelo qual o escândalo vem!

§1052 Se tua mão ou teu pé te escandalizam, corta-os e atira-os para longe de ti. Melhor é que entres mutilado para a Vida do que, tendo duas mãos ou dois pés, seres atirado no fogo eterno.

§1053 Se um homem possui cem ovelhas e uma delas se extravia, não deixa ele as noventa e nove nos montes para ir à procura da extraviada? Se consegue achá-la, terá maior alegria com ela do que com as noventa e nove que não se extraviaram.

§1054 Por que me perguntas sobre o que é bom? O Bom é um só. Mas se queres entrar para a Vida, guarda os mandamentos.

§1055 Jesus disse: “O rico dificilmente entra no Reino dos Céus. É mais fácil o camelo passar no buraco da agulha do que o rico entrar no Reino dos Céus.” Os discípulos disseram: “Quem poderá então salvar-se?” Jesus disse: “Ao homem isso é impossível, mas a Deus tudo é possível.”

§1056 Amigo, não fui injusto contigo. Toma o que é teu e vai. Eu quero dar a este último o mesmo que a ti. Não tenho o direito de fazer o que quero com o que é meu? Ou estás com ciúme porque sou bom?

§1057 Os últimos serão primeiros, e os primeiros serão últimos.

§1058 Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu espírito. Esse é o maior e o primeiro mandamento. O segundo é semelhante: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Desses dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.

§1059 Não permitais que vos chamem “Mestre”, pois um só é o vosso Mestre e todos vós sois irmãos. A ninguém na terra chameis “Pai”, pois só tendes o Pai Celeste. Nem permitais que vos chamem “Guias”, pois um só é vosso guia, Cristo. Antes, o maior será aquele que vos serve.

§1060 Aquele que se exaltar será humilhado, e aquele que se humilhar será exaltado.

§1061 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque bloqueais o Reino dos Céus diante dos homens! Pois vós mesmos não entrais, nem deixais entrar os que querem!

§1062 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que percorreis o mar e a terra para fazer um seguidor, mas quando conseguis conquistá-lo, vós o tornais duas vezes mais digno da perdição do que vós!

§1063 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que pagais o dízimo, mas omitis as coisas mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Importava praticar estas coisas, mas sem omitir aquelas. Condutores cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo!

§1064 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! São semelhantes a sepulcros caiados. Por fora parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de toda podridão. Assim também vós: por fora pareceis justos aos homens, mas por dentro estais cheios de iniquidade.

§1065 Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, que edificais os túmulos dos profetas e dizeis: “Não teríamos sido cúmplices de nossos pais no derramar o sangue dos profetas”. Com isto testificais, contra vós, que sois seus filhos. Completai, pois, a medida de vossos pais!

§1066 Serpentes! Raça de víboras! Como haveis de escapar do julgamento da perdição? Cairá sobre vós todo o sangue dos justos derramado sobre a terra, desde o sangue do inocente Abel até o sangue de Zacarias, que matastes entre o santuário e o altar.

§1067 Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedrejas os que te são enviados, quantas vezes eu quis ajuntar os teus filhos, como a galinha recolhe os pintinhos debaixo das asas, e não o quiseste!

§1068 Atenção para que ninguém vos engane. Pois muitos virão em meu nome, dizendo: “O Cristo sou eu”, e enganarão a muitos.

§1069 Surgirão falsos profetas em grande número e enganarão a muitos. E pelo crescimento da iniquidade, o amor de muitos esfriará. Aquele, porém, que perseverar até o fim, esse será salvo. Este Evangelho será proclamado no mundo inteiro como Testamento. E então virá o fim.

§1070 Hão de surgir falsos Cristos e falsos profetas, que apresentarão grandes sinais e prodígios de modo a enganar, se possível, até mesmo os eleitos. Eis que vos preveni.

§1071 Se vos disserem “Ei-lo no deserto”, não vades até lá; “Ei-lo em lugares retirados”, não creiais. Pois assim como o relâmpago parte do oriente e brilha até o poente, assim será a vinda do Filho do Homem.

§1072 O sol escurecerá, a lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do céu e os poderes do céu serão abalados. Então aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem e todos o verão vindo sobre as nuvens do céu com poder e grande glória.

§1073 Passarão o céu e a terra. Minhas palavras, porém, não passarão. Daquele dia e hora, ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas só o Pai.

§1074 Como nos dias de Noé, será a vinda do Filho do Homem. Como naqueles dias antes do dilúvio, estavam eles comendo, bebendo, casando-se, até o dia em que Noé entrou na arca, e não perceberam nada até que veio o dilúvio e os levou a todos.

§1075 Vigiai, porque não sabeis em que dia vem vosso Senhor. Ficai preparados, porque o Filho do Homem virá numa hora que não pensais.

§1076 Quando o Filho do Homem vier em sua glória, se assentará no trono. Serão reunidas em sua presença todas as nações e ele separará os homens uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos bodes, e porá as ovelhas à sua direita e os bodes à sua esquerda.

MARCOS (§1077-1081)

§1077 O sábado foi feito para o homem, e não o homem para o sábado, de modo que o Filho do Homem é senhor até do sábado.

§1078 Acontece com o Reino de Deus o mesmo que com o homem que lançou a semente na terra. A semente germina e cresce, sem que ele saiba como. A terra por si mesma produz fruto. Quando o fruto está no ponto, imediatamente se lhe lança a foice, porque a colheita chegou.

§1079 Quem não é contra nós é por nós.

§1080 Deixai as crianças virem a mim. Não as impeçais, pois delas é o Reino de Deus. Aquele que não receber o Reino de Deus como uma criança, não entrará nele.

§1081 O Sumo Sacerdote o interrogou: “És tu o Messias, o Filho do Deus Bendito?” Jesus respondeu: “EU SOU. E vereis o Filho do Homem sentado à direita do Poderoso e vindo com as nuvens do céu.”

LUCAS (§1082-1108)

§1082 O diabo mostrou-lhe num instante todos os reinos da terra e disse-lhe: “Eu te darei todo este poder com a glória destes reinos, porque ela me foi entregue e eu a dou a quem eu quiser. Por isso, se te prostrares diante de mim, toda ela será sua.”

§1083 Felizes vós, os pobres, porque vosso é o Reino de Deus. Felizes vós, que agora tendes fome, porque sereis saciados. Felizes vós, que agora chorais, porque havereis de rir.

§1084 Felizes sereis quando os homens vos odiarem, quando vos rejeitarem, insultarem e proscreverem vosso nome como infame, por causa do Filho do Homem. Alegrai-vos naquele dia e exultai, porque no céu será grande a vossa recompensa; do mesmo modo seus pais tratavam os profetas.

§1085 Mas, ai de vós, ricos, porque já tendes a vossa consolação! Ai de vós, que agora estais saciados, porque tereis fome! Ai de vós, que agora rides, porque conhecereis luto e as lágrimas! Ai de vós, quando vos bendisserem; do mesmo modo seus pais tratavam os falsos profetas.

§1086 Quem vos ouve a mim ouve, quem vos despreza a mim despreza, e quem me despreza, despreza aquele que me enviou.

§1087 Eu via Satanás cair do céu como um relâmpago! Eu vos dei o poder de pisar serpentes, escorpiões e todo o poder do Inimigo, e nada vos causará dano. Contudo, não vos alegreis porque os espíritos se vos submetem; alegrai-vos, antes, porque vossos nomes estão inscritos no céu.

§1088 Marta, Marta, tu te inquietas e te agitas por muitas coisas; no entanto, pouca coisa é necessária, até mesmo uma só. Maria, com efeito, escolheu a melhor parte, que não lhe será tirada.

§1089 Quem não está a meu favor está contra mim, e quem não ajunta comigo, dispersa.

§1090 Certa mulher levantou a voz no meio da multidão e disse-lhe: “Felizes as entranhas que te trouxeram e os seios que te amamentaram.” Jesus, porém, respondeu: “Felizes, antes, os que ouvem a Palavra de Deus e a observam.”

§1091 Ai de vós, fariseus, que pagais o dízimo, mas deixais de lado a justiça e o amor de Deus! Ai de vós, que apreciais o primeiro lugar nas sinagogas e as saudações nas praças públicas! Ai de vós, porque sois como esses túmulos disfarçados, sobre os quais se transita sem saber!

§1092 Igualmente ai de vós, legalistas, porque impondes aos homens fardos insuportáveis, e vós mesmos não tocais esses fardos com um dedo sequer!

§1093 Ai de vós, legalistas, porque tomastes as chaves da ciência! Vós mesmos não entrastes e impedistes os que queriam entrar!

§1094 Precavei-vos cuidadosamente de qualquer cupidez, pois mesmo na abundância a vida do homem não é assegurada por seus bens.

§1095 O rico pensou: “Minha alma, tens uma quantidade de bens em reserva para muitos anos; repousa, come, bebe, regala-te.” Mas Deus lhe diz: “Insensato, nessa mesma noite ser-te-á reclamada a alma. E as coisas que acumulaste, de quem serão?”

§1096 Sede semelhantes a homens que esperam seu senhor voltar das núpcias, a fim de lhe abrir, logo que ele vier e bater. Felizes os servos que o Senhor à sua chegada encontrar vigilantes. Ele os cingirá e os porá à mesa e, passando de um a outro, os servirá.

§1097 Àquele a quem muito se deu, muito será pedido, e a quem muito se houver confiado, mais será reclamado.

§1098 Eu vim trazer fogo à terra, e como desejaria que já estivesse aceso! Devo receber um batismo, e como me angustio até que esteja consumado!

§1099 Todo aquele que se exalta será humilhado, e quem se humilha será exaltado.

§1100 Se alguém vem a mim e não odeia seu próprio pai e mãe, mulher, filhos, irmãos, irmãs e até a própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não carrega sua cruz e não vem após mim, não pode ser meu discípulo.

§1101 Haverá mais alegria no céu por um só pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não precisam de arrependimento.

§1102 Deus não faria justiça a seus eleitos que clamam a ele dia e noite, mesmo que os faça esperar? Digo-vos que lhes fará justiça muito em breve. Mas quando o Filho do Homem voltar, encontrará fé sobre a terra?

§1103 Atenção para não serdes enganados, pois muitos virão em meu nome, dizendo “Sou eu” e ainda: “O tempo está próximo!” Não os sigais! Quando ouvirdes falar de guerras e subversões, não vos atemorizeis: pois é preciso que primeiro aconteça isso, mas não será logo o fim.

§1104 Sereis traídos até por vosso pai e mãe, irmãos, parentes, amigos, e farão morrer pessoas do vosso meio, e sereis odiados por todos por causa de meu nome. Mas nem um só cabelo de vossa cabeça se perderá. É pela perseverança que mantereis vossas vidas!

§1105 Cuidado para que vossos corações não fiquem pesados pela devassidão, pela embriaguez, pelas preocupações da vida, e não se abata repentinamente sobre vós aquele Dia, como um laço; pois ele sobrevirá a todos os habitantes da face de toda a terra.

§1106 Ficai acordados, orando em todo momento, para terdes a força de escapar de tudo o que deve acontecer e de ficar de pé diante do Filho do Homem.

§1107 Chegando ao lugar chamado Caveira, lá o crucificaram, bem como aos malfeitores, um à direita e o outro à esquerda. Jesus dizia: “Pai, perdoa-lhes: não sabem o que fazem.”

§1108 O bom ladrão, tomando a palavra, repreendia o mau: “Nem sequer temes a Deus, estando na mesma condenação? Quanto a nós, é de justiça, mas ele não fez nenhum mal. Jesus, lembra-te de mim, quando vieres com teu reino”. Jesus respondeu: “Hoje estarás comigo no Paraíso.”

JOÃO (§1109-1217)

§1109 No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Tudo foi feito por meio dele e sem ele nada foi feito. O que foi feito nele era a vida, e a vida era a luz dos homens; e a luz brilhava nas trevas, mas as trevas não a apreenderam.

§1110 João não era a luz, mas veio para dar testemunho da luz. Jesus era a luz verdadeira que ilumina todo homem; ele vinha ao mundo. Ele estava no mundo e o mundo foi feito por meio dele, mas o mundo não o reconheceu. Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.

§1111 A todos que o receberam deu o poder de se tornarem filhos de Deus: aos que crêem em seu nome, eles, que não foram gerados nem do sangue, nem de uma vontade da carne, nem de uma vontade do homem, mas de Deus.

§1112 O Verbo se fez carne, e habitou entre nós; e nós vimos a sua glória, glória que ele tem junto ao Pai como Filho único, cheio de graça e de verdade.

§1113 João dá testemunho dele e clama: “Este é aquele de quem eu disse: o que vem depois de mim passou adiante de mim, porque existia antes de mim.”

§1114 De sua plenitude todos nós recebemos graça por graça. Porque a Lei foi dada por meio de Moisés; a graça e a verdade vieram por Jesus Cristo. Ninguém jamais viu a Deus: o Filho unigênito, que está no seio do Pai, este o deu a conhecer.

§1115 João Batista vê Jesus aproximar-se dele e diz: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.”

§1116 Vendo os sinais que fazia, muitos creram em seu nome. Mas Jesus não tinha confiança neles, porque os conhecia a todos e não necessitava que lhe dessem testemunho sobre o homem, porque ele conhecia o que havia no homem.

§1117 O vento sopra onde quer e ouves o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece com todo aquele que nasceu do Espírito.

§1118 Se não credes quando vos falo das coisas da terra, como crereis quando vos falar das coisas do céu? Ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem.

§1119 Como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que seja levantado o Filho do Homem, a fim de que todo aquele que crer tenha nele vida eterna.

§1120 Deus amou tanto o mundo, que entregou o seu Filho único, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha vida eterna.

§1121 Deus não enviou o seu Filho ao mundo para julgar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê não é julgado; quem não crê, já está julgado, porque não creu no Nome do Filho único de Deus.

§1122 Este é o julgamento: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas obras eram más.

§1123 Quem faz o mal odeia a luz e não vem para a luz, para que suas obras não sejam demonstradas como culpáveis. Quem pratica a verdade vem para a luz, para que se manifeste que suas obras são feitas em Deus.

§1124 Um homem nada pode receber a não ser que lhe tenha sido dado do céu.

§1125 É necessário que ele cresça e eu diminua. Aquele que vem do alto está acima de todos; o que é da terra é terrestre e fala como terrestre. Aquele que vem do céu dá testemunho do que viu e ouviu, mas ninguém acolhe seu testemunho. Quem acolhe, certifica que Deus é verdadeiro.

§1126 Aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, pois ele dá o Espírito sem medida. O Pai ama o Filho e tudo entregou em sua mão. Quem crê no Filho tem a vida eterna. Quem recusa crer no Filho não terá a vida. Pelo contrário, a ira de Deus permanece sobre ele.

§1127 Mas vem a hora, e é agora, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e verdade, pois tais são os adoradores que o Pai procura. Deus é espírito e aqueles que o adoram devem adorá-lo em espírito e verdade.

§1128 Como o Pai ressuscita os mortos e os faz viver, também o Filho dá a vida a quem quer. Porque o Pai a ninguém julga, mas confiou ao Filho todo julgamento, a fim de que todos honrem o Filho, como honram o Pai. Quem não honra o Filho, não honra o Pai que o enviou.

§1129 Quem escuta a minha palavra e crê naquele que me enviou tem vida eterna e não vem a julgamento, mas passou da morte à vida. Vem a hora, e é agora, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que ouvirem, viverão.

§1130 Assim como o Pai tem a vida em si mesmo, também concedeu ao Filho ter a vida em si mesmo e lhe deu o poder de exercer o julgamento, porque é Filho do Homem.

§1131 Por mim mesmo, nada posso fazer: eu julgo segundo o que ouço, e meu julgamento é justo, porque não procuro a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

§1132 O Pai que me enviou dá testemunho de mim. Jamais ouvistes a sua voz, nem contemplastes a sua face, e sua palavra não permanece em vós porque não credes naquele que ele enviou.

§1133 Vós perscrutais as Escrituras porque julgais ter nelas vida eterna; ora, são elas que dão testemunho de mim. Vós, porém, não quereis vir a mim para ter vida. Não recebo a glória que vem dos homens.

§1134 Eu vos conheço: não tendes em vós o amor de Deus. Vim em nome de meu Pai, mas não me acolheis; se alguém viesse em seu próprio nome, vós o acolheríeis. Como podeis crer, vós que recebeis glória uns dos outros, mas não procurais a glória que vem do Deus único?

§1135 Não penseis que vos acusarei diante do Pai; Moisés é vosso acusador, ele, em quem pusestes a vossa esperança. Se crêsseis em Moisés, acreditariam também em mim, porque foi a meu respeito que ele escreveu. Mas se não credes em seus escritos, como crereis em minhas palavras?

§1136 Vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos saciastes. Trabalhai, não pelo alimento que se perde, mas pelo alimento que permanece até a vida eterna, alimento que o Filho do Homem vos dará, pois Deus, o Pai, o marcou com seu selo.

§1137 Disseram-lhe: “Que faremos para trabalhar nas obras de Deus?” Respondeu-lhes Jesus: “A obra de Deus é que creiais naquele que ele enviou.”

§1138 Não foi Moisés quem vos deu o pão do céu, mas é meu Pai que vos dá o verdadeiro pão do céu; porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.

§1139 Eu sou o pão da vida. Quem vem a mim, nunca mais terá fome, quem crê em mim nunca mais terá sede. Vedes, mas não credes. Todo aquele que o Pai me der virá a mim, e quem vem a mim eu não o rejeitarei, pois desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a de quem me enviou.

§1140 A vontade daquele que me enviou é esta: que eu não perca nada do que ele me deu, mas o ressuscite no último dia. Sim, esta é a vontade de meu Pai: quem vê o Filho e nele crê tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.

§1141 Não murmureis entre vós. Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o atrair; e eu o ressuscitarei no último dia. Quem escuta o ensinamento do Pai e dele aprende vem a mim.

§1142 Aquele que crê tem vida eterna. Eu sou o pão da vida. Vossos pais no deserto comeram o maná e morreram. Este é o pão que desce do céu para que não pereça quem dele comer.

§1143 Eu sou o pão vivo descido do céu. Quem comer deste pão viverá para sempre. O pão que eu darei é a minha carne para a vida do mundo.

§1144 Se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes seu sangue, não tereis a vida em vós. Quem come minha carne e bebe o meu sangue tem vida eterna, e eu o ressuscitarei no último dia.

§1145 Minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. Quem come minha carne e bebe meu sangue permanece em mim, e eu nele. Assim como o Pai, que vive, me enviou e eu vivo pelo Pai, também aquele que de mim se alimenta viverá por mim.

§1146 O espírito é que vivifica, a carne para nada serve. As palavras que vos disse são espírito e vida. Alguns de vós, porém, não crêem. Por isso vos afirmei que ninguém pode vir a mim, se isso não lhe for concedido pelo Pai.

§1147 Minha doutrina não é minha, mas daquele que me enviou. Se alguém cumprir sua vontade, reconhecerá se minha doutrina é de Deus ou se falo por mim mesmo. Quem fala por si mesmo procura a própria glória. Mas aquele que procura a glória de quem o enviou é verdadeiro.

§1148 Moisés não vos deu a Lei? No entanto, nenhum de vós pratica a Lei. Por que procurais matar-me?

§1149 Eu sou a luz do mundo. Quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida.

§1150 Vós sois daqui de baixo e eu sou do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. Disse-vos que morrereis em vossos pecados, porque se não crerdes que EU SOU, morrereis em vossos pecados.

§1151 Quando tiverdes elevado o Filho do Homem, então sabereis que EU SOU e que nada faço por mim mesmo, mas faço como me ensinou o Pai. E quem me enviou está comigo. Não me deixou sozinho, porque faço sempre o que lhe agrada.

§1152 Se permanecerdes na minha palavra, sereis verdadeiramente meus discípulos e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.

§1153 Quem comete pecado é escravo. Ora, o escravo não permanece sempre na casa, mas o filho aí permanece para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, sereis realmente livres. Sei que sois a descendência de Abraão, mas procurais matar-me, porque a minha palavra não entra em vós.

§1154 Se fôsseis filhos de Abraão, praticaríeis as obras de Abraão. Vós, porém, procurais matar-me, a mim, que vos falei a verdade que ouvi de Deus. Isso, Abraão não fez! Vós fazeis as obras de vosso pai! Se Deus fosse vosso pai, vós me amaríeis, porque saí de Deus e dele venho.

§1155 Por que não reconheceis minha linguagem? É porque não podeis escutar minha palavra. Vós sois do diabo, vosso pai, e quereis realizar os desejos de vosso pai.

§1156 Ele foi homicida desde o princípio e não permaneceu na verdade, porque nele não há verdade: quando ele mente, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira.

§1157 Porque digo a verdade, não credes em mim. Quem, dentre vós, me acusa de pecado? Se digo a verdade, por que não credes em mim? Quem é de Deus ouve as palavras de Deus; por isso não ouvis: porque não sois de Deus.

§1158 Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu Dia. Ele o viu e encheu-se de alegria! Em verdade, em verdade, vos digo: antes que Abraão existisse, EU SOU.

§1159 Para um discernimento é que vim a este mundo: para que os que não vêem, vejam, e os que vêem, tornem-se cegos.

§1160 Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas dizeis: “Nós vemos!” Vosso pecado permanece.

§1161 Quem não entra pela porta no redil das ovelhas, mas sobe por outro lugar, é ladrão e assaltante; o que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre: as ovelhas ouvem sua voz e ele chama suas ovelhas uma por uma e as conduz.

§1162 Eu sou a porta das ovelhas. Todos os que vieram antes de mim são ladrões e assaltantes; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta. Se alguém entrar por mim, será salvo; entrará e sairá e encontrará pastagem.

§1163 O ladrão vem só para roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância. Eu sou o bom pastor; o bom pastor dá a sua vida pelas suas ovelhas.

§1164 Eu sou o bom pastor; conheço as minhas ovelhas e as minhas ovelhas me conhecem, como o Pai me conhece e eu conheço o Pai. Eu dou minha vida pelas minhas ovelhas.

§1165 Por isso o Pai me ama, porque dou minha vida para retomá-la. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou livremente. Tenho o poder de entregá-la e o poder de retomá-la; esse é o mandamento que recebi do meu Pai.

§1166 As minhas ovelhas escutam a minha voz, eu as conheço e elas me seguem; eu lhes dou vida eterna e elas jamais perecerão, e ninguém as arrebatará de minha mão. Meu Pai, que me deu tudo, é maior que todos e ninguém pode arrebatar da mão do Pai. Eu e o Pai somos um.

§1167 Eu sou a ressurreição. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E quem vive e crê em mim jamais morrerá.

§1168 É chegada a hora em que será glorificado o Filho do Homem. Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, permanecerá só; mas se morrer, produzirá muito fruto. Quem ama sua vida a perde, e quem odeia sua vida neste mundo guardá-la-á para a vida eterna.

§1169 Minha alma está agora conturbada. Que direi? Pai, salva-me desta hora? Mas foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, glorifica o teu nome.

§1170 É agora o julgamento deste mundo, agora o príncipe deste mundo será lançado abaixo; e quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim.

§1171 Muitos chefes creram nele, mas, por causa dos fariseus, não o confessavam, para não serem expulsos da sinagoga, pois amaram mais a glória dos homens do que a de Deus.

§1172 Quem crê em mim não é em mim que crê, mas em quem me enviou, e quem me vê, vê aquele que me enviou. Eu, a luz, vim ao mundo para que aquele que crê em mim não permaneça nas trevas.

§1173 Se alguém ouvir minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo, pois não vim para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. Quem me rejeita e não acolhe minhas palavras tem seu juiz: a palavra que proferi é que o julgará no último dia.

§1174 Não falei por mim mesmo, mas o Pai, que me enviou, me prescreveu o que dizer e o que falar e sei que seu mandamento é vida eterna. O que digo, portanto, eu o digo como o Pai me disse.

§1175 Para onde vou vós não podeis ir. Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis uns aos outros. Como eu vos amei, amai-vos também uns aos outros. Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns pelos outros.

§1176 Cesse de perturbar-se o vosso coração! Credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se não fosse assim, eu vos teria dito, pois vou preparar-vos um lugar, e quando for e vos tiver preparado, virei novamente e vos levarei comigo.

§1177 Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vem ao Pai a não ser por mim. Se me conheceis, também conhecereis meu Pai.

§1178 Quem me vê, vê o Pai. Como podes dizer: “Mostra-nos o Pai!”? Não crês que estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que vos digo, não as digo por mim mesmo, mas o Pai, que permanece em mim, realiza suas obras. Crede-me: eu estou no Pai e o Pai em mim.

§1179 Se me amais, observareis meus mandamentos, e rogarei ao Pai e ele vos dará outro Paráclito, para que convosco permaneça para sempre, o Espírito da Verdade, que o mundo não pode acolher, porque não o vê nem o conhece. Vós o conheceis, porque permanece convosco e em vós será.

§1180 Não vos deixarei órfãos. Eu virei a vós. Ainda um pouco e o mundo não mais me verá, mas vós me vereis porque eu vivo e vós vivereis. Nesse dia compreendereis que estou em meu Pai e vós em mim e eu em vós.

§1181 Quem tem meus mandamentos e os observa é que me ama; e quem me ama será amado por meu Pai. Eu o amarei e me manifestarei a ele.

§1182 Se alguém me ama, guardará minha palavra e meu Pai o amará e a ele viremos e nele estabeleceremos morada. Quem não me ama não guarda minhas palavras; a minha palavra não é minha, mas do Pai que me enviou.

§1183 O Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que vos disse. Deixo-vos a paz, minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se perturbe nem se intimide vosso coração.

§1184 Se me amásseis, ficaríeis alegres por eu ir para o Pai, porque o Pai é maior do que eu.

§1185 O príncipe deste mundo vem; contra mim, ele nada pode, mas é preciso que o mundo saiba que amo o Pai e faço como o Pai me ordenou.

§1186 Eu sou a verdadeira videira e meu pai é o agricultor. Todo ramo em mim que não produz fruto ele o corta, e todo o que produz fruto ele o poda, para que produza mais fruto ainda. Vós já estais puros, por causa da palavra que vos fiz ouvir. Permanecei em mim, como eu em vós.

§1187 Como o ramo não pode dar fruto por si mesmo, assim também vós, se não permanecerdes em mim.

§1188 Eu sou a videira e vós os ramos. Aquele que permanece em mim e eu nele produz muito fruto; porque, sem mim, nada podeis fazer. Se alguém não permanece em mim, é lançado fora, como o ramo, e seca; tais ramos são recolhidos, lançados ao fogo e se extinguem.

§1189 Se permanecerdes em mim e minhas palavras permanecerem em vós, pedi o que quiserdes e vós o tereis. Meu Pai é glorificado quando produzis muito fruto e vos tornais meus discípulos. Assim como o Pai me amou também eu vos amei. Permanecei em meu amor.

§1190 Se observais meus mandamentos permanecereis no meu amor, como eu guardei os mandamentos de meu Pai e permaneço no seu amor. Eu vos digo isso para que a minha alegria esteja em vós e vossa alegria seja plena.

§1191 Este é o meu mandamento: amai-vos uns aos outros como eu vos amei. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vós sois meus amigos se praticai o que vos mando.

§1192 Já não vos chamarei servos, porque o servo não sabe o que seu senhor faz; mas vos chamo amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai vos dei a conhecer. Não fostes vós que me escolhestes, mas fui eu que vos escolhi e vos designei para irdes e produzirdes fruto.

§1193 Se o mundo vos odeia, sabei que, primeiro, me odiou a mim. Se fôsseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo e minha escolha vos separou do mundo, o mundo, por isso, vos odeia.

§1194 O servo não é maior que seu senhor. Se eles me perseguiram, também vos perseguirão; se guardaram minha palavra, também guardarão a vossa. Mas tudo isso eles farão contra vós, por causa do meu nome, porque não conhecem quem me enviou.

§1195 Quem me odeia, odeia também meu Pai. Mas é para que se cumpra a palavra escrita na sua Lei: Odiaram-me sem motivo. Quando vier o Paráclito, que vos enviarei de junto do Pai, o Espírito da verdade, que vem do Pai, dará testemunho de mim. E vós também dareis testemunho.

§1196 Expulsar-vos-ão das sinagogas. Mais ainda: virá a hora em que aquele que vos matar julgará realizar ato de culto a Deus. E isso farão porque não reconheceram o Pai nem a mim.

§1197 É de vosso interesse que eu parta, pois, se não for, o Paráclito não virá a vós. Mas se for, enviá-lo-ei a vós.

§1198 Quando o Paráclito vier, estabelecerá a culpabilidade do mundo a respeito do pecado, da justiça e do julgamento: do pecado, porque não crêem em mim; da justiça, porque vou para o Pai e não mais me vereis; do julgamento, porque o príncipe deste mundo está julgado.

§1199 Tenho muito que vos dizer, mas não podeis agora suportar. Quando vier o Espírito da verdade, ele vos guiará na verdade plena, pois não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas futuras. Ele me glorificará porque receberá do que é meu.

§1200 Chorareis e vos lamentareis, mas o mundo se alegrará. Vós vos entristeceis, mas a vossa tristeza se transformará em alegria.

§1201 Não vos digo que intervirei junto ao Pai por vós, porque o próprio Pai vos ama, porque amastes e crestes que vim de Deus. Saí do Pai e vim ao mundo; de novo deixo o mundo e vou ao Pai.

§1202 Eis que chega a hora em que vos dispersareis, cada um para o seu lado, e me deixareis sozinho. Mas eu não estou só, porque o Pai está comigo. Eu vos disse tais coisas para terdes paz em mim. No mundo tereis tribulações, mas tende coragem: eu venci o mundo!

§1203 Pai, chegou a hora: glorifica teu Filho, para que teu Filho te glorifique, e que, pelo poder que lhe deste sobre toda carne, ele dê vida eterna a todos os que lhe deste!

§1204 A vida eterna é esta: que eles te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e aquele que enviaste, Jesus Cristo.

§1205 Eu te glorifiquei na terra, concluí a obra que me encarregaste de realizar. E agora, glorifica-me, Pai, junto de ti, com a glória que eu tinha junto de ti antes que o mundo existisse.

§1206 Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste. Eram teus e os deste a mim e eles guardaram tua palavra.

§1207 Reconheceram que tudo quanto me deste vem de ti, porque as palavras que me deste eu as dei a eles, e eles as acolheram e reconheceram verdadeiramente que saí de junto de ti e creram que me enviaste.

§1208 Por eles eu rogo; não rogo pelo mundo, mas pelos que me deste, porque são teus, e tudo o que é meu é teu, e tudo o que é teu é meu, e neles sou glorificado. Já não estou no mundo; mas eles permanecem no mundo e eu volto a ti.

§1209 Eu lhes dei tua palavra, mas o mundo os odiou, porque não são do mundo, como eu não sou do mundo. Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do Maligno. Santifica-os na verdade; tua palavra é verdade.

§1210 Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo. E, por eles, a mim mesmo me santifico, para que sejam santificados na verdade. Não rogo somente por eles, mas pelos que, por meio de sua palavra, crerão em mim: a fim de que todos sejam um.

§1211 Pai, aqueles que me deste quero que, onde eu estiver, também eles estejam comigo, para que contemplem minha glória, que me deste, porque me amaste antes da fundação do mundo.

§1212 Pai justo, o mundo não te conheceu, mas eu te conheci e estes reconheceram que tu me enviaste. Eu lhes dei a conhecer o teu nome e lhes darei a conhecê-lo, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles e eu neles.

§1213 Meu reino não é deste mundo. Se meu reino fosse deste mundo, meus súditos teriam combatido para que eu não fosse entregue aos judeus. Mas meu reino não é daqui.

§1214 Para isso nasci e para isto vim ao mundo: para dar testemunho da verdade. Quem é da verdade escuta minha voz.

§1215 Quando Jesus tomou o vinagre, disse: “Está consumado!”. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

§1216 Porque viste, creste. Felizes os que não viram e creram!

§1217 Há, porém, muitas outras coisas que Jesus fez. Se fossem escritas uma por uma, creio que o mundo não poderia conter os livros que se escreveriam.

ATOS DOS APÓSTOLOS (§1218-1228)

§1218 Arrependei-vos e convertei-vos, a fim de que sejam apagados os vossos pecados, e deste modo venham da face do Senhor os tempos do refrigério. Então enviará ele o Cristo que vos foi destinado, Jesus, a quem o céu deve acolher até os tempos da restauração de todas as coisas.

§1219 É pelo nome de Jesus Cristo e por nenhum outro que se apresenta a cura, diante de vós. É ele a pedra angular desprezada por vós, os construtores, mas que se tornou a pedra angular. Pois não há, debaixo do céu, outro nome dado aos homens pelo qual devamos ser salvos.

§1220 Deixai de ocupar-vos com estes homens. Largai-os. Pois, se o seu intento ou sua obra provém dos homens, destruir-se-á por si mesma; se vem de Deus, porém, não podereis destruí-los. Não aconteça que vos encontreis movendo guerra a Deus.

§1221 Homens de dura cerviz, incircuncisos de coração e de ouvidos, vós sempre resistis ao Espírito Santo! Como foram os pais, assim também vós! A qual dos profetas vossos pais não perseguiram? Mataram os que prediziam a vinda do Justo, de quem tornastes traidores e assassinos.

§1222 Nós também somos seres humanos, sujeitos aos mesmos sofrimentos que vós, mas vos anunciamos a Boa Nova da conversão para o Deus vivo, deixando todos esses ídolos vãos. Foi ele que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que aí se encontra.

§1223 Deus permitiu, nas gerações passadas, que todas as nações seguissem os próprios caminhos. No entanto, não deixou de dar testemunho de si mesmo fazendo o bem, do céu enviando-vos chuvas e estações frutíferas, saciando de alimento e alegria os vossos corações.

§1224 O conhecedor dos corações deu testemunho em favor dos gentios, concedendo o Espírito. Por que tentais a Deus, impondo ao pescoço dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem mesmo nós podemos suportar? Ao contrário, é pela graça do Senhor Jesus que nós cremos ser salvos.

§1225 O Deus que fez o mundo e tudo o que nele existe, o Senhor do céu e da terra, não habita em templos feitos por mãos humanas. Também não é servido por mãos humanas, como se precisasse de alguma coisa, ele que a todos dá a vida, a respiração, e tudo o mais.

§1226 De um só ele fez a raça humana para habitar sobre a face da terra, fixando os tempos e os limites. Tudo isto para que procurassem a divindade e se esforçassem por encontrá-la, embora não esteja longe de cada um de nós. Pois nele vivemos, nos movemos e existimos.

§1227 Não levando em conta os tempos da ignorância, Deus notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam, porque ele fixou um dia no qual julgará o mundo com justiça por meio do homem que designou, dando-lhe crédito diante de todos, ao ressuscitá-lo entre os mortos.

§1228 Eu te livrarei do povo e das nações gentias, às quais te envio para lhes abrires os olhos e assim se converterem das trevas à luz, da autoridade de Satanás para Deus. De tal modo receberão, pela fé em mim, a remissão dos pecados e a herança entre os santificados.

ROMANOS (§1229-1285)

§1229 Manifesta-se a ira de Deus, do alto do céu, contra toda impiedade e injustiça dos homens que mantêm a verdade prisioneira da injustiça. Porque o que se pode conhecer de Deus é manifesto entre eles, pois Deus lho revelou.

§1230 Sua realidade invisível –seu eterno poder e sua divindade– tornou-se inteligível, desde a criação do mundo, através das criaturas, de sorte que não têm desculpa.

§1231 Tendo conhecido a Deus, não o honraram como Deus nem lhe renderam graças; pelo contrário, se perderam em vãos arrazoados, e seu coração insensato ficou nas trevas.

§1232 Jactando-se de possuir a sabedoria, tornaram-se tolos e trocaram a glória do Deus incorruptível por invenções do homem corruptível.

§1233 Deus os entregou, segundo o desejo dos seus corações, à impureza em que eles mesmos desonram seus corpos. Eles trocaram a verdade de Deus pela mentira e adoraram e serviram à criatura em lugar do Criador, que é bendito pelos séculos.

§1234 Como não julgaram bom ter o conhecimento de Deus, Deus os entregou à sua mente incapaz de julgar, para fazerem o que não convém.

§1235 Apesar de conhecerem a sentença de Deus que declara dignos de morte os que praticam semelhantes ações, eles não só as fazem, mas ainda aprovam os que as praticam.

§1236 Quando os pagãos, não tendo lei, fazem naturalmente o que é prescrito pela Lei, não tendo lei para si mesmos são Lei; eles mostram a obra da lei gravada em seus corações, dando disto testemunho sua consciência e os pensamentos que alternadamente se acusam ou defendem.

§1237 Se o incircunciso guardar os preceitos da Lei, porventura sua incircuncisão não será considerada circuncisão?

§1238 O verdadeiro judeu não é aquele que como tal aparece externamente, nem é verdadeira circuncisão a que é visível na carne; mas é judeu aquele que o é no interior e a verdadeira circuncisão é a do coração, segundo o espírito e não segundo a letra.

§1239 Sabemos que tudo o que a Lei diz, é para os que estão sob a Lei que o diz, a fim de que toda boca se cale e o mundo inteiro se reconheça réu em face de Deus, porque diante dele ninguém será justificado pelas obras da Lei, pois da Lei vem só o conhecimento do pecado.

§1240 Agora se manifestou a justiça de Deus, testemunhada pela Lei e pelos Profetas, que opera pela fé em Jesus Cristo, em favor de todos os que crêem –pois não há diferença, visto que todos pecaram e todos estão privados da glória de Deus– e são justificados gratuitamente.

§1241 Onde está, então, o motivo de glória? Fica excluído. Em força de que lei? A das obras? De modo algum, mas em força da lei da fé. O homem é justificado pela fé, sem a prática da Lei. Ou acaso ele é Deus só dos judeus? Não é também das nações? É certo que também das nações.

§1242 A quem faz um trabalho, o salário não é considerado como gratificação, mas como uma dívida; a quem, ao invés, não trabalha, mas crê naquele que justifica o ímpio, é sua fé que é levada em conta de justiça.

§1243 Não foi mediante a Lei que se fez a promessa a Abraão, ou à sua descendência, de ser o herdeiro do mundo, mas por meio da justiça da fé. A herança vem pela fé, para que seja gratuita e para que a promessa fique garantida a toda a descendência.

§1244 Tendo sido, pois, justificados pela fé, estamos em paz com Deus por nosso Senhor Jesus Cristo, por quem tivemos acesso, pela fé, a esta graça, na qual estamos firmes e nos gloriamos na esperança da glória de Deus.

§1245 A esperança não decepciona, porque o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.

§1246 Deus demonstra seu amor para conosco pelo fato de Cristo ter morrido por nós quando éramos ainda pecadores. Quanto mais, então, agora, justificados por seu sangue, seremos por ele salvos da ira.

§1247 Se quando éramos inimigos fomos reconciliados com Deus pela morte do seu Filho, muito mais agora, uma vez reconciliados, seremos salvos por sua vida.

§1248 A Lei interveio para que avultasse a falta; mas onde avultou o pecado, a graça superabundou, para que, como imperou o pecado na morte, assim também imperasse a graça por meio da justiça, para a vida eterna, através de Jesus Cristo, nosso senhor.

§1249 O salário do pecado é a morte, e a graça de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.

§1250 A Lei é espiritual, mas eu sou carnal, vendido como escravo ao pecado. Realmente não consigo entender o que faço; pois não pratico o que quero, mas faço o que detesto. Ora, se faço o que não quero, reconheço que a Lei é boa.

§1251 Eu sei que o bem não mora em mim, isto é, na minha carne. Pois o querer o bem está ao meu alcance, não porém o praticá-lo. Não faço o bem que quero, mas pratico o mal que não quero. Ora, se faço o que não quero, já não sou eu que ajo, e sim o pecado que habita em mim.

§1252 Quando quero fazer o bem, é o mal que se me apresenta. Comprazo-me na lei de Deus segundo o homem interior; mas percebo outra lei em meus membros, que peleja contra a lei da minha razão e que me acorrenta à lei do pecado que existe em meus membros.

§1253 Infeliz de mim! Quem me libertará deste corpo de morte? Graças sejam dadas a Deus, por Jesus Cristo Senhor nosso. Assim, pois, sou eu mesmo que pela razão sirvo à lei de Deus e pela carne à lei do pecado.

§1254 Não existe mais condenação para aqueles que estão em Cristo Jesus. A Lei do Espírito da vida em Cristo Jesus te libertou da lei do pecado e da morte. Deus, enviando o seu próprio Filho em carne, condenou o pecado na carne, a fim de que o preceito da Lei se cumprisse em nós.

§1255 Os que vivem segundo a carne desejam as coisas da carne, e os que vivem segundo o espírito, as coisas que são do espírito. O desejo da carne é a morte, ao passo que o desejo do espírito é a vida e a paz.

§1256 O desejo da carne é inimigo de Deus, pois ele não se submete à lei de Deus, e nem o pode, pois os que estão na carne não podem agradar a Deus.

§1257 Vós não estais na carne, mas no espírito, se é verdade que o Espírito de Deus habita em vós. Se, porém, Cristo está em vós, o corpo está morto pelo pecado, mas o Espírito é vida pela justiça.

§1258 Somos devedores não à carne para vivermos segundo a carne. Pois se viverdes segundo a carne, morrereis, mas se pelo Espírito fizerdes morrer as obras do corpo, vivereis.

§1259 Não recebestes um espírito de escravos, para recair no temor, mas recebestes um espírito de filhos adotivos, pelo qual clamamos: Abba! Pai! O próprio Espírito se une ao nosso espírito para testemunhar que somos filhos de Deus. E se somos filhos, somos também herdeiros.

§1260 Os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória que deverá revelar-se em nós. Pois a criação em expectativa anseia pela revelação dos filhos de Deus.

§1261 Sabemos que a criação inteira geme e sofre as dores do parto até o presente. E não somente ela. Mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos interiormente, suspirando pela redenção do nosso corpo. Pois nossa salvação é objeto de esperança.

§1262 Nossa salvação é objeto de esperança; e ver o que se espera não é esperar. Acaso alguém espera o que vê? E se esperamos o que não vemos, é na perseverança que o aguardamos.

§1263 O Espírito socorre a nossa fraqueza. Pois não sabemos o que pedir como convém; mas o próprio Espírito intercede por nós com gemidos inefáveis, e aquele que perscruta os corações sabe qual o desejo do Espírito; pois é segundo Deus que ele intercede pelos santos.

§1264 Deus coopera em tudo para o bem daqueles que o amam, daqueles que são chamados segundo o seu desígnio. Porque os que de antemão ele conheceu, esses também predestinou a serem conformes à imagem do seu Filho, a fim de ser ele o primogênito entre muitos irmãos.

§1265 Os que Deus predestinou, também os chamou; e os que chamou, também os justificou, e os que justificou, também os glorificou.

§1266 Se Deus está conosco, quem está contra nós? Quem não poupou seu próprio Filho e o entregou por todos nós, como não haverá de agraciar em tudo junto com ele? Quem acusará os eleitos de Deus? É Deus quem justifica. Quem condenará? Quem nos separará do amor de Cristo?

§1267 Nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem o presente, nem o futuro, nem os poderes, nem a altura, nem a profundeza, nem qualquer outra criatura poderá nos separar do amor de Deus manifestado em Cristo Jesus, nosso Senhor.

§1268 Não depende daquele que quer, nem daquele que corre, mas de Deus, que faz misericórdia. Ele faz misericórdia a quem quer e endurece a quem quer. Quem és tu, ó homem, para discutires com Deus?

§1269 Os gentios, sem procurar a justiça, alcançaram a justiça, isto é, a justiça da fé, ao passo que Israel, procurando uma lei de justiça, não conseguiu esta Lei. E por quê? Porque não a procurou pela fé, mas como se a conseguisse pelas obras. Esbarraram na pedra de tropeço.

§1270 Rendo testemunho de que têm zêlo por Deus, mas não é zêlo esclarecido. Desconhecendo a justiça de Deus e procurando estabelecer a própria, não se sujeitaram à justiça de Deus. Porque a finalidade da Lei é Cristo para a justificação de todo o que nele crê.

§1271 Se confessares com tua boca que Jesus é Senhor e creres em teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Pois quem crê de coração obtém a justiça, e quem confessa com a boca, a salvação.

§1272 Não há distinção entre judeu e grego, pois ele é Senhor de todos, rico para todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.

§1273 Constituiu-se um resto segundo a eleição da graça. E se é por graça, não é pelas obras; do contrário, a graça não é mais graça. Aquilo a que tanto aspira, Israel não conseguiu: conseguiram-no, porém, os escolhidos. E os demais ficaram endurecidos.

§1274 Deus encerrou todos na desobediência para a todos fazer misericórdia. Ó abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! Como são insondáveis seus juízos e impenetráveis seus caminhos! Porque tudo é dele, por ele e para ele. A ele a glória pelos séculos!

§1275 A ninguém pagueis o mal com o mal; seja vossa preocupação fazer o que é bom para todos os homens, procurando, se possível, viver em paz com todos, por quanto de vós depende.

§1276 Não devais nada a ninguém, a não ser o amor mútuo, pois quem ama o outro cumpriu a Lei. De fato, os mandamentos se resumem nesta sentença: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. O amor não pratica o mal contra o próximo. Portanto, o amor é a plenitude da Lei.

§1277 Acolhei o fraco na fé sem querer discutir suas opiniões. Um acha que pode comer de tudo, ao passo que o fraco só come verdura. Quem come não despreze aquele que não come; e aquele que não come não condene aquele que come; pois Deus o acolheu.

§1278 Quem és tu que julga o servo alheio? Que ele fique de pé ou caia, isso é com seu senhor; mas ele ficará em pé, porque o Senhor tem o poder de o sustentar.

§1279 Há quem faça diferença entre dia e dia e há quem ache todos os dias iguais: cada qual siga sua convicção. Aquele que distingue os dias, é para o Senhor que os distingue, e aquele que come, é para o Senhor que o faz, porque ele dá graças a Deus.

§1280 Ninguém de nós vive e ninguém morre para si mesmo, porque se vivemos é para o Senhor que vivemos, e se morremos é para o Senhor que morremos. Quer vivamos, quer morramos, pertencemos ao Senhor. Cristo morreu e reviveu para ser o Senhor dos mortos e dos vivos.

§1281 Deixemos de nos julgar uns aos outros; cuidai antes de não colocar tropeço ou escândalo diante de vosso irmão.

§1282 Nada é impuro em si. Alguma coisa só é impura para quem a considera impura. Entretanto, se por causa de um alimento teu irmão fica contristado, já não procedes com amor. Não faças perecer por causa do teu alimento alguém pelo qual Cristo morreu!

§1283 Que o vosso bem não se torne alvo de injúrias, porquanto o Reino de Deus não consiste em comida e bebida, mas é justiça, paz e alegria no Espírito Santo. Quem desta maneira serve a Cristo, torna-se agradável a Deus.

§1284 A fé esclarecida que tens, guarda-a para ti diante de Deus. Feliz aquele que não se condena na decisão que toma. Mas quem duvida e assim mesmo toma o alimento é condenado, porque não procede de boa fé. Pois tudo o que não procede da boa fé é pecado.

§1285 Nós, os fortes, devemos carregar as fragilidades dos fracos e não buscar a nossa própria satisfação. Cada um de nós procure agradar ao próximo, em vista do bem, para edificar.

I CORÍNTIOS (§1286-1312)

§1286 Não foi para batizar que Cristo me enviou, mas para anunciar o Evangelho, sem recorrer à sabedoria da linguagem, a fim de que não se torne inútil a cruz de Cristo. A linguagem da cruz é loucura para aqueles que se perdem, mas para aqueles que se salvam, é poder de Deus.

§1287 Onde está o argumentador deste século? Deus não tornou louca a sabedoria deste século? Visto que o mundo por meio da sabedoria não reconheceu a Deus na sabedoria de Deus, aprouve a Deus pela loucura da pregação salvar aqueles que crêem.

§1288 Os judeus pedem sinais, e os gregos andam em busca de sabedoria; nós, porém, anunciamos Cristo crucificado, que para os judeus é escândalo, para os gentios é loucura, mas para os chamados é Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus.

§1289 O que é loucura de Deus é mais sábio do que os homens, e o que é fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.

§1290 Não há entre vós muitos sábios segundo a carne, nem muito poderosos, nem muitos de família prestigiosa. Mas o que é loucura no mundo, Deus o escolheu para confundir o que é forte; e o que no mundo é vil e desprezado, o que não é.

§1291 Deus escolheu para reduzir a nada o que é, a fim de que nenhuma criatura possa vangloriar-se diante de Deus. É por ele que vós sois em Cristo Jesus, que se tornou para nós sabedoria proveniente de Deus, justiça, santificação e redenção.

§1292 Não temos o espírito do mundo, mas o Espírito de Deus, a fim de que conheçamos os dons da graça de Deus. Desses dons não falamos com a linguagem ensinada pela sabedoria humana, mas com aquela que o Espírito ensina, exprimindo realidades espirituais em termos espirituais.

§1293 O homem psíquico não aceita o que vem do Espírito de Deus. É loucura para ele; não pode compreender, pois isso deve ser julgado espiritualmente. O homem espiritual, ao contrário, julga a respeito de tudo e por ninguém é julgado.

§1294 Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá. Pois o templo de Deus é santo e esse templo sois vós.

§1295 Ninguém se iluda: se alguém dentre vós julga ser sábio aos olhos deste mundo, torne-se louco para ser sábio; pois a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus.

§1296 O Reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder.

§1297 Tudo me é permitido, mas nem tudo me convém. Tudo me é permitido, mas não me deixarei escravizar por coisa alguma.

§1298 Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós e que recebestes de Deus? E que, portanto, não pertenceis a vós mesmos? Alguém pagou alto preço pelo vosso resgate; glorificai, portanto, a Deus em vosso corpo.

§1299 Viva cada um segundo a condição que o Senhor lhe assinalou em partilha e na qual ele se encontrava quando Deus o chamou. Permaneça cada um na condição em que se encontrava quando foi chamado por Deus.

§1300 O tempo se fez curto. Os que têm esposa, sejam como se não tivessem; os que choram, como se não chorassem; os que regozijam, como se não regozijassem; os que compram, como se não possuíssem; os que usam deste mundo, como se não o usassem. Pois passa a figura deste mundo.

§1301 Eu quisera que estivésseis isentos de preocupações. Digo-vos isto em vosso próprio interesse, não para vos armar cilada, mas para que façais o que é digno e possais permanecer junto ao Senhor sem distração.

§1302 Não é um alimento que nos fará comparecer para julgamento diante de Deus: se deixamos de comer, nada perdemos; e se comemos, nada lucramos. Tomai cuidado, porém, para que a vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos.

§1303 Ainda que eu falasse línguas, as dos homens e as dos anjos, se eu não tivesse o amor, seria como bronze que soa. Ainda que tivesse o dom da profecia, o conhecimento dos mistérios e de toda a ciência, ainda que tivesse toda a fé, se não tivesse o amor, nada seria.

§1304 Ainda que distribuísse todos os meus bens aos famintos, ainda que entregasse meu corpo às chamas, se não tivesse o amor, isso nada me adiantaria. O amor é paciente, é prestativo, não é invejoso, não se ostenta, não se incha de orgulho.

§1305 O amor nada faz de inconveniente, não procura o seu próprio interesse, não se irrita, não guarda rancor. Não se alegra com a injustiça, mas se regozija com a verdade. Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais passará.

§1306 O amor jamais passará. Quanto às profecias, desaparecerão. As línguas cessarão. A ciência também desaparecerá. Pois o nosso conhecimento é limitado, e limitada é a nossa profecia. Mas, quando vier a perfeição, o que é limitado desaparecerá.

§1307 Agora vemos em espelho e de forma confusa, mas, depois, veremos face a face. Agora meu conhecimento é limitado, mas, depois, conhecerei como sou conhecido. Permanecem fé, esperança e amor, essas três coisas. A maior delas, porém, é o amor.

§1308 Se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou. E, se Cristo não ressuscitou, ilusória é a vossa fé; ainda estais em vossos pecados.

§1309 Se não há ressurreição, aqueles que adormeceram em Cristo estão perdidos. Se temos esperança em Cristo somente para esta vida, somos os mais dignos de compaixão de todos os homens.

§1310 A carne e o sangue não podem herdar o Reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorruptibilidade. Nem todos morreremos, mas todos seremos transformados, num instante, num abrir e fechar de olhos, ao som da trombeta final; a trombeta tocará e os mortos ressurgirão.

§1311 É necessário que este ser corruptível revista a incorruptibilidade e que este ser mortal revista a imortalidade.

§1312 O aguilhão da morte é o pecado e a força do pecado é a Lei. Graças se rendam a Deus, que nos dá a vitória por nosso Senhor Jesus Cristo! Sede firmes, inabaláveis, fazei incessantes progressos na obra do Senhor, cientes de que a vossa fadiga não é vã no Senhor.

II CORÍNTIOS (§1313-1326)

§1313 Não somos dotados de capacidade que possamos atribuir a nós mesmos, mas é de Deus que vem a nossa capacidade. Foi ele quem nos tornou aptos para sermos ministros de uma Aliança nova, não da letra, e sim do Espírito, pois a letra mata, mas o Espírito comunica a vida.

§1314 Pela verdade recomendamo-nos à consciência de cada homem diante de Deus. Se o nosso Evangelho permanece velado, está velado para os que se perdem, para os incrédulos, dos quais o deus deste mundo obscureceu a inteligência, a fim de que não vejam brilhar a luz do Evangelho.

§1315 Deus disse: Do meio das trevas brilhe a luz! Foi ele mesmo quem reluziu em nossos corações, para fazer brilhar o conhecimento da glória de Deus, que resplandece na face de Cristo.

§1316 Embora em nós o homem exterior vá caminhando para a sua ruína, o homem interior se renova dia a dia. Nossas tribulações momentâneas são leves em relação ao peso eterno de glória que elas nos preparam até o excesso.

§1317 Não olhamos para as coisas que se vêem, mas para as que não se vêem; pois o que se vê é transitório, mas o que não se vê é eterno.

§1318 Se a nossa morada terrestre, esta tenda, for destruída, teremos no céu um edifício, obra de Deus, morada eterna, não feita por mãos humanas. Gememos pelo desejo ardente de revestir por cima da nossa morada terrestre a nossa habitação celeste.

§1319 Estamos sempre confiantes, sabendo que, enquanto habitamos neste corpo, estamos fora da nossa mansão, longe do Senhor, pois caminhamos pela fé e não pela visão. Sim, estamos cheios de confiança, e preferimos deixar a mansão deste corpo para ir morar junto do Senhor.

§1320 Se alguém está em Cristo, é nova criatura. Passaram-se as coisas antigas; eis que se fez realidade nova. Tudo isto vem de Deus, que nos reconciliou consigo por Cristo e nos confiou o ministério da reconciliação.

§1321 Era Deus que em Cristo reconciliava o mundo consigo, não imputando aos homens suas faltas e pondo em nós a palavra da reconciliação.

§1322 Em nome de Cristo, suplicamo-vos: Reconciliai-vos com Deus. Aquele que não conhecera o pecado, Deus o fez pecado por causa de nós, a fim de que, por ele, nos tornemos justiça de Deus.

§1323 Não formeis parelha incoerente com os incrédulos. Que afinidade pode haver entre a justiça e a impiedade? Que comunhão pode haver entre a luz e as trevas? Que há de comum entre o templo de Deus e os ídolos?

§1324 Visto que muitos se gloriam de seus títulos humanos, também eu me gloriarei. De boa vontade suportais os insensatos, vós que são tão sensatos! Suportai que vos escravizem, que vos tratem com soberba. Digo-o para vergonha vossa: poder-se-ia crer que nós é que somos fracos…

§1325 Esse homem foi arrebatado até o paraíso e ouviu palavras inefáveis, que não é lícito ao homem repetir. No tocante a esse homem, eu me gloriarei; mas, no tocante a mim, só me gloriarei das minhas fraquezas.

§1326 Disse o Senhor: “Basta-te a minha graça, pois é na fraqueza que a força manifesta todo o seu poder.” Com todo ânimo prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que pouse sobre mim a força de Cristo. Me comprazo nas fraquezas, pois quando sou fraco, então é que sou forte.

GÁLATAS (§1327-1332)

§1327 Nem Tito, que estava comigo e era grego, foi obrigado a circuncidar-se. Mas há perturbação por causa dos intrusos, esses falsos irmãos que se infiltraram para espiar a liberdade que temos em Cristo Jesus, a fim de nos reduzir à escravidão, aos quais não cedemos sequer um instante.

§1328 O homem não se justifica pelas obras da Lei, mas pela fé em Jesus Cristo. Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim. Minha vida presente na carne, vivo-a pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou a si mesmo por mim.

§1329 Não invalido a graça de Deus, porque, se é pela Lei que vem a justiça, então Cristo morreu em vão.

§1330 É para a liberdade que Cristo nos libertou. Permanecei firmes e não vos deixeis prender de novo ao jugo da escravidão.

§1331 Rompestes com Cristo, vós que buscais a justiça na Lei: caístes fora da graça. Nós, com efeito, aguardamos, no Espírito, a esperança da justiça que vem da fé. Em Cristo Jesus, nem a circuncisão tem valor, nem a incircuncisão, mas apenas a fé agindo pelo amor.

§1332 Quem vos pôs obstáculos para não obedecerdes à verdade? Aquele que vos perturba sofrerá a condenação, seja quem for.

EFÉSIOS (§1333-1344)

§1333 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos abençôou com toda a sorte de bênçãos espirituais, nos céus, em Cristo. Nele nos escolheu antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele no amor.

§1334 Deus nos predestinou para sermos seus filhos adotivos por Jesus Cristo, conforme o beneplácito da sua vontade, para louvor e glória da sua graça e com a qual ele nos agraciou no Amado.

§1335 É pelo sangue de Jesus que temos a redenção, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça, que ele derramou profusamente sobre nós, infundindo-nos toda sabedoria e inteligência, dando-nos a conhecer o mistério da sua vontade, conforme decisão prévia que tomou.

§1336 Deus decidiu levar o tempo à sua plenitude: a de em Cristo encabeçar todas as coisas, as que estão nos céus e as que estão na terra. Nele, predestinados pelo propósito daquele que tudo opera segundo o conselho da sua vontade, fomos feitos sua herança.

§1337 Vós, tendo ouvido a Palavra da verdade –o Evangelho da vossa salvação– e nela tendo crido, fostes selados pelo Espírito da promessa, o Espírito Santo, que é o penhor da nossa herança, para a redenção do povo que ele adquiriu para o seu louvor e glória.

§1338 Que ele ilumine os olhos dos vossos corações, para saberdes qual é a esperança que o seu chamado encerra, qual é a riqueza da glória da sua herança entre os santos e qual é a extraordinária grandeza do seu poder para nós, os que cremos, conforme a ação do seu poder eficaz.

§1339 Pela graça fostes salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós, é o dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se encha de orgulho. Pois somos criaturas dele, criados em Cristo Jesus para as boas obras que Deus já antes preparara para que nelas andássemos.

§1340 Não andeis mais como andam os demais gentios, na futilidade dos seus pensamentos, com entendimento entenebrecido, alienados da vida de Deus pela sua ignorância e pela dureza dos seus corações. Tendo-se tornado insensíveis, entregaram-se à dissolução.

§1341 Abandonai a mentira e falai a verdade cada um ao seu próximo, porque somos membros uns dos outros. Irai-vos, mas não pequeis: não se ponha o sol sobre a vossa ira, nem deis lugar ao diabo.

§1342 Fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti a armadura de Deus, para poderdes resistir às insídias do diabo.

§1343 O nosso combate não é contra o sangue nem contra a carne, mas contra os Principados, contra as Autoridades, contra os Dominadores deste mundo de trevas, contra os Espíritos que povoam as regiões celestiais.

§1344 Deveis vestir a armadura de Deus, para poderdes resistir no dia mau e sair firmes de todo o combate.

FILIPENSES (§1345-1355)

§1345 Minha expectativa e esperança é de que em nada serei confundido, mas com toda a ousadia, agora como sempre, Cristo será engrandecido no meu corpo, pela vida ou pela morte. Pois para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro.

§1346 Se o viver na carne me dá ocasião de trabalho frutífero, não sei bem que escolher. Sinto-me num dilema: meu desejo é partir e ir estar com Cristo, pois isso me é muito melhor, mas o permanecer na carne é mais necessário por vossa causa.

§1347 Ele, estando na forma de Deus não usou de seu direito de ser tratado como deus, mas se despojou, tomando a forma de escravo. Tornando-se semelhante aos homens e reconhecido em seu aspecto como um homem, abaixou-se, tornando-se obediente até a morte, à morte sobre uma cruz.

§1348 Deus soberanamente o elevou e lhe conferiu o nome que está acima de todo nome, a fim de que ao nome de Jesus todo joelho se dobre nos céus, sobre a terra e sob a terra, e que toda língua proclame que o Senhor é Jesus Cristo para a glória de Deus Pai.

§1349 O que era para mim lucro tive-o como perda, por amor de Cristo. Mais ainda: tudo considero perda, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor.

§1350 Por ele, perdi tudo e tudo tenho como esterco, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo como minha justiça aquela que vem da Lei, mas aquela pela fé em Cristo, aquela que vem de Deus e se apóia na fé, para conhecê-lo, e conhecer o poder da sua ressurreição.

§1351 Esquecendo-me do que fica para trás e avançando para o que está diante, prossigo para o alvo, para o prêmio da vocação do alto, que vem de Deus em Cristo Jesus.

§1352 Há muitos que são inimigos da cruz de Cristo: seu fim é a destruição, seu deus é o ventre, sua glória está no que é vergonhoso, e seus pensamentos no que está sobre a terra. Mas a nossa cidade está nos céus, de onde esperamos como Salvador o Senhor Jesus Cristo.

§1353 Transfigurará nosso corpo humilhado, conformando-o ao seu corpo glorioso, pela força que lhe dá poder de submeter a si todas as coisas.

§1354 Alegrai-vos sempre no Senhor! Que a vossa moderação se torne conhecida de todos os homens. O Senhor está próximo! Não vos inquieteis com nada. A paz de Deus, que excede toda a compreensão, guardará os vossos corações e pensamentos, em Cristo Jesus.

§1355 Sei viver modestamente, e sei também como haver-me na abundância; estou acostumado com toda e qualquer situação: viver saciado e passar fome; ter abundância e sofrer necessidade. Tudo posso naquele que me fortalece.

COLOSSENSES (§1356-1358)

§1356 Ele é a Imagem do Deus invisível, o Primogênito de toda criatura, porque nele foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis: Tronos, Soberanias, Principados, Autoridades, tudo foi criado por ele e para ele.

§1357 Ele é antes de tudo e tudo nele subsiste. É o Princípio, o primogênito dos mortos, tendo em tudo a primazia. Nele aprouve a Deus fazer habitar toda a Plenitude e reconciliar por ele e para ele todos os seres, realizando a paz pelo sangue da sua cruz.

§1358 Tomai cuidado para que ninguém vos escravize por vãs e enganosas especulações da filosofia, segundo a tradição dos homens, segundo os elementos do mundo, e não segundo Cristo.

I TESSALONICENSES (§1359-1360)

§1359 Quando as pessoas disserem: “paz e segurança!”, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores sobre a mulher grávida; e não poderão escapar. Vós, porém, não andais em trevas, de modo que esse Dia vos surpreenda como ladrão; pois sois filhos da luz, filhos do dia.

§1360 Não somos da noite, nem das trevas. Portanto, não durmamos, a exemplo dos outros; mas vigiemos e sejamos sóbrios.

II TESSALONICENSES (§1361-1364)

§1361 Quanto à Vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e à nossa reunião com ele, rogamo-vos que não percais tão depressa a serenidade do espírito, e não vos perturbeis nem por palavra profética, como se o Dia do Senhor já estivesse próximo.

§1362 Deve vir primeiro a apostasia, e aparecer o homem ímpio, o filho da perdição, o adversário, que se levanta contra tudo que se chama Deus, ou recebe culto, chegando a sentar-se pessoalmente no templo de Deus, e querendo passar por Deus.

§1363 O mistério da impiedade já age, só é necessário que seja afastado aquele que ainda o retém! Então, aparecerá o ímpio, aquele que o Senhor destruirá com o sopro de sua boca, e o suprimirá pela manifestação de sua Vinda.

§1364 A vinda do ímpio será assinalada pela atividade de Satanás, com toda a sorte de portentos, milagres e prodígios mentirosos, e por todas as seduções da injustiça, para aqueles que se perdem, porque não acolheram o amor da verdade a fim de serem salvos.

I TIMÓTEO (§1365-1369)

§1365 Há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, um homem, Jesus Cristo, que se deu em resgate por todos.

§1366 Se alguém ensinar outra doutrina que não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, é porque é cego, nada entende, é doente à procura de controvérsias e discussões de palavras. Daí nascem inveja, brigas, blasfêmias, más suposições, e altercações intermináveis.

§1367 A piedade é de fato grande fonte de lucro, mas para quem sabe se contentar. Pois nós nada trouxemos para o mundo, nem coisa alguma dele podemos levar. Se, pois, temos alimento e vestuário, contentemo-nos com isso.

§1368 Os que querem enriquecer caem em tentação e cilada, e em muitos desejos insensatos e perniciosos, que mergulham os homens na ruína e na perdição.

§1369 A raiz de todos os males é o amor ao dinheiro, por cujo desenfreado desejo alguns se afastaram da fé, e a si mesmos se afligem com múltiplos tormentos.

II TIMÓTEO (§1370-1372)

§1370 Fiel é esta palavra: se com ele morremos, com ele viveremos. Se com ele sofremos, com ele reinaremos. Se nós o renegamos, também ele nos renegará. Se lhe somos infiéis, ele permanece fiel, pois não pode renegar-se a si mesmo.

§1371 Nos últimos dias sobrevirão momentos difíceis. Os homens serão egoístas, gananciosos, jactanciosos, soberbos, blasfemos, rebeldes com os pais, ingratos, iníquos, sem afeto, implacáveis, mentirosos, incontinentes, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados.

§1372 Alguns não suportarão a sã doutrina. Pelo contrário, segundo os seus próprios desejos, como que sentindo comichão nos ouvidos, se rodearão de mestres. Desviarão os ouvidos da verdade, orientando-os para as fábulas.

HEBREUS (§1373-1377)

§1373 O Filho é o resplendor da glória e a expressão de sua substância. Sustenta o universo com o poder de sua palavra. Depois de realizar a purificação dos pecados, sentou-se nas alturas à direita da Majestade, tão superior aos anjos quanto o nome que herdou excede o deles.

§1374 Tal é precisamente o Sumo Sacerdote que nos convinha: santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, elevado mais alto do que os céus. Ele não precisa oferecer sacrifícios a cada dia. Ele já o fez uma vez por todas, oferecendo-se a si mesmo.

§1375 A Lei, com efeito, estabeleceu Sumos Sacerdotes sujeitos à fraqueza. A palavra do juramento, porém, posterior à Lei, estabeleceu o Filho, tornado perfeito para sempre.

§1376 A fé é a garantia dos bens que se esperam, a prova das realidades que não se vêem.

§1377 É pela fé que compreendemos que os mundos foram organizados por uma palavra de Deus. Por isso é que o mundo visível não tem sua origem em coisas manifestas.

TIAGO (§1378-1383)

§1378 Falai e agi como os que hão de ser julgados pela Lei de Liberdade, porque o julgamento será sem misericórdia para quem não pratica a misericórdia. A misericórdia desdenha o julgamento.

§1379 Adúlteros, não sabeis que a amizade com o mundo é inimizade com Deus? Assim, todo aquele que quer ser amigo do mundo torna-se inimigo de Deus. Ou julgais que é em vão que se diz: “Ele reclama com ciúme o espírito que pôs dentro de nós”?

§1380 Resisti ao diabo e ele fugirá de vós. Chegai-vos a Deus e ele se chegará a vós. Purificai vossas mãos, pecadores, e santificai vossos corações, homens dúbios.

§1381 Entristecei-vos, cobri-vos de luto e chorai. Transforme-se vosso riso e vossa alegria em desalento. Humilhai-vos diante do Senhor e ele vos exultará.

§1382 Vós dizeis: “Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, negociando e obtendo bons lucros”. E, no entanto, não sabeis nem mesmo o que será da vossa vida amanhã! Com efeito, não passais de vapor que se vê por alguns instantes e depois logo se desfaz.

§1383 Em vez de dizer: “Se o Senhor quiser, estaremos vivos e faremos isso ou aquilo”, vós vos jactais de vossas fanfarronadas!

I PEDRO (§1384-1386)

§1384 Nisso deveis alegrar-vos, ainda que entristeçam por provações. A ele, embora não o tenhais visto, amais; nele, apesar de não o terdes visto, mas crendo, vos rejubilais com alegria inefável e gloriosa, pois que alcançais o fim da vossa fé, a saber, a salvação das vossas almas.

§1385 Humilhai-vos sob a poderosa mão de Deus, para que na ocasião própria vos exalte; lançai nele toda a vossa preocupação, porque é ele que cuida de vós. Sede sóbrios e vigilantes! Eis que o vosso adversário, o diabo, vos rodeia como leão a rugir, procurando a quem devorar.

§1386 Depois de terdes sofrido um pouco, o Deus de toda a graça, aquele que vos chamou para sua glória eterna em Cristo, vos restaurará, vos firmará, vos fortalecerá e vos tornará inabaláveis.

II PEDRO (§1387-1389)

§1387 Nos últimos dias virão escarnecedores com os seus escárnios e levando vida desenfreada, de acordo com as suas próprias concupiscências. Seu tema será: “Em que ficou a promessa da sua vinda? Desde que os pais morreram, tudo continua como desde o princípio da criação!”

§1388 O Senhor não tarda a cumprir sua promessa, como pensam alguns, entendendo que há demora: o que ele está é usando de paciência convosco, porque não quer que ninguém se perca, mas que todos venham a converter-se.

§1389 Se este mundo está fadado a desfazer-se, qual não deve ser a santidade do vosso viver e da vossa piedade? O que nós esperamos, conforme sua promessa, são novos céus e nova terra, onde habitará a justiça.

I JOÃO (§1390-1407)

§1390 Se dizemos: “Não temos pecado”, enganamo-nos e a verdade não está em nós. Se confessarmos nossos pecados, ele, fiel e justo, perdoará nossos pecados e nos purificará de toda injustiça. Se dizemos: “Não pecamos”, fazemos dele um mentiroso, e sua palavra não está em nós.

§1391 Não ameis o mundo nem o que há no mundo. Se alguém ama o mundo, não está nele o amor do Pai. Porque tudo o que há no mundo –a concupiscência da carne e dos olhos e o orgulho da riqueza– não vem do Pai, mas do mundo. Ora, o mundo passa, mas a vontade de Deus permanece.

§1392 Quem é o mentiroso, senão o que nega que Jesus é o Cristo? Eis o Anticristo, o que nega o Pai e o Filho. Todo aquele que nega o Filho também não possui o Pai. O que confessa o Filho também possui o Pai.

§1393 Quanto a vós, a unção que recebestes dele permanece em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; sua unção vos ensina tudo, e ela é verdadeira e não mentirosa. Assim como ela vos ensinou, permanecei nele.

§1394 Permanecei nele, para que quando ele se manifestar, tenhamos plena confiança e não sejamos confundidos, por estarmos longe dele, na sua Vinda.

§1395 Vede que manifestação de amor nos deu o Pai: sermos chamados filhos de Deus. E nós o somos! Se o mundo não nos conhece, é porque não o conheceu. Amados, desde já somos filhos de Deus, mas o que nós seremos ainda não se manifestou.

§1396 Não amemos com palavras nem com a língua, mas com ações e em verdade. Nisto saberemos que somos da verdade, e diante dele tranquilizaremos o nosso coração, se o nosso coração vier a nos condenar, porque Deus é maior que o nosso coração e conhece todas as coisas.

§1397 Não acrediteis em qualquer espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo. Nisto reconhecereis o espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio na carne é de Deus.

§1398 Todo espírito que não confessa Jesus não é de Deus, este é o espírito do Anticristo. Dele ouvistes dizer que ele virá; e agora ele já está no mundo. Vós sois de Deus e vós os vencestes. Porque o que está em vós é maior do que aquele que está no mundo.

§1399 Eles são do mundo, por isso falam segundo o mundo e o mundo os ouve. Nós somos de Deus. Quem conhece a Deus nos ouve, quem não é de Deus não nos ouve. Nisto reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro.

§1400 Aquele que não ama não conheceu a Deus, porque Deus é Amor. Nisto se manifestou o amor de Deus por nós: Deus enviou seu Filho único ao mundo para que vivamos por ele. Nisto consiste o amor: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele quem nos amou e enviou-nos seu Filho.

§1401 Aquele que confessa que Jesus é o Filho de Deus, Deus permanece nele e ele em Deus. E nós temos reconhecido o amor de Deus por nós, e nele cremos. Deus é Amor: aquele que permanece no amor permanece em Deus e Deus permanece nele.

§1402 Nisto consiste a perfeição do amor em nós: que tenhamos plena confiança no dia do Julgamento, porque tal como ele é também somos nós neste mundo.

§1403 Não há temor no amor: ao contrário, o perfeito amor lança fora o temor, porque o temor implica castigo, e o que teme não chegou à perfeição do amor.

§1404 Se aceitamos o testemunho dos homens, o testemunho de Deus é maior. Pois este é o testemunho de Deus: o testemunho que deu de seu Filho. Aquele que crê no Filho de Deus tem este testemunho em si mesmo. Aquele que não crê em Deus faz dele mentiroso.

§1405 Deus nos deu vida eterna, e esta vida está em seu Filho. Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho não tem a vida.

§1406 Todo aquele que nasceu de Deus não cai; o Gerado por Deus o guarda e o Maligno não o pode atingir. Nós sabemos que somos de Deus e que o mundo inteiro está sob o poder do Maligno.

§1407 Nós sabemos que veio o Filho de Deus e nos deu a inteligência para conhecermos o Verdadeiro. E nós estamos no Verdadeiro, no seu Filho Jesus Cristo. Este é o Deus verdadeiro e a Vida eterna.

JUDAS (§1408-1410)

§1408 Eis que o Senhor vem com as suas santas milícias exercer o julgamento sobre todos os homens e arguir todos os ímpios de todas as obras de impiedade que praticaram e de todas as palavras duras que proferiram contra ele os pecadores ímpios.

§1409 Os ímpios são uns murmuradores, revoltados contra o destino, que procedem de acordo com suas concupiscências; sua boca profere palavras arrogantes, mas estão sempre prontos a bajular, quando seu interesse está em jogo.

§1410 Lembrai-vos das palavras de antemão preditas pelos apóstolos, pois vos diziam: “No fim do tempo surgirão escarnecedores”. São estes os que causam divisões, estes seres psíquicos, que não têm o Espírito.

APOCALIPSE (§1411-1437)

§1411 Devo reprovar-te por teres abandonado teu primeiro amor. Recorda-te, pois, de onde caíste, converte-te e retoma a conduta de outrora.

§1412 Eis que pus à tua frente uma porta aberta que ninguém poderá fechar, pois tens pouca força, mas guardaste minha palavra e não renegaste o meu nome. Forçarei os da sinagoga de Satanás, que parecem judeus mas não o são, que prostrem-se a teus pés e reconheçam que te amo.

§1413 Visto que guardaste minha palavra de perseverança, também eu te guardarei da hora da provação que virá sobre o mundo inteiro, para submeter à prova os habitantes da terra. Venho logo! Segura firme o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.

§1414 Conheço tua conduta: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, estou para te vomitar de minha boca. Pois dizes: sou rico, enriqueci-me e de nada mais preciso. Não sabes, porém, que és tu o infeliz: miserável, pobre, cego e nu!

§1415 Aconselho-te a comprares de mim ouro purificado no fogo para que enriqueças, vestes brancas para que te cubras e não apareça a vergonha da tua nudez, e colírio para que unjas os olhos e possas enxergar. Quanto a mim, repreendo e corrijo todos os que amo.

§1416 Recobra o fervor e converte-te! Eis que estou à porta e bato: se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele comigo. Ao vencedor concederei sentar-se comigo no meu trono, assim como eu também venci e estou sentado com meu Pai.

§1417 Eu chorava muito, pois ninguém foi considerado digno de abrir nem de ler o livro. Um dos Anciãos, porém, consolou-me: “Não chores! Eis que o Leão da tribo de Judá, o Rebento de Davi, venceu para poder abrir o livro e seus sete selos”.

§1418 Digno és tu de receber o livro e de abrir seus selos, pois foste imolado e, por teu sangue, resgataste para Deus homens de toda tribo, língua, povo e nação. Deles fizeste, para nosso Deus, uma Realeza de Sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra.

§1419 Digno é o Cordeiro imolado de receber o poder, a riqueza, a sabedoria, a força, a honra, a glória e o louvor.

§1420 Àquele que está sentado no trono e ao Cordeiro pertencem o louvor, a honra, a glória e o domínio pelos séculos dos séculos!

§1421 A realeza do mundo passou agora para nosso Senhor e seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos.

§1422 Nós te damos graças, Senhor Deus Todo-Poderoso, Aquele-que-é e Aquele-que-era, porque assumiste o teu grande poder e passaste a reinar.

§1423 As nações tinham-se enfurecido, mas a tua ira chegou, como também o tempo de julgar os mortos, de dar recompensa aos teus servos, os profetas, aos santos e aos que temem o teu nome, pequenos e grandes, e de exterminar os que exterminam a terra.

§1424 Agora realizou-se a salvação, o poder e a realeza do nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo: porque foi expulso o acusador dos nossos irmãos, aquele que os acusava dia e noite diante do nosso Deus.

§1425 Temei a Deus e tributai-lhe glória, pois chegou a hora do seu julgamento; adorai aquele que fez o céu e a terra, o mar e as fontes.

§1426 Caiu, caiu Babilônia, a Grande, que embebedou as nações com o vinho do furor. Vem! Vou mostrar-te o julgamento da grande Prostituta que está sentada à beira das águas copiosas: os reis da terra se prostituíram com ela, e com seu vinho embriagaram-se os habitantes da terra.

§1427 Caiu! Caiu Babilônia, A Grande! Tornou-se moradia de demônios, abrigo de todo tipo de espíritos impuros, porque com o vinho de suas prostituições foram embriagadas as nações, e os reis da terra fornicaram com ela, e os mercadores enriqueceram graças ao seu luxo desenfreado.

§1428 Saí dela, ó meu povo, para que não sejais cúmplices dos seus pecados e atingidos pelas suas pragas; porque seus pecados se amontoaram até ao céu, e Deus se lembrou das suas iniquidades. Devolvei-lhe o mesmo que ela pagou, pagai-lhe o dobro, conforme suas obras.

§1429 O tanto que ela se concedia em glória e luxo devolvei-lhe em tormento e luto, porque em seu coração dizia: “Estou sentada como rainha, não sou viúva e nunca experimentarei luto…” Por isso suas pragas virão num só dia: morte, luto e fome, e pelo fogo será devorada.

§1430 Os reis da terra, que se prostituíam com ela e compartilhavam seu luxo, chorarão e baterão no peito, ao ver a fumaça do seu incêndio. Postados à distância por medo, dirão: “Ai, ai, ó grande cidade, ó Babilônia, cidade poderosa, uma hora apenas bastou para o teu julgamento!”

§1431 Feliz e santo aquele que participa da primeira ressurreição! Sobre estes a segunda morte não tem poder; eles serão sacerdotes de Deus e de Cristo, e com ele reinarão durante mil anos.

§1432 Vi os mortos, grandes e pequenos, em pé diante do trono, e abriram-se livros. Também foi aberto outro livro, o da vida. Os mortos foram então julgados conforme sua conduta, a partir do que estava escrito nos livros. A Morte e o Hades foram então lançados no lago de fogo.

§1433 Eis a tenda de Deus com os homens. Ele habitará com eles; eles serão o seu povo, e ele, Deus-com-eles, será o seu Deus. Ele enxugará toda lágrima dos seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram!

§1434 Eis que eu faço novas todas as coisas. As palavras são fiéis e verdadeiras, se realizaram! EU SOU o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim. A quem tem sede eu darei gratuitamente da fonte de água viva. O vencedor receberá esta herança, e eu serei seu Deus e ele será meu filho.

§1435 Quanto aos covardes, e aos infiéis, aos corruptos, aos assassinos, aos impudicos, aos magos, aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua porção se encontra no lago ardente de fogo e enxofre, que é a segunda morte.

§1436 O Tempo está próximo. Que o injusto cometa ainda a injustiça e o sujo continue a sujar-se; que o justo pratique ainda a justiça e que o santo continue a santificar-se. Eis que eu venho em breve, e trago comigo o salário para retribuir a cada um conforme o seu trabalho.

§1437 Felizes os que lavam suas vestes para terem poder sobre a árvore da Vida e para entrarem na Cidade pelas portas. Ficarão de fora os cães, os mágicos, os impudicos, os homicidas, os idólatras e todos os que amam ou praticam a mentira.